Comércio varejista tem queda de 7% nas vendas em Mato Grosso do Sul

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Seguindo tendência do fim do ano passado, as vendas no varejo registraram queda em janeiro de 2016. Todos os Estados do país reduziram o volume negociado e Mato Grosso do Sul é o quarto na lista dos que apresentaram menor retração.

Na comparação com o mesmo mês de 2015, o comércio varejista sul-mato-grossense vendeu 7,1% a menos, segundo pesquisa divulgada hoje (10) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O percentual é inferior ao da média nacional, que ficou em 10,3%. Em relação a janeiro, a queda é de 0,8%, no volume comercializado em MS.

Em janeiro, as vendas no varejo recuaram 1,5% no Brasil, na comparação com dezembro de 2015. Seis das oito atividades pesquisadas apresentaram variação negativa.
Em janeiro, as vendas no varejo recuaram 1,5% no Brasil, na comparação com dezembro de 2015. Seis das oito atividades pesquisadas apresentaram variação negativa.

A receita nominal das vendas de janeiro, por sua vez, cresceu 3,1%, em Mato Grosso do Sul. Em novembro e dezembro, também houve acréscimos, de mais de 4%, no que se refere a receita.

BRASIL

O Paraná registrou a menor redução nas vendas, de 5,6%. Na sequência, estão Tocantins, com retração de 6,3% e Minas Gerais, onde os comerciantes venderam 6,6% a menos.

O Estado que contabilizou a queda mais significativa é o Amapá, cuja retração foi de 24,4%. Em seguida, estão Sergipe, com redução de 15,9% e Espírito Santo, com queda de 15,1% nas vendas. Em janeiro, as vendas no varejo recuaram 1,5% no Brasil, na comparação com dezembro de 2015. Seis das oito atividades pesquisadas apresentaram variação negativa.

O segmento de móveis e eletrodomésticos vendeu 4,3% a menos, segunda taxa negativa consecutiva, que faz acumular perda de 12,3%. Em segundo lugar, hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, tiveram queda de 0,9% nas vendas, pelo terceiro mês consecutivo.

Combustíveis e lubrificantes, tiveram queda de 3,1%. Também caíram as vendas de outros artigos de uso pessoal e doméstico, com redução de 1,8%, tecidos, vestuário e calçados, com 0,5% e livros, jornais, revistas e papelarias, com 0,1%. As vendas de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos se mantêm praticamente estáveis, com variação positiva de apenas 0,1%.