Salários de servidores públicos movimentam R$ 1,8 bilhão na economia de MS

Salários de servidores públicos movimentam R$ 1,8 bilhão na economia de MS

salários_servidores

Os funcionários públicos de Mato Grosso do Sul receberão o 13º salário no dia 1º de dezembro, os da Prefeitura de Campo Grande, no dia 20 de dezembro.

Fora a gratificação natalina, os servidores receberão as folhas de pagamento de novembro e dezembro em um intervalo de pouco mais de 30 dias.

Somadas as três folhas de pagamento do Estado e da Capital, serão injetados R$ 1,89 bilhão na economia estadual.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) divulgou ontem as três datas em que serão depositados os pagamentos.

Os 79 mil funcionários públicos do Estado, entre ativos e inativos, escolheram, por maioria, o dia 1º de dezembro para receber a gratificação de Natal.

O pagamento de novembro será depositado no dia 27 de novembro, já a folha salarial referente a dezembro será paga no primeiro dia útil do ano que vem, dia 4 de janeiro.

Os três pagamentos representam um montante de R$ 1,5 bilhão pagos em 37 dias.

“Fizemos o dever de casa. Com ajuste fiscal e cuidado com as contas públicas, não deixamos o Estado sucumbir. Mantemos nossa capacidade de pagamento e planejamos a folha salarial. Isso é importante, porque dá previsibilidade ao servidor. Previsibilidade é tudo na vida financeira. Com ela, você gasta melhor. Agora, o servidor sabe em que dia terá dinheiro em mãos e poderá se planejar”, afirmou Azambuja.

A Prefeitura de Campo Grande tem 27 mil servidores, que mensalmente recebem R$ 130 milhões. Somadas, as três folhas devem injetar mais de R$ 390 milhões na economia da Capital.

Sobre as datas dos salários referentes aos dois últimos meses do ano, a prefeitura foi consultada, mas não houve retorno até o fechamento da reportagem.

Conforme já noticiado pelo Correio do Estado, a prefeitura da Capital definiu em setembro a data em que funcionários terão acesso à gratificação de Natal.

“Será em parcela única em 20 de dezembro, já temos boa parte do 13° provisionado”, explicou o titular da Secretaria Municipal de Finanças e Planejamento (Sefin), Pedro Pedrossian Neto.

Além de funcionários públicos, os trabalhadores da inciativa privada recebem a gratificação natalina em uma ou duas parcelas até o dia 20 de dezembro.

São mais de 500 mil pessoas que fazem parte do mercado formal de Mato Grosso do Sul, conforme dados do Ministério da Economia.

Economia

O pagamento das folhas salariais de fim de ano do funcionalismo e o 13º dos trabalhadores assalariados da iniciativa privada movimentam diversos setores da economia, principalmente o comércio.

Segundo a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio (IPF-MS), Daniela Dias, todo recurso dinamiza a economia.

“Todo recurso que vem para a economia pode ser encarado de forma positiva, porque ele apresenta a possibilidade de um maior dinamismo. O próprio 13º salário foi criado com o intuito de oferecer aos trabalhadores um Natal e Ano Novo com uma movimentação de recursos maior. Essa é uma característica marcante do Brasil, em muitos outros países o 13º não existe. Sem dúvida nenhuma, qualquer injeção de ânimo nesse sentido é muito positiva, porque ainda temos um cenário muito conturbado. A intenção de consumo melhorou, os empresários estão com expectativas melhores, mas ainda temos a pandemia e uma economia que foi impactada pelos seus efeitos”, destacou Daniela.

A economista ainda ressalta que na iniciativa privada, os recursos devem ser menores. Com a Medida Provisória nº 936, trabalhadores tiveram salários e jornadas reduzidas ou suspensão de contratos.

Mais de 100 mil acordos dessa modalidade foram firmados em Mato Grosso do Sul. Todos os assistidos podem ter o 13º reduzido.

“A gente precisa ter um dinamismo maior [na economia], e o 13º traz essa possibilidade. Ainda que o montante possa ser menor que no ano passado, quando a gente pega a totalidade, esses recursos podem interferir, sim, na economia. Visto que a gente tem essa injeção de ânimo conjugada com essa ideia de apelo emocional, que foi intensificado com o distanciamento social, podemos ter pelos próximos meses uma movimentação financeira mais intensa”, concluiu Daniela.

Projeção