Turismo de aventura deixa 90% do recurso financeiro no destino, afirma presidente da Atta

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Bonito-fotosbaquatica
A preocupação com o desenvolvimento humano e com a preservação ambiental estão ligadas ao ecoturismo e ao turismo de aventura. (Foto: Divulgação).

O turista de aventura deixa 90% do recurso financeiro no município que visitou, apontou Shannon Stowel, presidente da Adventure Travel Trade Association (ATTA), durante o Seminário Internacional de Ecoturismo e Turismo de Aventura, realizado pelo Bonito Convention & Visitors Bureau, Embratur, Sebrae e Prefeitura Municipal de Bonito. “Diferente de um visitante que vai para um Resort ou mesmo para um cruzeiro, quando 10% fica no destino”, explicou.

A preocupação com o desenvolvimento humano e com a preservação ambiental estão ligadas ao ecoturismo e ao turismo de aventura. Stowel explicou ainda que esse tipo de visitante consome dos empreendimentos de pequeno porte na cidade, por isso, o recurso fica no município que estabelece esse tipo de turismo.  Outro benefício desse segmento é que empodera as mulheres, promove a educação ambiental e mantém a população jovem dentro das cidades, uma vez que há geração de emprego, por meio do turismo.

A América do Sul é um dos continentes que tem maior possibilidade de explorar o ecoturismo e o turismo de aventura no mundo. O presidente da ATTA apontou a região como a primeira em ascensão para este tipo de turismo. Ele apresentou essas informações durante o Seminário Internacional de Ecoturismo e Turismo de Aventura, em Bonito. A ATTA é a maior entidade desse segmento no mundo, tem mais de 1.100 operadores de turismo associados e tem uma capilaridade com mais de 20 mil pessoas ligadas ao turismo.

Stowel liderou no Pantanal e em Bonito o Adventure Travel Pantanal & Bonito, um evento que trouxe 15 operadores de turismo e 5 jornalistas ligados ao segmento. Conforme o presidente, o turismo de aventura e ecoturismo movimentou 265 bilhões de dólares em 2015. “É uma grande oportunidade de mercado. Cerca de 40% dos viajantes, faz um passeio ligado ao turismo de aventura”, apontou.

Desmistificar o que é turismo de aventura também é importante para a ATTA. Stowel explica que pode ser desde uma caminhada a observação de pássaros. “Temos três tipos de turistas desse segmento: os curiosos, os aventureiros e os entusiastas. Os curiosos não viajam para fazer determinada atividade, mas se a agencia oferecer, ele pode ficar interessado e participar. Já o aventureiro, é mais jovem, viaja para fazer várias atividades ligadas à rafting, caiaque, ciclismo. E o entusiasta, viaja até mesmo fora de temporada. É aquele que, por exemplo, é observador de pássaros. É um turista focado”, comentou.

“Roteiros customizados”, resumiu Stowel. Segundo ele, esse turista gosta de sentir-se especial e quer adequar ao passeio ao que ele gosta de fazer. O presidente ainda comentou que 80% dos participantes do Adventure Week não conheciam o Brasil. Um deles, antes de chegar disse que não vendia o destino porque simplesmente não conseguia diferenciar um País do outro. Agora, para ele vai ficar mais fácil apontar o destino para seu cliente.