SOMENTE 8,40% DOS MUNICÍPIOS DE MS SÃO A E B NO TURISMO

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Dênes de Azevedo

 

Somente 8,4% dos municípios de Mato Grosso do Sul estão nas categorias A e B do Mapa do Turismo Brasileiro, novo sistema do MTur (Ministério do Turismo) de avaliar a economia da atividade. Somente a capital, Campo Grande, que representa 1,73%, é A. São categoria B os municípios de Bonito, Corumbá, Dourados e Três Lagoas. Eles representam outros 6,67% em relação às 60 cidades incluídas no mapa. Esses municípios são aqueles que têm maior fluxo turístico e maior número de empregos e estabelecimentos no setor de hospedagem.

Esse índice mostra a economia do turismo nos municípios. Para a categorização foram utilizados dados da RAIS/Ministério do Trabalho e Emprego e FIPE/MTur) sobre número de ocupações formais no setor de hospedagem, número de estabelecimentos formais no setor de hospedagem, estimativa do fluxo turístico doméstico e estimativa do fluxo turístico internacional.

As categorias vão de A a E. Na categoria C estão 13 municípios (21,7%), que são Miranda, Aquidauana, Rio Verde de Mato Grosso, Coxim, Costa Rica, Paranaíba, Bataguassu, Nova Andradina, Ivinhema, Naviraí, Mundo Novo, Ponta Porã, Jardim.

Na última categoria, a E (6,6%) estão Taquarussú, Paraiso das Águas, Figueirão e Alcinópolis. Esses municípios não possuem fluxo turístico expressivo e nem empregos e estabelecimentos formais no setor de hospedagem.

A maioria absoluta dos municípios do Estado estão na penúltima categoria, a D. São 38 cidades, representando 63,3% do total do Estado, onde o turismo influi muito pouco nada na economia local.

Para a construção da metodologia de categorização, o Ministério aproveitou as experiências de vários estados que já haviam desenvolvido instrumentos similares.

dourados-aerea-2015
Dourados está na categoria B, a mesma de Bonito, Corumbá e Três Lagoas. (Foto: Divulgação).

No Mato Grosso do Sul, dos 79 municípios 60 são considerados municípios turísticos e inseridos no Mapa do Turismo Brasileiro. No Estado são 10 regiões turísticas.

 

REGÕES TURÍSTICAS DE MS

Caminhos da Natureza/Cone Sul

Eldorado, Iguatemi, Itaquiraí, Japorã, Mundo Novo e Naviraí.

 

Bonito/Serra da Bodoquena

Bela Vista, Bodoquena, Bonito, Caracol, Guia Lopes da Laguna, Jardim, Nioaque e Porto Murtinho.

 

Caminho dos Ipês

Campo Grande, Corguinho, Dois Irmãos do Buriti, Jaraguari, Nova Alvorada do Sul, Ribas do Rio Pardo, Rio Negro, Sidrolândia e  Terenos.

 

Caminhos da Fronteira

Antônio João, Laguna Carapã e Ponta Porã.

 

Costa Leste

Água Clara, Anaurilândia, Aparecida do Taboado, Bataguassu, Brasilândia, Selvíria e Três Lagoas.

 

Grande Dourados

Caarapó, Dourados, Fátima do Sul e Itaporã.

 

Pantanal

Anastácio, Aquidauana, Corumbá, Ladário e Miranda.

 

Rota Norte

Alcinópolis, Bandeirantes, Camapuã, Costa Rica, Coxim, Figueirão, Paraíso das Águas, Pedro Gomes, Rio Verde de Mato Grosso, São Gabriel do Oeste e Sonora.

 

Vale das Águas

Batayporã, Ivinhema, Nova Andradinae Taquarussu

 

Vale do Aporé

Cassilândia, Inocência e Paranaíba.

 

Em todo o Brasil, o mapa incluiu 3.345 municípios.

  • – 51 municípios na categoria A;
  • – 167 municípios na categoria B;
  • – 504 municípios na categoria C;
  • – 1.841municípios na categoria D;
  • – 782 municípios na categoria E.

 

Dentro da metodologia, as cidades contempladas nas categorias A, B e C contam com 95% dos empregos formais em meios de hospedagem 87% dos estabelecimentos formais de meios de hospedagem, 93% do fluxo doméstico e têm fluxo internacional. O conjunto de municípios dos grupos D e E, reúnem características de apoio às cidades geradoras de fluxo turístico. Muitas vezes são aquelas que fornecem mão-de-obra ou insumos necessários para atendimento aos turistas.

O Mapa do Turismo Brasileiro é um instrumento de orientação para a atuação do Ministério do Turismo no desenvolvimento de políticas públicas, tendo como foco a gestão, estruturação e promoção do turismo, de forma regionalizada e descentralizada. Sua construção é feita em conjunto com os órgãos oficiais de Turismo dos estados brasileiros.

 

INVESTIMENTO

De acordo com o Ministério do Turismo, a categorização não significa necessariamente uma priorização para investimentos, pois dependerá do tipo de ação a ser feita e das prioridades definidas pelos gestores do MTur e pelo Plano Nacional de Turismo. Segundo a proposta, a categorização não restringe o número de municípios priorizados. Pelo contrário, ela permite ampliar o apoio dado pelo MTur aos municípios, segundo a política do programa.

 

(Com informações do Mapa do Turismo Brasileiro – http://mapa.turismo.gov.br/mapa/)