Rio Branco, capital mais ocidental do Brasil e porta de entrada no país pela fronteira oeste

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

rio-branco-Casarios coloridos-Foto-Divulgação
Casarios coloridos à margem do Rio Acre, belo atrativo de Rio Branco. (Foto: Divulgação).

A capital do Acre, Rio Branco, nasceu de um seringal e se desenvolveu às margens do rio que dá nome ao estado que foi território boliviano até o início do século passado. O casario colorido do centro histórico reflete o ciclo da borracha, riqueza que motivou a ocupação da área por brasileiros e a ampliação da fronteira oeste do Brasil.

Várias pontes e passarelas interligam as duas margens do rio Acre e permitem ao turista conhecer facilmente os principais atrativos locais, entre eles o Mercado Velho, um dos muitos prédios restaurados na orla de Rio Branco. O Mercado Velho serve pratos típicos da cozinha acreana, como o “baixaria” (cuscuz com ovo e carne moída) – que ganhou esse nome porque, segundo os moradores da região, deve se ‘comer com gula, sem modos’.

O Parque Chico Mendes é um dos principais atrativos da capital do Acre. O local inclui um zoológico e o museu da borracha. O local valoriza a cultura de ribeirinhos com uma biblioteca sobre a floresta e a Casa do Artesão, com doces e artesanato de sementes. Já o Parque da Maternidade, com extensão de 6 km margeando um canal, corta grande parte da cidade. São quadras de esportes, quiosques, restaurantes, ciclovia e pistas de skate. O Palácio Rio Branco, o Memorial dos Autonomistas e o Teatro Hélio Melo também não podem ficar de fora do roteiro, além da catedral de Nossa Senhora de Nazaré.

rio-branco-parque-chico-mendes-Foto-Divulgação
Parque Chico Mendes fica nos arredores de Rio Branco. (Foto: Divulgação).

A cidade de 370 mil habitantes faz jus ao lema “O Verde é Nosso” com seus parques e matas protegidos, além da cultura regional marcada pela culinária, artesanato e costumes dos povos da floresta. A maior parte da população resulta da miscigenação entre 16 povos indígenas e nordestinos, notadamente cearenses, que ocuparam a floresta explorando os seringais no ciclo da borracha. Turcos, portugueses e libaneses, e mais recentemente brasileiros do Sul, também participaram da ocupação do Acre.

Distante 3.000 km de Brasília, Rio Branco é a porta de entrada do Brasil na fronteira oeste com a Bolívia e o Peru. Se o destino turístico está longe dos brasileiros, fica pertinho de um dos atrativos mais visitados do mundo: Machupichu, no Peru. Apenas uma hora de voo separa Rio Branco de Cuzco. A distância de avião é a mesma entre Rio Branco e La Paz, na Bolívia. A estrada do Pacífico, também conhecida como rodovia interoceânica, que liga Rio Branco ao Oceano Pacífico, cruzando a Cordilheira dos Andes e chegando até Lima, capital do Peru, também traz visitantes estrangeiros que entram no Brasil pelo extremo oeste em busca de natureza selvagem, cultura dos povos da floresta e culinária exótica.

O nome Rio Branco é uma homenagem ao diplomata José Paranhos Júnior, o barão do Rio Branco. Em 1912 a Vila Penápolis, que homenageava o então presidente do Brasil, Afonso Pena, mudou para Rio Branco. O chanceler foi responsável pelas negociações que anexaram o Acre ao Brasil.

Desde que foi criado em 2003, o Ministério do Turismo já investiu R$ 29,1 milhões no Acre. Entre os projetos de infraestrutura turística estão a revitalização da orla do rio Acre e a construção do Shopping Popular de Rio Branco, além do Terminal Rodoviário Internacional que integra o Brasil com o Peru e a Bolívia. (Do MTur).