Restaurantes temem demissão em massa e fim de 15 mil empregos em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

restaurantes

Pelo menos 15 mil trabalhadores do setor de bares e restaurantes em Mato Grosso do Sul correm risco de perder emprego com o fechamento do setor e a restrição de saídas para estes locais com o toque de recolher. A previsão é da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de MS (Abrasel) que estima que existem 30 mil funcionários nas cerca de  3 mil empresas do setor no Estado.

Com o toque de recolher em várias cidades do Estado, a exigência de distância e isolamento o movimento caiu 95% e os estabelecimentos da Capital fecharam as portas voluntariamente na sexta-feira. Até mesmo as vendas por delivery dos restaurantes recuou 80% na Capital.

“Desde a segunda-feira passada a gente sentiu uma queda de 50% a 60% nas vendas. Após isso e com os decretos o movimento foi caindo a 95% durante a semana e na sexta alguns fechados. O nosso fechamento acabou sendo voluntário porque não está sendo viável operação. E agora com restrições no horário de funcionamento podemos trabalhar com 30% da capacidade, até as 22, atendendo em delivery”, salientou Juliano Wertheimer, presidente da Abrasel- MS.

Ele conta que até sentiram um pequeno aumento nas entregas na semana passada, mas com o agravamento da situação e o isolamento e paralisação do comércio e setor público, o delivery também recuou significativamente. “Muitos funcionários públicos foram dispensados. Nas empresas privadas também os trabalhadores foram para home office. Ou seja as pessoas cozinham em casa. 100% da massa trabalhadora dispensada, as crianças fora da escola. Tudo isso aliado ao medo de perderem o emprego e a renda ajudou a diminuir a procura por alimentação fora de casa”, afirmou o empresário.

Com mais tempo livre e restrição financeira as pessoas estão optando pela alimentação em casa, fazendo suas receitas e comprando nos supermercados. “Pai, mãe, filhos este pessoal está preocupado ou com medo de perder emprego. Tem mais tempo livre então as vendas caíram bastante, as pessoasestão fazendo compras e cozinhando em casa. O que é uma medida muito prudente a meu ver para família”, enfatizou.

No entanto, o cenário traz prejuízos para o setor de alimentação fora de casa. “Os restaurantes, aa maioria já fechou por ser prejuízo ficar aberto. O movimento está  95% abaixo do normal. Estamos dando férias, compensando horas trabalhadas e aguardando medidas do Governo federal”, acrescentou. – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS