Receita cambial do turismo melhora e fecha 2016 com alta no Brasil

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

turismo-viagem
Enquanto a receita cambial teve um leve crescimento em 2016, os gastos dos brasileiros no exterior caíram 16,48% em relação à 2015. (Foto: Divulgação).

O ano dos Jogos Olímpicos, quando o Brasil recebeu número recorde de turistas estrangeiros, teve impacto positivo também na receita cambial do turismo, que representa os gastos dos visitantes estrangeiros no país. O acumulado em 2016, de cerca de US$ 6,024 bilhões, foi 3% maior em relação ao registrado de janeiro a dezembro de 2015, US$ 5,8 bilhões.

Em agosto, mês de realização da Olimpíada, os gastos dos estrangeiros nos destinos nacionais somaram R$ 602 milhões, o que representou um aumento de 38% no comparativo com o ano anterior. Foi o maior percentual de crescimento alcançado pela receita cambial do turismo em 2016. Em dezembro, no entanto, a receita voltou a cair, registrando uma variação negativa de 23,74%.

“O turismo tem tudo para ajudar o Brasil a enfrentar a crise, gerando emprego e renda, mas para isso, é preciso promover alguns ajustes no ambiente de negócios e investir em divulgação dos nossos destinos”, comenta o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

Enquanto a receita cambial teve um leve crescimento em 2016, os gastos dos brasileiros no exterior caíram 16,48% em relação à 2015.  O acumulado nos 12 meses do ano passado foi de US$ 14,4 bilhões contra US$ 17,35 bilhões do ano anterior. A diferença entre o valor deixado por brasileiros fora do país e o gasto dos estrangeiros no Brasil foi de US$ 8,4 bilhões negativos. É o menor valor nos últimos seis anos. Os dados sobre receita e despesas com viagens internacionais são apurados pelo Banco Central.