Pesca no Pantanal de Mato Grosso do Sul será tema de livro internacional

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Uma importante publicação sobre a pesca de água doce no mundo, lançada este ano, conta com informações sobre a atividade produzidas especificamente para a região pantaneira por profissionais do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), da Embrapa e da Polícia Militar Ambiental (PMA). O livro “Freshwater Fisheries Ecology” (“Ecologia da Pesca de Água Doce”, em tradução livre) é uma publicação de 898 páginas feita pela editora de trabalhos científicos Wiley Blackwell. A edição foi feita pelo pesquisador John Craig, que também é editor-chefe da revista “Journal of Fish Biology”, ou “Jornal da Biologia dos Peixes”.

Livro Ecologia da Pesca em Água Doce foi produzido com base em Informações colhida pelo Imasul, Embrapa e PMA
Livro Ecologia da Pesca em Água Doce foi produzido com base em Informações colhida pelo Imasul, Embrapa e PMA

Na avaliação da bióloga Fânia Campos, fiscal ambiental do Imasul, a publicação dos dados sobre a atividade pesqueira na bacia do Alto Paraguai é um reconhecimento significativo para o Sistema de Controle da Pesca de Mato Grosso do Sul (SCPesca/MS). O sistema foi desenvolvido em parceria firmada entre a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico (Semade), por meio do Imasul e o 15º Batalhão da Polícia Militar Ambiental (15º BPMA-MS) e possui cerca de 20 anos de dados coletados. “É a representação de que o nosso trabalho está sendo validado. Os dados e informações obtidos pelo Sistema também são utilizados para o gerenciamento e ordenamento da atividade no estado. São informações que só existem aqui em Mato Grosso do Sul”, afirma Fânia.

De acordo com Agostinho Catella, pesquisador da Embrapa Pantanal que integrou o time de colaboradores brasileiros do projeto, “o livro aborda a pesca de água doce em escala mundial. Fala sobre os escossitemas, o desenvolvimento e a gestão das pescarias, os efeitos das perturbações ambientais sobre a atividade e outros aspectos. Na seção sobre os recursos pesqueiros, a publicação apresenta as pescarias de água doce em todos os continentes. Um dos capítulos fala sobre a pesca na América no Sul”, afirma.

Para Agostinho, uma coleção extensa como a do SCPesca/MS favorece a percepção das mudanças sofridas pela atividade ao longo dos anos. “A gente consegue enxergar o contraste entre o que a pesca foi, por exemplo, quando somente a pesca profissional artesanal era realizada, e como é a situação atual, em que há outros atores atuando”, diz. “Nós temos a pesca de subsistência, a pesca profissional artesanal (atividade tradicional que cumpre um papel socioeconômico de grande importância na região) e a pesca amadora, que gera emprego, renda, movimenta a economia e continua fazendo do Pantanal o principal destino no Brasil para a atividade”.

Segundo Agostinho, John Craig convidou o pesquisador Mário Barletta – professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife – para reunir uma equipe que pudesse apresentar as informações mais relevantes sobre a pesca no continente sul-americano. “O Mário buscou especialistas em sete bacias no continente: do rio Magdalena, do rio Orinoco, da Bacia Amazônica, do rio São Francisco, do rio de La Plata, da Lagoa dos Patos e dos lagos da Patagônia”, afirma. Dessa forma, os pesquisadores Agostinho Catella, Angelo Agostinho (da Universidade Estadual de Maringá – UEM) e Claudio Baigún (do Instituto Tecnológico de Chascomus, na Argentina) ficaram responsáveis pela seção que descreveu a pesca na bacia do rio de La Plata. O pesquisador da Embrapa Pantanal abordou mais diretamente a região pantaneira na publicação.

“Nós descrevemos como funciona a pesca profissional artesanal e amadora (ou recreativa) no Pantanal e sua estreita relação com o ambiente, assim como suas variações. Apresentamos as tendências que elas seguiram desde que tiveram início, as políticas pesqueiras que foram adotadas e os conflitos de interesse entre os atores. Depois, abordamos a produção pesqueira – trecho que foi baseado, principalmente, nas informações que produzimos por meio do Sistema de Controle da Pesca de Mato Grosso do Sul, o SCPesca/MS”, afirma. “Em relação à coleção de informações sobre pesca profissional artesanal e amadora de água doce, seguramente é o maior conjunto que existe no país”, finaliza o pesquisador da Embrapa.

Com informações do Imasul