NOVO AEROPORTO DE DOURADOS SÓ EM 2018

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

geraldo-com-mauricio-quintella
Geraldo afirma que ministro Quintella Lessa vai agilizar as obras do aeroporto de Dourados. Foto: Divulgação).

Dênes de Azevedo

 

O deputado federal Geraldo Resende (PSDB) disse na sexta-feira à noite, durante inauguração da primeira parte das obras do Centro de Convenções, que a ampliação do Aeroporto Regional Francisco de Matos Pereira, de Dourados, será feita em duas etapas, com as obras sendo finalizadas somente em 2018. Mas, com os problemas de caixa do Governo Federal, o pessoal do setor já conta com atrasos.

De acordo com o deputado, que se reuniu com o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa, na quinta-feira (7), a obra será feita em duas etapas, sendo uma de R$ 15 milhões em 2017 e outra de R$ 25 milhões em 2018. No total o investimento para a ampliação e construção do novo terminal de passageiros gira em torno de R$ 40 milhões.

O problema se arrasta desde 2012, quando o Governo Federal lançou o Programa de Aviação Regional e incluiu Dourados. O programa fracassou junto com o Governo Dilma. Em agosto deste ano o presidente Michel Temer (PMDB) anunciou a retomada do projeto, mas contemplando inicialmente apenas 53 aeroportos, entre eles o de Dourados.

Ainda em agosto o prefeito Murilo Zauith (PSB) entregou a licença ambiental e assinou as autorizações para que o Governo Federal execute a obra em Dourados, já que a administração do aeroporto é feita pela Prefeitura. Já existe o estudo de viabilidade econômica e o pré-projeto, mas falta os projetos definitivos que, segundo Resende, ficam prontos até abril do ano que vem. Assim, em maio licita-se e em julho começa a obra.

O deputado também disse o Governo tirou do Banco do Brasil a execução do projeto, banco que não tem experiências em obras. Assim, espera-se que haja agilidade no processo de licitação e liberação dos recursos, que são do Profoa (Programa de Auxílio a Aeroportos).

O deputado diz que vai sugerir ainda que a obra seja executada pelo Governo do Estado. Disse que vai pedir ao governador Reinaldo Azambuja que manifeste interesse de ser o responsável pelas obras.

 

ESTRUTURA

O estudo e pré-projeto, pelos quais serão feitos os projetos, preveem que a pista de pousos e decolagens passará dos 1.950 metros de comprimento por 30 metros de largura para 2.125 x 45. Mas o deputado Geraldo disse em entrevista que o comprimento será de 2.280 metros.

O terminal de passageiros mudará de local. Ficará mais a oeste, no centro da pista. O tamanho previsto inicialmente era de 1.210 m², mas teria sido alterado para o modelo 3, de 2.160 m². O pátio de aeronaves passará dos 9 mil m² para 16.880 m² e terá 4 posições para operação simultânea de aeronaves.  Será construída estrutura de 700 m² para novo SCI (Serviço de Combate à Incêndio) e implantada nova sinalização de pista e moderno centro de operação e navegação aérea.