MS estuda antecipar pesque e solte e ampliar crédito para ajudar turismo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

pesque solte

Antecipar o Pesque Solte, alterando o período de defeso da piracema para a pesca esportiva em Corumbá, os empréstimos bancários com garantia da União, e a MP do Turismo, que desobriga as empresas a devolverem aos clientes o valor dos pacotes contratados, mas que garante a alteração da data de utilização do serviço. Estas foram algumas das medidas debatidas  durante reunião realizada por videoconferência na quinta-feira (9), entre a Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e a Fundtur-MS (Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul) que receberam as demandas de dez entidades representativas do turismo sul-mato-grossense relacionadas aos impactos provocados pelo novo coronavírus no setor.

“Nós fizemos uma videoconferência exatamente pra ouvir as grandes dificuldades e os principais pontos de todo o setor”, comentou o secretário Jaime Verruck. Além do titular da Semagro, participaram da videoconferência o secretário-adjunto, Ricardo Senna, o diretor-presidente da Funtur-MS, Bruno Wendling, a senadora Soraya Thronicke e os dirigentes de 10 entidades representativas do setor de turismo.

Na reunião, foi explicado que o setor de turismo também pode usufruir da prorrogação do pagamento das parcelas do FCO. “Essa medida beneficia todo o setor empresarial, inclusive a linha de crédito para o turismo. O que foi levantado, e é importante destacar, é que alguns empresários estão com inadimplência superior a noventa dias e, por isso, não estão contemplados. Mas é uma medida importante para o setor”, informou Jaime Verruck.

Também foi informado que, com alguns dos setores do turismo são atendidos pelas cooperativas de crédito e essas instituições agora poderão operar recursos do FCO. “Acreditamos que num prazo de dez a quinze dias essas cooperativas de crédito, que atendem ao setor, já vão oferecer às empresas de turismo financiamentos por meio do Fundo com as condições mais favoráveis”, lembra o secretário.

Foi abordada a questão do fundo garantidor, o Fampe (Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas e comunicado que a Semagro já acionou o Sebrae para ampliar o fundo e poder contemplar mais emprendimentos. “A senadora Soraya informou que algumas medidas, de ordem nacional, estão sendo tomadas”, acrescentou o titular da Semagro, que lembrou da Medida Provisória nº 948, que regulamenta o reembolso de serviços turísticos e eventos culturais e afetados pelo coronavírus.

Termo – No âmbito estadual, a Fundtur-MS informou que assinou um Termo de Compromisso entre a Fundação, entidades representantes do turismo estadual e o Procon para proteger o consumidor e os empresário do setor turístico nas negociações das reservas já confirmadas e que, eventualmente, poderão ser suspensas devido à pandemia.