Intenção de viagem é a maior do ano, aponta um estudo do Ministério do Turismo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Em relação ao destino, o Nordeste se mantém na liderança e segue sendo a região mais desejada.  Foto: Praia do Gunga, em Maceio, Alagoas/Divulgação).
Em relação ao destino, o Nordeste se mantém na liderança e segue sendo a região mais desejada. Foto: Praia do Gunga, em Maceio, Alagoas/Divulgação).

Para 26,5% dos brasileiros a expectativa é de viajar nos próximos seis meses. É o que diz um estudo do Ministério do Turismo. Trata-se do maior percentual registrado este ano e coincide com a chegada da alta temporada no país marcada pelo início do verão, férias escolares e festas de fim de ano. Deste total, 81,8% deverão aproveitar para descobrir os vários atrativos que os destinos domésticos oferecem.

O automóvel aparece como vice-líder nos meios de transporte que deverão ser utilizados por quem deseja colocar o pé na estrada: 32,5%, atrás apenas do avião que se mantém líder com 57,1% da preferência. Em relação aos meios de hospedagem, hotéis e pousadas seguem como sendo a opção de preferência entre os entrevistados: 46,6%. Em seguida aparece a casa de amigos e parentes com 37,2% e residência própria com 8,3%.

“O Brasil é repleto de destinos e atrativos capazes de agradar e encantar os mais diversos perfis de turistas. Essa pesquisa mostra que o brasileiro quer descobrir essas belezas e estamos muito confiantes que essa movimentação vai impulsionar o setor de viagens no país”, afirmou o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

Em relação ao destino, o Nordeste se mantém na liderança e segue sendo a região mais desejada pelos viajantes nacionais com 49% da intenção de viagem. O Sudeste deve ser o escolhido por 23,4%, seguido do Sul (14,3%), Centro-Oeste (8,7%) e Norte (4,6%).

PESQUISA

A Sondagem do Consumidos – Intenção de Viagem é realizada mensalmente pela Fundação Getulio Vargas (FGV) em Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Juntas, essas capitais representam 70% do fluxo turístico doméstico brasileiro.