Citado em delação, Henrique Eduardo Alves pede demissão do Turismo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Henrique-Eduardo-Alves
Ex-ministro Henrique Eduardo Alves. (Foto: Divulgação).

Ao confirmar Henrique Eduardo Alves para o cargo de ministro do Turismo – o mesmo que ocupou no governo de Dilma Rousseff -, Temer chamou o ministro para questioná-lo, contou à Reuters uma fonte palaciana. Alves teria dito que não havia problemas e poderia se explicar.

Em sua delação, Machado também acusa Temer de ter lhe pedido recursos ilegais na forma de doação oficial para o então candidato do PMDB à prefeitura de São Paulo em 2012, Gabriel Chalita. O presidente interino negou as acusações e classificou as acusações do ex-presidente da Transpetro de “criminosas”.

O Planalto ainda não tem uma avaliação do que representará a queda de mais um ministro, mas uma fonte avalia que o “clima está pesado”.

“Delação só vem para cima do PMDB. Parece que o Sérgio operava só para o PMDB. Ele era um operador do PMDB do Senado com o aval do PT. Tinham várias diretorias da Petrobras com o PT”, reclamou a fonte.

Especificamente sobre a saída de Alves, a avaliação é que nunca é bom para o governo perder um ministro por citações de corrupção. Ao mesmo tempo, diz a fonte, Temer “se livra de mais um problema que podia estourar a qualquer momento”. (Da Reuter Brasil).

 

CARTA

Leia a carta de demissão do ministro:

“Excelentíssimo Senhor Presidente Michel Temer,

o momento nacional exige atitudes pessoais em prol do bem maior. O PMDB, meu partido há 46 anos, foi chamado a tirar o Brasil de uma crise profunda. Não quero criar constrangimentos ou qualquer dificuldade para o governo, nas suas próprias palavras, de salvação nacional. Assim, com esta carta entrego o honroso cargo de Ministro do Turismo. Estou seguro de que todas as ilações envolvendo o meu nome serão esclarecidas. Confio nas nossas instituições e no nosso Estado Democrático de Direito. Por isso, vou me dedicar a enfrentar as denúncias com serenidade e transparência nas instâncias devidas. Pensei muito antes de tomar esta difícil decisão, porque acredito que o Turismo reúne as melhores condições para ajudar o Brasil a enfrentar o momento difícil que vive. Esta foi a motivação que me levou a voltar ao comando do Ministério depois de tê-lo deixado por uma questão política, de coerência partidária. Acredito ter honrado os desafios do setor no pouco mais de um ano que estive no Ministério do Turismo. Registramos conquistas importantes como a isenção de vistos para países estratégicos durante a Olimpíada e Paralimpíada, a redução do imposto de renda para o turismo internacional e a execução de obras de infraestrutura turística em todas as regiões, para citar alguns exemplos. Presidente Michel, agradeço à sua sempre lealdade, amizade e compromisso de uma longa vida política e partidária, sabendo que sempre estaremos juntos nessa trincheira democrática em busca de uma nação melhor. A sua, a minha, a nossa luta continuam. Pelo meu Rio Grande Norte e pelo nosso Brasil.

Respeitosamente,

Henrique Eduardo Alves