BNDES prepara a privatização de cinco parques em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Gruta do Lago Azul é um dos atrativos turísticos que devem ser remetidos a iniciativa privada

O governo do Estado através de parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estuda a privatização de cinco parques ecológicos estaduais. Uma pesquisa deve ser concluída até a metade de 2021, quando será decidido o futuro dos locais.

A princípio, está previsto a concessão do Parque Estadual Várzeas do Rio Ivinhema, Parque Estadual Nascentes do Rio Taquari, Parque Estadual do Prosa, Parque das Nações Indígenas e o Monumento Natural Gruta do Lago Azul, em Bonito.

Também será adotado o Parque Nacional da Serra da Bodoquena, que é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e entrou na discussão o Parque Estadual do Pantanal de Rio Negro, que passará pelo estudo através do Ministério do Turismo.

O contrato entre governo e BNDES foi publicado no dia 30 de dezembro, como objetivo a prestação de serviços de apoio, avaliação, estruturação e implementação de projetos à concessão dos serviços públicos ou de uso de bem público, com delegação de serviços de apoio à visitação, revitalização, modernização e manutenção dos serviços turísticos nas unidades.

“Estamos na fase de levantamento de dados, estudo da legislação e busca por documentos, fazendo reuniões semanais com o BNDES e equipes de consultoria para a produção deste projeto”, relatou Gabriela Rodrigues, coordenadora de Parcerias do Escritório de Parcerias Estratégicas (EPE).

Após essa etapa, será estudada a viabilidade dos parques, para definir que as unidades estarão aptas a seguir para concessão à iniciativa privada.

“A expectativa é que o estudo pronto até o final deste semestre e que os projetos sejam concluídos até o final do ano, sendo ouvida e consultada pública”, disse Rodrigues.

Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), receberá pontos como logística, infraestrutura dos locais e modelo de concessão a ser adotado para os parques.

De acordo com a coordenadora da EPE, o Instituto Semeia está ofertando uma oficina de capacitação para servidores da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) e do Escritório de Parcerias Estratégicas.

Outros estados

O BNDES firmou contrato com outros cinco estados além de Mato Grosso do Sul, são eles Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Tocantins.

No total, o BNDES mapeou, ainda em 2020, em torno de 100 unidades de conservação, entre federais e estaduais, com potencial de serem concedidas.

Foram levados em conta parques que já possuem plano de manejo e estão com uma situação fundiária regularizada e, ao mesmo tempo, estão presentes num raio de duas horas de viagem de algum aeroporto.

Em outubro, o cronograma anterior que as licitações começariam pelos parques nacionais do Iguaçu (PR), de Jericoacoara (CE) e dos Lençóis Maranhenses (MA), incluído no Programa Nacional de Desestatização (PND) em dezembro de 2019, mas os projetos dos parques estaduais passar à frente.

O instituto também atuará na “interlocução com potenciais investidores, como operadores de projetos atuais, além de capacitar agentes públicos para a gestão futura dos contratos de concessão”, diz a nota divulgada pelo BNDES.