Bem-vindo a Joinville, a cidade da arquitetura germânica e influência de várias culturas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Arquitetura germânica, gastronomia com influência de várias culturas, patrimônio histórico-cultural valorizado e atrativos rurais em uma cidade com vocação para a indústria. Tudo isso pode ser encontrado em Joinville, o município mais populoso de Santa Catarina com cerca de 530 mil habitantes, e localizado no norte do estado.

O patrimônio histórico da cidade se apresenta também no Pórtico e Moinho da Rua XV – no Mercado Público – em estilo germânico que tem oferta também de acarajé e tapioca; o Museu Nacional da Imigração e Colonização e o Mirante de Joinville, de onde se avista toda a cidade e a baia Babitonga.  No quesito cultura, o Instituto Internacional Juarez Machado é a pedida para se apreciar obras do artista plástico e de outros artistas do país.

Na zona rural, a produção de flores, no empreendimento Agrícola da Ilha – propriedade da Família Ango -, são exemplos de produção associada que enriquece o turismo local.  Uma parada na Casa Kruger, considerada o portal do turismo ecorural em Joinville e um exemplar do estilo enxaimel (estrutura de madeira preenchida com tijolos sem utilização de pregos), vai deixar o visitante bem informado sobre os atrativos das estradas Dona Francisca e Bonita, que faz jus ao nome. As duas dão acesso a propriedades rurais onde se pode apreciar pratos da mais representativa cozinha joinvilense com sabores das cozinhas germânica, portuguesa, italiana misturados com a influência indígena e africana. Duas fábricas para a produção de vinho e cerveja, instaladas em Joinville, completam os cardápios.

No rol de passeio imperdíveis destaca-se a Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, única no mundo a adotar o método de ensino da instituição russa famosa mundialmente. Atrativos mais pitorescos são o Museu do Ferro de Passar, com modelos garimpados em dezenas de países e o Museu da Bicicleta, com uma extensa coleção de modelos raros e exclusivos que fazem a cronologia da história do veículo. A Estação de Passageiros lembra os tempos em que o trem era o principal meio de transporte no país. (Por Walquíria Henriques, do MTur).