AEROPORTO DE DOURADOS TERÁ TERMINAL MODELO C

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

estacao passageiros modelo c
Vista frontal da estação modelo C (M@) que será construída no Aeroporto de Dourados. (Ilustrações: Divulgação)

Dênes de Azevedo

 

Uma das grandes preocupações da população de Dourados é com o tamanho do terminal de passageiros a ser implantado no Aeroporto Francisco de Matos Pereira. Inicialmente o projeto previa o tamanho M1, pouca coisa maior que o atual. Mas com as articulações da classe política houve mudança no projeto e a estação será no tamanho M2 (Modelo 3), com 2.160 m².

O pessoal que opera a aviação em Dourados sempre achou o modelo escolhido inicialmente muito pequeno. A atual estação tem em torno de 900 m² e em dia de embarque simultâneos de duas aeronaves ATR 72 (70 assentos cada) já não comporta satisfatoriamente os passageiros. O M1 tem 1.210 m² de tamanho, ou seja, apenas 300 m² a mais que o atual.

De acordo com o deputado federal Geraldo Resende (PSDB), que recentemente se reuniu duas vezes com técnicos da Secretaria de Aviação Civil, está definido para Dourados o modelo C (Tamanho M2), com 2.160 m². Esse modelo é quase três vezes maior que o tamanho atual e, segundo pilotos ouvidos pelo Indicador Econômico, comportaria a demanda de Dourados para os próximos 20 anos. O modelo M2 tem capacidade para embarque em horário de pico de até 200 passageiros por hora e pode movimentar até 500 mil passageiros por ano.

Se precisar, há a possibilidade de acrescentar mais dois módulos, transformando-o no modelo M3, elevando o tamanho para 3.350 m² e dobrando a capacidade de embarque por hora, chegando a 400 passageiros. O M3 pode embarcar até 1 milhão passageiros por ano. No projeto do Programa já é previsto espaço para ampliação. Pelo programa o menor modelo é o M0, com 683 m² e o maior o M3.

Pelo estudo, cujos projetos de engenharia estão em andamento a pista de pousos e decolagens passará dos 1.950 metros de comprimento por 30 metros de largura para 2.280 x 45. O pátio de aeronaves passará dos 9 mil m² para 16.880 m² e terá 4 posições para operação simultânea de aeronaves.  Será construída estrutura de 360 m² para abrigar o novo SCI (Serviço de Combate à Incêndio) e implantada nova sinalização de pista e moderno centro de operação e navegação aérea.

Depois de pronto o aeroporto passará à Categoria 4C, comportando operações de aeronaves com até 35 metros de envergadura de asa, como o Embraer 190  ou o Boeing 737-800, este com envergadura de asa de 34,30 metros e capacidade de 162 a 189 assentos.

A obra está orçada em R$ 49 milhões, sendo que R$ 15 milhões a serem aplicados em 2017,mais R$ 15 milhões para 2018 e R$ 19 milhões em 2019. Desta forma, o sofrimento da população da região com cancelamentos e alternações de voos para Campo Grande continuará até por mais três anos.

O terminal de passageiros mudará de local. Ficará mais a oeste, no centro da pista. Hoje o que impede a operação por instrumentos para o ATR 72 é a estação de combate à incêndio, que está muito próxima da pista. Caso haja um cronograma de obras que priorize a nova estação de passageiros e a nova SCI em primeiro plano haveria a possibilidade de liberação do instrumento para o ATR. Com isso a aeronave poderia operar normalmente em condições climáticas ruins.

Na semana passada o deputado Geraldo Resende disse que cobrou do coordenador do PROFAA (Programa Federal de Auxílio a Aeroportos), Eduardo Henn Bernardi, rapidez na conclusão dos projetos de engenharia e arquitetura para a revitalização do aeroporto. A previsão é de que todos os projetos sejam entregues até o mês de maio pelos técnicos contratados pelo Banco do Brasil. A expectativa é de que as obras comecem em junho.

A licitação deverá ser feita pelo Governo do Estado. “À medida que os repasses serão realizados, fiscalizarei o andamento das obras para que não ocorram atrasos e transtornos à população”, afirma o deputado.