Rota das Missões reúne o conjunto arqueológico mais importante do Brasil e patrimônio cultural da humanidade

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

rio-grandedosul-Ruínas de São Miguel das Missões-Crédito-Divulgação-Embratur
Ruínas de São Miguel das Missões, no Rio Grande do Sul. (Crédito: Embratur).

São Miguel das Missões tem o conjunto arqueológico mais importante do Brasil e patrimônio cultural da humanidade, reconhecido pela Unesco. Trata-se do Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo, conhecido como Ruínas de São Miguel das Missões. O conjunto, remanescente dos Sete Povos das Missões Jesuíticas na América, impressiona por sua grandiosidade. Integra o roteiro turístico local a Aldeia Guarani, o Museu das Missões, a Cruz Missioneira, a Fazenda da Laje, a Fonte Missioneira, o Ponto de Memória Missioneira e o Pórtico com escrita em guarani – CO YVY OGUERECO YARA, que significa “esta terra tem dono”.

rio-grandedosul-A beleza de Santo Ângelo. Crédito-Prefeitura municipal
A beleza histórica de Santo Ângelo. (Foto: Prefeitura Municipal).

Outros atrativos da Região das Missões são a Catedral Angelopolitana, de Santo Ângelo; os Sítios Arqueológicos de São João Batista, São Lourenço e São Nicolau; e o Circuito Internacional das Missões Jesuíticas – Brasil, Argentina e Paraguai.

Os objetivos da Companhia de Jesus eram a doutrina e a catequese. Os índios guarani tornaram-se artífices (metalúrgicos, tipógrafos, escultores, pintores, músicos e ceramistas). Com a expulsão dos jesuítas (1768), a região que foi colônia espanhola, a partir de 1801 passou para o domínio de Portugal. A população local, que era de 4.492 indígenas no início da missão (1694), foi reduzida a 600 nativos na independência do Brasil (1822). A Guerra Cisplatina (1828) destruiu o que restava da civilização missioneira.

Uma curiosidade é que as missões eram compostas basicamente da igreja, colégio, oficinas, cemitério, cotiguaçu (casa grande das viúvas que, entre outras atribuições, cuidavam dos órfãos), e hospedaria. Em volta da missão, as casas dos nativos formavam a redução indígena.

Santo Ângelo foi o último dos Sete Povos das Missões e chegou a ter oito mil habitantes no apogeu do domínio espanhol, mas foi destruída a partir de 1756 com a chamada Guerra Guaranítica. Hoje, a cidade possui uma rica cultura por causa de etnias que se estabeleceram com a vinda de imigrantes. Entre as atrações turísticas estão os museus Dr. José Olavo Machado, Marechal Rondon e Ferroviário. A Catedral Angelopolitana, o Santuário de Schoenstatt e o Memorial Coluna Prestes, primeiro monumento de Oscar Niemayer no estado, integram o roteiro turístico por onde a tocha olímpica vai passar na “Capital das Missões”.

Ijuí está localizada na região turística da Rota do Yucumã. A cidade mantém suas raízes preservadas através de três Centros de Tradições Gaúchas “CTG’s”. A Usina Velha é a mais antiga geradora elétrica do Rio Grande do Sul em operação e oferece infraestrutura para receber turistas, com cascata e belas paisagens. Ijuí recebeu imigrantes de várias nacionalidades e é conhecida por “Terra das Culturas Diversificadas”. Essa diversidade cultural é representada por dezenas de etnias numa exposição anual que atrai visitantes para a cidade.

Cruz Alta, na Rota das Terras Encantadas, e terra do escritor Érico Veríssimo, nome do museu local e uma das atrações do município. Outros pontos turísticos são a Casa de Cultura, o Palácio da Intendência, a Maria Fumaça, a Cascata Nossa Senhora da Conceição, o Marcos Nossa Senhora de Fátima e o Marco Inicial. A cidade ficava na linha do Tratado de Santo Ildefonso (1777), divisória das terras de Portugal e Espanha. O local era demarcado por uma grande cruz erguida pelos Jesuítas em 1698.