Voos fretados já se beneficiam de novas regras

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

A medida contribuirá com a melhoria da infraestrutura dos aeroportos de pequeno porte. (Foto: Dovulgação).
A medida contribuirá com a melhoria da infraestrutura dos aeroportos de pequeno porte. (Foto: Dovulgação).

Teve início no final de março a nova regra para voos charters, os chamados voo de férias, que deixaram de necessitar da autorização prévia da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para a realização de voos. O setor do turismo comemora a novidade que deverá estimular a aviação regional e consequentemente o uso de aeroportos de menor porte em todo o país, impulsionando o turismo doméstico.

“Os impactos serão muito expressivos pois acreditamos que essa normatização resultará na entrada de 10 milhões de brasileiros no mercado de viagens e essa é uma grande conquista e mais um passo que damos em direção ao reconhecimento do setor como um importante pilar da nossa economia”, comentou o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

A medida contribuirá com a melhoria da infraestrutura dos aeroportos de pequeno porte que deverão passar a contar com aparelhos de raio-x e bagagens para aumentar a segurança do voo e dos passageiros, o que poderá despertar o interesse das empresas em começarem a operar voos regulares.

Para Luiz Eduardo Falco, presidente da CVC, maior operadora de voo fretados do Brasil, principalmente nas temporadas de férias escolares e de verão, a partir de agora os operadores poderão negociar com os destinos e os demais setores envolvidos nos voos charters com mais liberdade. “Por exemplo, um destino que reduzir tarifas e impostos como o do querosene poderá levar vantagem caso deseje receber aviões fretados ao se tornar mais competitivo”, comenta.

O diretor-executivo da ABAV Nacional,  Gervásio Tanabe, ressaltou que o aumento da concorrência poderá ter impacto nos custos para os passageiros. “A possibilidade de negociação direta entre as agências de viagens e operadoras de turismo com as companhias aéreas e os aeroportos, no que tange a horários e tarifas, abre uma flexibilidade muito importante e amplia a concorrência nas relações comerciais, o que poderá viabilizar redução de custos, inclusive para o passageiro, além de desburocratizar os processos operacionais. Esse é um pleito que a ABAV já vem defendendo há bastante tempo”, afirma.

CARACTERÍSTICA – Em geral, os voos charters ocupam horários ociosos dos aeroportos e são utilizados principalmente para viagens de lazer com duração de uma semana. Por esse motivo, os custos são reduzidos e chegam até a metade do preço de um voo regular das empresas aéreas. Como eles são contratados por operadoras de turismo ou agências de viagem para atender a um destino específico, o passageiro não pode remarcar as datas ou endossar o bilhete em outra companhia.