MS apresenta crescimento no setor de serviços

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

servicos-carros
Quase todos os tipos de serviços tiveram retração em fevereiro. (Foto: Revista Exame).

Da Redação

Pesquisa divulgada nesta quarta-feira (13) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)  mostra que, ao contrário do que acontece em todo o país, a demanda do setor de serviços segue em crescimento em Mato Grosso do Sul. Conforme o levantamento, o setor registrou em fevereiro alta de 1% no volume e de 7% na receita, se comparado com o mesmo período do ano passado.

O desempenho de MS pode ser considerado ainda mais positivo se levar em conta que no país houve uma queda média de 4% no volume de serviços prestados. No Amapá e Amazonas a retração chega a 18%. Maranhão e Sergipe estão em segundo lugar entre os piores resultados, com queda de 9%. Em seguida, está a Paraíba, com redução de 8,2%.

Dos 27 Estados, apenas nove registraram alta. O melhor desempenho é do Acre, cujo volume cresceu 16,5%, enquanto Mato Grosso e Distrito Federal, obtiveram aumento de 8,2%. A maioria das unidades federativas registrou queda entre 5% e 0,4%.

BRASIL

No Brasil, o volume de serviços caiu, mas a receita teve alta 1,9%, em fevereiro, se comparada ao mesmo mês de 2015. No Acre, a receita subiu 24%, o melhor resultado em relação aos outros Estados. Boa parte dos que tiveram queda na demanda, conseguiram manter a receita ou elevar o percentual, pois a demanda menor eleva os preços.

O melhor desempenho é do setor de transporte aéreo, cuja alta foi de 14%. Na sequência, estão o transporte aquaviário, com 11% e atividades turísticas, com 1,3%. Quase todos os tipos de serviços tiveram retração em fevereiro. O pior resultado é do segmento de serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias, com queda de 10%.

Em seguida, serviços de tecnologia da informação caíram 7,5% e de transporte terrestre, baixaram 6,8%. Também tiveram retração os serviços de informação e comunicação, com -5%; telecomunicações, com -3,9% e os prestados às famílias, com -1,4%.

(Com informações do IBGE).