Cotonicultura orgânica terá aplicativo para smartphone

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Interface do aplicativo - Foto: Divulgação
Interface do aplicativo – Foto: Divulgação

Um aplicativo para smartphones ajudará agricultores familiares na identificação, controle e monitoramento de pragas no cultivo do algodoeiro.

O App, batizado de “SobControle” foi desenvolvido por um grupo interinstitucional e multidisciplinar composto por pesquisadores e técnicos da Embrapa, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e do Instituto C&A. Segundo o pesquisador Fábio Aquino de Albuquerque, o diferencial do aplicativo é o envio de alertas e recomendações sobre o manejo orgânico do algodão. “A ideia facilitar a troca de conhecimento e de experiências entre os agricultores e agricultoras, especialmente no que diz respeito às técnicas de manejo orgânico ou agroecológico”, afirma.

“O que estamos buscando é que esse tipo de aplicativo possa diminuir ao máximo a intervenção humana, potencializando as técnicas de manejo e os processos de transferência de conhecimento e de tecnologia entre os nossos pesquisadores e técnicos, e os agricultores que estão na ponta dessa cadeia de produção”, comenta Liv Soares, chefe-geral da Embrapa Algodão.

Monitoramento

O App SobControle foi projetado para auxiliar os cotonicultores principalmente no monitoramento de pragas e numa possível tomada de decisão sobre a escolha do manejo mais adequado para controlar as infestações. O software possui ferramentas de georreferenciamento e utilizará aplicativos de internet já consagrados como o Google Maps.

Inicialmente, SobControle poderá ser usado por cerca de 800 famílias de agricultores do Nordeste, apoiando um projeto de produção do algodão agroecológico que a Embrapa Algodão, em parceria com o Instituto C&A e a Ong Diaconia já vem desenvolvendo nos Sertões do Pajeú e do Araripe (PE), Sertão do Cariri (PB), Serra da Capivara (PI), Sertão do Apodi (RN), Alto Sertão de Alagoas e Alto Sertão de Sergipe, além dos Sertões dos Inhamuns/Crateús e Central, no Ceará.

“São agricultores familiares que montaram, com orientação da Embrapa, os Organismos Participativos de Avaliação de Conformidade Orgânica (OPACs), e que já estão certificados e podem emitir o selo de produto orgânico. Queremos criar uma rede entre essas organizações para expandir a produção do algodão agroecológico ao longo de todo o projeto”, complementa Fábio Santiago, engenheiro agrícola, coordenador do programa na ONG Diaconia, parceira da Embrapa nesta ação.

 

 Dalmo Oliveira, da Embrapa Algodão