Três em cada quatro pedidos de visto para o Brasil são eletrônicos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Apenas em maio foram registrados 20.006 pedidos de visto, sendo 15.890 e-Visas. (Foto: Divulgação).
Apenas em maio foram registrados 20.006 pedidos de visto, sendo 15.890 e-Visas. (Foto: Divulgação).

A crescente procura pelos vistos eletronicos para o Brasil tem evidenciado que as medidas de facilitação de visto são fundamentais para o aumento da atração de viajantes internacionais. Desde a entrada em vigor do e-Visa para Austrália, Canadá, Japão e Estados Unidos, em janeiro deste ano, o número de pedido de entrada no país cresceu 41% passando de 57.548, em 2017, para 81.123 neste ano. Foram considerados os meses de fevereiro, março, abril e maio. Nesse período, 75% dos pedidos de vistos dos países estratégicos, foram eletrônicos.

“A exigência de visto de entrada é a principal barreira para atração de turistas. De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT), a facilitação de viagens pode gerar um aumento de até 25% no fluxo entre os destinos e o fato de termos registrado um crescimento ainda mais significativo mostra que a curto, médio e longo prazo colheremos significativos resultados para o turismo nacional”, avaliou o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz. 

Até o momento, o Ministério das Relações Exteriores contabilizou 66.962 e-Visas processados para viajantes das nacionalidades beneficiadas com a medida, desde outubro de 2017, quando a medida passou a valer para o primeiro país beneficiado, a Australia. Os cidadãos americanos foram responsáveis por 69% de todos as solicitações de e-Visas: 46.192. Os australianos aparecem na segunda colocação com 10.693, seguidos dos canadenses (6.084) e japoneses (3.993).

Apenas em maio foram registrados 20.006 pedidos de visto, sendo 15.890 e-Visas. Ainda em relação ao último mês, os cidadãos canadenses foram responsáveis pelo maior aumento da demanda, com um salto de 50,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. Eles foram seguidos dos Estados Unidos (35,7%), Japão (37,1%) e Austrália (19,1%).

CHINESES – O Ministério do Turismo também tem trabalhado para facilitar a entrada de turistas chineses no Brasil. O país asiático envia 135 milhões de viajantes para o mundo que gastaram, no ano passado, US$ 250 bilhões. Entre as medidas está o aumento, até o final deste ano, de três para 12 visas centers em funcionamento na China. Além disso, entrou em vigor no ano passado a ampliação de três meses para cinco anos o tempo de duração dos vistos de turistas com múltiplas entradas e estada de até 90 dias.