Terra Sagrada é lançado para fomentar agroecologia nas aldeias de Dourados

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

A Prefeitura de Dourados lança nesta próxima quinta-feira (18), na unidade I da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) o Projeto Yvy Akandiré – Terra Sagrada, que vai levar ações de fomento à agroecologia e aos saberes tradicionais às escolas indígenas do município.

A intenção é resgatar práticas inerentes ao povo indígena com o foco de manter e fortalecer a cultura e fixar a identidade das etnias. O projeto é uma realização do Núcleo Especial de Educação Indígena (Neei), coordenado pelo professor Anastácio Peralta e tem total apoio da Coordenadoria Especial de Assuntos Indígenas (Ceaid).

Com a colaboração das equipes de Saberes Indígenas na Escola, da UFGD/Faind e da Neei, as ações visam implementar a educação agroecológica com o cultivo totalmente natural e manter os saberes tradicionais da cultura indígena, que por si só tem como características o cultivo orgânico.

“É a política da atual administração o trabalho conjunto e mais uma vez a UFGD é parceira da Prefeitura”, disse o diretor do Ceaid, o advogado Wilson Matos da Silva.

O projeto abrange todas as sete escolas municipais da Reserva Indígena e duas extensões, com público de pelo menos 5 mil alunos.

Wilson Matos lembra que a Reserva Indígena de Dourados tem população estimada em 17,3 mil pessoas. “São 36 municípios do Estado que têm população menor que a da Reserva. Isto nos encaminha para ações de fomento à educação e ao resgate da cultura”, disse.

O advogado lembra que a Prefeitura de Dourados hoje é o órgão público mais próximo das aldeias por meio do Ceaid. Com o Neei, a educação ganha força no combate a problemas sociais. Assim, o resgate da agricultura fomenta a identificação do povo com a cultura e o conflito ideológico não surte efeito. “Sabemos da importância desta atividade e vamos buscar mais ações como esta”, finalizou.

O escopo do projeto traz objetivos como a reflexão sobre as praticas pedagógicas e estratégias de articulação pela busca do bem viver e a revitalização da cultura indígena no processo educativo, a valorização da educação tradicional escolar indígena, o fortalecimento da língua materna, a identidade cultural, conscientizar da importância dos alimentos naturais e nativos, fortalecer o projeto de hortas nas escolas e extensão à comunidade, fortalecendo a agricultura familiar.