Finep se aproxima dos 50 anos sem recursos para investimentos em novos projetos de desenvolvimento científico

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Criada em julho de 1967 para financiar a elaboração de estudos para projetos e programas de desenvolvimento econômico e atuar no aperfeiçoamento da tecnologia nacional, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) se aproxima dos 50 anos com o orçamento contingenciado e sem recursos para investimentos em novos projetos de desenvolvimento tecnológico.

A informação é do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, que participou hoje (1º) de solenidade na sede da instituição, no centro do Rio, e que contou com as participações do presidente da Finep, Wanderley de Souza, e do ex-ministro João Paulo dos Reis Velloso, fundador da instituição e atual presidente do Instituto Nacional de Altos Estudos (INAE).

O ministro exaltou a contribuição da Finep para o desenvolvimento do país nesses últimos 50 anos, mas também defendeu a necessidade de que todos voltem a lutar pelo seu fortalecimento, de modo a devolver à instituição o protagonismo do desenvolvimento científico e tecnológico do país.

“É um momento de congratulações com todos que contribuíram para seu desenvolvimento e para o desenvolvimento do país. A partir de agora, teremos de caminhar juntos para fortalecê-la, devolvendo-lhe o protagonismo que sempre teve”.

Segundo o ministro, o orçamento atual da Finep mal dá para a continuidade do financiamento dos programas e projetos em andamento.

“Faltam recursos para novos investimentos em projetos. E essa é a razão de estarmos hoje aqui: para que possamos trazer para dentro da Finep a oportunidade de retomar financiamentos em novos projetos, uma vez que parte expressiva desses recursos estão contingenciados”, alertou.

Kassab foi categórico ao afirmar a necessidade de recuperar o espaço perdido e de reverter o processo que, nos últimos anos, levou a instituição a uma redução sensível nos recursos públicos direcionados ao setor, que perdeu peso no orçamento federal, com diminuição sensível de participação no Orçamento federal.

“Cabe a todos sensibilizar o pessoal ligado ao Planejamento e a Fazenda da importância e da necessidade de rever essa diminuição expressiva do peso da Finep no orçamento no setor. Se estou aqui representando o governo, estou também como testemunha dessa contribuição da instituição e da necessidade que ela tem de, efetivamente, alcançar uma visibilidade que ainda não alcançou nesses 50 anos de existência”, acrescentou.

 

ORÇAMENTO

Dados da assessoria de imprensa do ministério revelam que o orçamento da Finep para este ano é de R$ 4,59 bilhões (valor sujeito a limite de emprenho). Deste total, devem ser de fato empenhados R$ 4,34 bilhões, ficando sujeito à contingenciamento R$ 254,51 milhões.

Os mesmos números indicam que, em 2015, de um orçamento estimado em R$ 7,337 bilhões, foram de fato empenhados R$ 5,4 bilhões, com o contingenciamento do setor atingindo R$ 1,92 bilhões – volume significativamente superior ao deste ano, embora com emprenho previsto bem menor que o de 2016.

Segundo a assessoria, a redução se deve ao fato de que R$ 1,4 bilhão foi descontingenciado. Desse valor, R$ 400 milhões estão destinados ao satelit geoestacionário para ligação da internet.

 

A FINEP

Com sede no Rio de janeiro, em março de 1985 a Finep passou a ser vinculada ao então Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).

Ao longo de sua existência, a Finep desempenhou papel importante na criação de um ambiente propício à inovação no país. “Com os avanços das políticas públicas em ciência, tecnologia e inovação (CT&I), a agência de fomento ampliou sua carteira de programas de financiamento à inovação tecnológica”, acrescentou a assessoria.

O apoio abrange as etapas e dimensões do ciclo de desenvolvimento científico e tecnológico, pesquisa básica, pesquisa aplicada, inovação e desenvolvimento de produtos, serviços e processos.

 

PRÊMIO

Apoia ainda a incubação de empresas de base tecnológica, implantação de parques tecnológicos, estruturação e consolidação dos processos de pesquisa, desenvolvimento e inovação em empresas já estabelecidas, além do desenvolvimento de mercados.

A instituição também é responsável pelo Prêmio Finep de Inovação, criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, instituições sem fins lucrativos e inventores brasileiros, desenvolvidos no Brasil e já aplicados no país ou no exterior. (Nielmar de Oliveira, da Agência Brasil).