Em MS, combustível equivale a 20% do salário mínimo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Os aumentos no preço do combustível impactam direta ou indiretamente na vida de todos. Em Mato Grosso do Sul, ele pode representar até 20% do salário mínimo. De acordo com a economista do Instituto de Pesquisa da Fecomércio de Mato Grosso do Sul, Daniela Dias, em média, o preço do combustível corresponde a 8% do salário dos campo-grandenses.

“Observando o salário mínimo, levando em consideração o uso do transporte público, por exemplo, esse peso pode se aproximar da casa dos 15 a 20% do orçamento de cada pessoa. Já que o preço do combustível interfere no preço do passe de ônibus ”, coloca um economista. 

Alguns elementos essenciais como alimentos, produtos de higiene e combustível, este último tem um peso de aproximadamente 7,8% em Mato Grosso do Sul. Já a mesma média para a Capital é ainda maior. ” Se olharmos ao longo de 2020 até hoje, vemos um crescimento gradativo no IPCA, que no caso de Campo Grande se aproxima da casa dos 8% sobre o orçamento total das famílias, isso conforme dados do IBGE ”, demonstra Daniela.

“Mudança comportamental, tendo em consideração que durante a pandemia, muitas pessoas dão preferência aos motoristas de aplicativo, esse peso pode ser mais significativo”, Daniela completa.

INTERFERENCIA

Um economista explica que o preço do combustível pode variar por uma série de fatores. “O preço do petróleo é ditado no mercado internacional. Essa commodities está intimamente ligada ao preço do câmbio, ou seja, quanto mais caro o dólar, mais caro ele fica para os brasileiros e, consequentemente, para os sul-mato-grossenses. Tomadas de decisões e desempenho econômico interno são alguns fatores que interferem no preço do petróleo, por exemplo ”, esclarece. 

O petróleo é matéria prima para alguns combustíveis como o diesel e a gasolina. Portanto, se existe um aumento do diesel, por exemplo, ele vai interferir no valor do frete de produto determinado que por consequência vai ser repassado para o consumidor.  

“As pessoas estão perdendo um pouco mais do seu poder de comprar. Com o mesmo valor não consigo mais andar a mesma quantidade. Então entra a priorização. As pessoas precisam colocar as despesas na balança e priorizar o que preciso para ver o orçamento conseguirá abarcar tudo isso ”, orienta Daniela.