MS aposta no Carbono Zero como diferencial para investidores

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

“A ação estratégica de tornar Mato Grosso do Sul um Estado Carbono Neutro será um grande diferencial de desenvolvimento aonde perpassam todas as atividades econômicas do Estado. Da mesma forma, o Brasil também precisa colocar em sua pauta estratégica, independente de governo, a sustentabilidade e os compromissos assumidos com a COP 21”. A afirmação é do secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, ao comentar a importância da assinatura do Acordo de Paris, que acontece nesta sexta-feira (22), Dia Mundial da Terra, em Nova York.

MS é primeiro estado do país a formalizar um projeto que irá propor ações para mitigação e redução dos gases de efeito estufa.
MS é primeiro estado do país a formalizar um projeto que irá propor ações para mitigação e redução dos gases de efeito estufa.

A cerimônia é o primeiro passo para que os países adotem o documento que será um instrumento subsidiário à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), e que foi aprovado por 195 partes da Convenção. “A assinatura é extremamente importante e seria uma grande oportunidade de o Brasil se posicionar como um dos poucos países com capacidade de gerar emprego e renda tendo a questão da sustentabilidade e a economia de baixo carbono como principal foco estratégica”, avalia Jaime Verruck.

“As mudanças climáticas ja estão acontecendo. Isso impacta no cotidiano do produtor rural, da distribuição e consumo de água, no consumo de alimentos e no cotidiano das nossa cidades. Fazer um olhar estratégico sobre a questão é o primeiro passo para um crescimento sustentável de longo prazo”, acrescenta o secretário da Semade e diretor-presidente do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul).

Jaime Verruck lamenta, porém, que o governo brasileiro “não se posicione de forma firme em relação a essa questão. É fundamental que na nova politica econômica do país se insira a economia de baixo carbono. Esse seria um caminho que poderia gerar um diferencial importante, promover a geração de emprego e renda. No cenário global, o Brasil é um dos poucos países que ainda pode crescer de forma sustentável”.

Em Mato Grosso do Sul, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico (Semade) lançou no mês de março o programa Estado Carbono Neutro – ação é ligada ao Proclima (Programa de Mudanças Climáticas e Biodiversidade), desenvolvimento pela Semade e Imasul. Essa medida nos colocou como o primeiro estado do país a formalizar um projeto que irá propor ações para mitigação e redução dos gases de efeito estufa.

“Nós acreditamos que estamos no caminho correto. O programa Estado Carbono Neutro é um projeto pioneiro que envolve todas as atividades econômicas. Ele já se materializa na recuperação de pastagens degradadas, na recuperação florestal e na implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR). Nele teremos um programa de sustentabilidade da indústria e de sustentabilidade urbana, no qual vamos tratar a questão dos resíduos sólidos”, finalizou o secretário.

 

Assessoria