Maior avião brasileiro, o E195-E2, com capacidade para 132 passageiros, está quase pronto

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

E-195_E2_01-960x640
O novo jato E195-E2 é avaliado em cerca de US$ 60,4 milhões. Embraer entregará primeiras unidades em 2020. (Foto: Divulgação).

O primeiro jato Embraer E195-E2, o maior da nova série E-Jets 2, está na fase final de montagem na fábrica em São José dos Campos (SP). A empresa completou neste mês a junção das asas na fuselagem e a instalação de parte dos sistemas. Segundo a fabricante, a aeronave será apresentada ainda no primeiro semestre de 2017 e o primeiro voo está programado para acontecer após a segunda metade do ano. Já a estreia comercial é prevista para 2019.

Comparado ao E195 atual, em operação há 10 anos, o modelo da série E2 ganhou mais 3 metros de comprimento (de 38,65 m para 41,5 m). Com esse porte, o E195-E2 será o maior avião já produzido no Brasil, considerando apenas sua extensão – o cargueiro militar KC-390 é mais curto (com 35,2 m), mas ganha no peso (81.000 kg contra 60.700 kg do E195-E2). Será também o avião mais largo do Brasil, com envergadura de 35,1 m. De acordo com a Embraer, o E195-E2 terá alcance de 4.537 km transportando 132 passageiros, configurado em classe única. A velocidade máxima será igual a do E190-E2, atualmente em fase de testes de voo, de 870 km/h. O “jatão” fabricado no Brasil também tem novos motores, o Pratt & Whitney PW1900G, mais potente e com menor consumo de combustível. Em relação a geração atual, o novo motor do E195-E2 tem um custo por assento 24% inferior. Já comparado ao CS 100, concorrente da Bombardier, o modelo da Embraer é até 10% mais eficiente e transporta mais passageiros – a capacidade padrão do CS 100 é de 110 ocupantes.

Outro destaque do E195-E2 são os comandos de voo computadorizados “full fly-by-wire”. Ou seja, todos os controles da aeronave são eletrônicos, e não por meio de sistemas manuais, como cabos ou atuadores hidráulicos. Essa é quarta geração de fly-by-wire desenvolvida pela Embraer: a primeira surgiu nos E-Jets, a segunda nos jatos executivos Legacy e a terceira no cargueiro militar KC-390 – a primeira geração dos E-Jets combinam comandos manuais e eletrônicos. O primeiro E-Jet 2 a entrar em operação será o modelo intermediário E190-E2, cujas primeiras entregas estão programadas para 2018. A nova família ainda inclui o “caçula” E175-E2, que já está sendo fabricado e deve estrear na aviação comercial em meados de 2020. A Embraer tem atualmente quase 500 aviões comerciais encomendados, sendo 275 deles da nova série E2. Desde 2002, a fabricante brasileira já fabricou mais de 1.300 aeronaves da primeira série E-Jet. (airway.uol.com.br).