Empresa estima abate de 100 mil jacarés por ano no Estado

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Henrique de Matos

Recém licenciada pelo governo do Estado, a Caimasul (Caimans do Sul do Pantanal Ltda), maior empresa do mundo no ramo de criação, abate, industrialização e comercialização da carne e couro de jacarés, pretende em até 4 anos, ter 250 mil jacarés criados em confinamento, proporcionando 100 mil abates por ano, 300 toneladas de carne e 100 mil toneladas de pele.

Maior empresa do mundo voltada ao abate e processamento de carne de jacaré entra em funcionamento neste ano em Corumbá
Maior empresa do mundo voltada ao abate e processamento de carne de jacaré entra em funcionamento neste ano em Corumbá

A empresa foi instalada em uma área de 150 hectares na BR-262, em Corumbá, deve iniciar as atividades no segundo semestre deste ano.  No local também funcionarão um frigorífico, um curtume, uma fábrica de ração para os répteis, uma loja de artesanatos e a sede administrativa. O empreendimento deverá gerar 300 empregos diretos e indiretos.

A iniciativa prevê desde a criação sustentável do animal, até o abate e o desenvolvimento de atividades de aproveitamento total de insumos oriundos do Pantanal, como peças artesanais e beneficiamento do couro.

O empreendimento recebeu nesta semana do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) a Licença de Instalação e de Operação (LIO) e terá condições de cumprir seu cronograma para iniciar suas atividades. De acordo com Weber Girardi, gerente operacional da Caimasul, a licença habilita a empresa para o término da construção dos recintos do frigorífico. “Precisávamos desse documento para a preparação do nosso estoque inicial. Nosso licenciamento não é padrão, pois não é um segmento comum”, afirmou Weber. Quando entrar em plena atividade, a Caimasul deve empregar diretamente 100 pessoas. Outros 220 empregos indiretos devem ser oferecidos pelo empreendimento, inclusive para os ribeirinhos de Corumbá.

Com informações do governo do Estado