Insatisfação dos empresários com situação financeira dos negócios é recorde

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

industria-foto-paginapopular
Índice de satisfação financeira foi de 37,9 pontos e 0 de satisfação com a margem de lucro registrou 32,7 pontos nos primeiros três meses do ano. (Foto: Página Popular).

O longo período de dificuldades enfrentado pela indústria está afetando as finanças das empresas. No primeiro trimestre, a insatisfação dos empresários com a situação financeira e com as margens de lucro foram recordes. Enquanto o índice de satisfação financeira foi de 37,9 pontos, o de satisfação com a margem de lucro registrou 32,7 pontos nos primeiros três meses do ano. As informações são da Sondagem Industrial, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira, 20 de abril. Os indicadores variam de zero a cem. Valores abaixo dos 50 pontos sinalizam insatisfação com a situação financeira e com a margem de lucro.

O acesso ao crédito também está mais difícil. O indicador assinalou 29,1 pontos no primeiro trimestre, o menor desde o início da série histórica, iniciada em 2007. Quanto mais abaixo dos 50 pontos, maior é a dificuldade de as empresas acessarem o crédito. As preocupações com questões financeiras também estão subindo no ranking dos principais problemas enfrentados pelas empresas no trimestre. Embora a elevada carga tributária, com 45,1% das assinalações, e a demanda interna insuficiente, assinalada por 42,4% dos empresários, continuem no topo da lista, as taxas de juros elevadas e a inadimplência dos clientes cresceram de importância entre os obstáculos encarados pelas indústrias.

As taxas de juros, que subiram da terceira para a quarta colocação entre os principais problemas, cresceu de 23,5% de assinalações no último trimestre de 2015 para 26,9% no primeiro trimestre. Já a inadimplência  dos clientes foi de 21,2% para 24,9% das respostas no período. Na quinta posição entre os obstáculos, está a falta ou alto custo da matéria-prima, assinalada por 23,6% dos industriais. A falta de capital de giro, que estava na oitava colocação no último trimestre de 2015, subiu para a sexta nos primeiros três meses de 2016, com 21% das assinalações.

 

Atividade industrial

Embora seja comum o aumento da atividade industrial em março na comparação com fevereiro, neste ano a produção caiu no período. O indicador de evolução da produção ficou em 47,2 pontos no mês passado. Valores abaixo dos 50 pontos sinalizam queda na atividade.

A utilização da capacidade instalada (UCI) voltou a crescer após três meses no piso da série histórica. O aumento em março foi de 2 pontos percentuais e alcançou 64%. No entanto, o índice de UCI usual para o mês, que aumentou 1,4 ponto frente a fevereiro e registrou 35,1 pontos em março, continua abaixo dos 50 pontos, sinalizando UCI abaixo do usual.

A redução dos estoques continua pelo quinto mês consecutivo e, com isso, a indústria permaneceu com estoques baixos, dentro do planejado pelas empresas. O índice de evolução dos estoques foi de 48,9 pontos em março e o indicador de estoque efetivo em relação ao planejado registrou 49,3 pontos, próximos da linha dos 50 pontos.

 

Expectativas

Com exceção das expectativas sobre as exportações, que estão positivas, com indicador em 52,1 pontos, o pessimismo dos empresários se mantém em abril para os demais indicadores: demanda, compras de matérias-primas e número de empregados. Embora esteja abaixo dos 50 pontos, o índice de compras para os próximos seis meses aumentou 1,5 ponto ante março e atingiu 46,7 pontos em abril. Já as expectativas sobre a demanda, cujo indicador foi de 47,7 pontos, e do número de empregados, em 43,4 pontos em abril, oscilaram dentro da margem de erro.

A fraca atividade aliada a expectativas negativas para o futuro reduziu ainda mais a intenção de investimentos, que está no piso da série histórica, iniciada em novembro de 2013.  O índice de intenção de investimentos em abril assinalou 39 pontos. Está 7,5 pontos inferior do indicador de abril de 2015 e 22,5 pontos abaixo do maior valor da série, registrado em janeiro de 2014. A Sondagem Industrial foi feita entre 1º e 13 de abril com 2.447 empresas, das quais 1.020 são pequenas, 874 são médias e 553 de grande porte.

(Da Assessoria da CNI).