Industriais de MS debatem avanços com o uso racional da água

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Os empresários industriais de Mato Grosso do Sul debateram, nesta terça-feira (12/04), no Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande (MS), o gerenciamento de recursos hídricos e cobrança pelo uso da água no Estado. Organizado pelo Coema (Conselho Temático Permanente de Meio Ambiente) da Fiems, o evento contou com a participação da CNI (Confederação Nacional da Indústria) e da Semade (Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico).

Política estadual segue os mesmos princípios e diretrizes da política nacional de recursos hídricos. “As políticas nacional e estadual de recursos hídricos têm a finalidade de incentivar o uso racional e sustentável dos recursos - Foto/Divulgação
Política estadual segue os mesmos princípios e diretrizes da política nacional de recursos hídricos. “As políticas nacional e estadual de recursos hídricos têm a finalidade de incentivar o uso racional e sustentável dos recursos – Foto/Divulgação

Para o presidente da Fiems, Sérgio Longen, o grande desafio em relação aos recursos hídricos é criar regras claras para o uso da água, além de discutir e apresentar propostas que contemplem ações de desenvolvimento com o uso racional. “As ferramentas de desenvolvimento de Mato Grosso do Sul passam pela água, então precisamos ampliar o debate desse assunto e discutir de forma pontual cada parte do país, porque cada Estado tem suas peculiaridades e precisa de um estudo com base técnica. Precisamos visualizar o hoje e também considerar como seria a utilização da água no futuro”, afirmou.

Já o gerente-executivo de meio Ambiente e sustentabilidade da CNI, Shelley Carneiro, reforçou a importância da união entre sociedade e entes públicos e privados em torno do uso eficiente e racional da água. “Os desequilíbrios têm que ser gerenciados. Os custos ecológicos da utilização de toda água em qualquer sistema se torna mais evidentes e a demanda de água triplicou entre 1950 e 1990 e prevê-se que dobre em mais 35 anos”, disse.

Shelley Carneiro avalia ainda que se não é possível conseguir mais água, então é preciso usá-la menos. “Isso pode ser conseguido de três formas, pela conservação, pelos mecanismos de fixação de preço ou tornando o consumo mais eficiente através da combinação de uma nova ética relativa a água e de uso adequado de tecnologias criativas”, comentou.

Na avaliação do secretário estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, a política estadual segue os mesmos princípios e diretrizes da política nacional de recursos hídricos. “As políticas nacional e estadual de recursos hídricos têm a finalidade de incentivar o uso racional e sustentável dos recursos. O desafio é atualizar e otimizar os estudos de disponibilidade hídricos e demandas pelo uso de recursos hídricos, aumentando as estações automáticas de medição de vazão, além de campanhas de mobilização para atualização do cadastro, incentivar e cobrar dos usuários o uso racional dos recursos hídricos com a emissão de outorga e implementar a cobrança pelo uso de água”, pontuou.

Palestra

O coordenador da rede de recursos hídricos da CNI, Percy Soares Neto, apresentou o “Panorama da Cobrança pelo uso da Água no País”, que teve como destaque os casos dos Estados de Goiás, onde foi aprovada a cobrança pelo uso da água pelo Comitê da Bacia do Rio Paranaíba, e de Minas Gerais. “É fundamental estudos técnicos para um processo de cobrança pelo uso dos recursos hídricos. Essa cobrança gera aproximadamente R$ 240 milhões por ano no país, ou seja, é muito dinheiro para investir nos recursos hídricos”, falou, acrescentando que a cobrança pelo uso dos recursos contribuiu com o uso racional da água no setor industrial. “No Comitê de Integração do rio Paraíba do Sul, por exemplo, a redução de demanda de água foi de 18%”, informou.

O 2º vice-presidente da Fiems, José Francisco Veloso, também participou do evento e disse que o principal encaminhamento definido durante a reunião foi a intenção de melhorar a integração entre CNI, Fiems e Agência Nacional de Águas, além da integração dos comitês para partilhar experiências positivas e que podem ser aproveitadas. “A indústria tem uma preocupação com a redução dos seus custos na utilização da água e também com o seu uso sustentável”, afirmou.

O presidente do Coema da Fiems, Isaías Bernardini, disse que o conselho tem participado dos comitês de bacia e vê que exista uma necessidade maior capacitação dos participantes para acompanhar as decisões. “Muitas vezes, por não estarem suficientemente qualificados, não se analisa o plano de bacia e não se discute as prioridades, a estrutura operacional do comitê é muito eficiente desde que haja uma participação efetiva”, pontuou.

O gerente de recursos hídricos do Imasul, Leonardo Sampaio Costa, também defendeu a capacitação dos membros dos comitês, enquanto o coordenador de licenciamento ambiental e sustentabilidade da Eldorado Brasil, Fábio José de Paula, comentou que o encontro serviu para esclarecer toda a sequência de cobrança dos recursos hídricos. “A outorga é recente aqui no Estado, então foi importante essa aproximação entre o governo e as empresas para esclarecimentos e debates”, falou.

O diretor da indústria sucroenergética Santa Helena, Bruno Coutinho, também falou sobre a atual cobrança em Mato Grosso do Sul. “No Estado a iniciativa da cobrança dos recursos hídricos deve ter muito cuidado para não trazer um ônus a mais às indústrias. É importante também estabelecer um equilíbrio do interesse econômico com a preservação dos mananciais”, finalizou.

– See more at: http://www.fiems.com.br/noticias/industriais-de-ms-debatem-desenvolvimento-com-o-uso-racional-da-agua/21131#sthash.GmuO9I4K.dpuf