COAMO LANÇA INDÚSTRIA DE DOURADOS NO DIA 6

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

coamo-industria-dourados-projetoUnidade industrial terá capacidade para processar 3 mil toneladas soja por dia e ainda uma refinaria de óleo de soja, com produção de 720 toneladas por dia, (Imagem: Divulgação).

 

Dênes de Azevedo

A Coamo Agroindustrial Cooperativa lança no dia 6 de dezembro a pedra fundamental do seu complexo industrial de Dourados, formado por indústrias de processamento de soja e refino de óleo de soja. A solenidade será na área onde será instalado o complexo, na BR-163, Km 247, próximo ao Posto da Capela, no trecho Embrapa-Rio Dourados.

A construção da unidade industrial de processamento de soja, com capacidade para 3 mil toneladas por dia, e ainda uma refinaria de óleo de soja, com capacidade para 720 toneladas por dia, em Dourados foi aprovada pelo quadro social da cooperativa no dia 23 de março, durante Assembleia Geral Extraordinária, realizada em Campo Mourão (PR), onde fica a sede da empresa.

O investimento na unidade industrial de Dourados será de R$ 650 milhões. A área, de 150 hectares havia sido comprada antes. A cooperativa não informou oficialmente, mas a indústria deve gerar em Dourados 1.100 empregos diretos e 4 mil indiretos. A previsão é de que as duas fábricas fiques prontas em 4 anos.

O presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, disse na assembleia que após estudos de viabilidade econômica e de incentivos fiscais oferecidos pelo Governo do Mato Grosso do Sul, a diretoria optou pelo investimento em Dourados, tendo em vista o seu posicionamento estratégico em relação aos entrepostos da cooperativa no Estado.

“O volume de soja recebido pela Coamo no Mato Grosso do Sul comporta perfeitamente a instalação de uma processadora desse produto neste Estado”, acrescenta. A indústria, segundo ele, vai reduzir custo com o transporte do produto já industrializado, ao invés de transportá-lo in natura para sua industrialização em Campo Mourão ou Paranaguá.

Segundo Gallassini, a implantação da refinaria de óleo de soja permitirá a comercialização do produto pronto diretamente em Mato Grosso do sul e ainda para as regiões Sul e Sudeste do país. “Desta forma, não haverá o passeio do produto para ser industrializado no Paraná e voltando depois para aquelas regiões”, disse.

Desde a metade do ano passado o Governo do Estado e a Prefeitura de Dourados negociam com a Coamo sobre o investimento. Eles chegaram a oferecer uma área no Distrito Industrial, mas a empresa preferiu comprar em outro local, de frente para a BR-163. Após várias reuniões, inclusive o governador foi à sede da Coamo, finalmente chegou-se a um acordo sobre os incentivos e o investimento foi levado à assembleia.