Celulose fica com 50% da exportação do Estado

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

03-0217-0228-celulose1

Responsável por 50,3% de participação na pauta de exportações de Mato Grosso do Sul no primeiro bimestre deste ano, a celulose bateu recorde na receita de vendas externas nos meses de janeiro e fevereiro e totalizou US$ 339,437 milhões, de acordo com dados da Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia. Entre janeiro e fevereiro, as exportações sul-mato-grossenses alcançaram valor total de US$ 674,774 milhões, representando crescimento de 1,53% diante do mesmo período de 2018, quando as vendas externas do Estado ficaram em US$ 664,583 milhões.

Somente no comparativo com o mesmo período de 2018, quando foram vendidos US$ 273,349 milhões em celulose para o exterior, o avanço foi de 24,1%. Em relação ao volume enviado para o exterior, o aumento foi de 3,7% e os embarques de celulose produzida e processada em MS totalizaram 682,850 mil toneladas, ante 658,301 mil toneladas entre janeiro e fevereiro do ano passado.

De acordo com o consultor de empresas e especialista em mercado exterior Aldo Barigosse, o bom desempenho da celulose nas exportações sul-mato-grossenses resulta da expansão que o produto teve no Estado a partir da década passada. “Nos últimos 10 anos, Mato Grosso do Sul vem se consolidando como principal fornecedor de celulose para o mundo. Havia uma fábrica em Três Lagoas, depois passaram a ser duas [Eldorado e Fibria], e há pouco tempo essa segunda indústria fez a sua ampliação e dobrou de tamanho. Isso fez com que se ampliasse a oferta de celulose, é um número expressivo [o montante comercializado para o exterior] e que vai se manter pelos próximos anos”, destacou.