Celulose provoca boom e valor de imóveis sobe até 70% em Ribas do Rio Pardo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Bastou o maquinário que vai construir a fábrica da Suzano chegar em solo riopardense para o boom imobiliário acontecer. Alugueis triplicaram e falta até terreno para quem quer investir. A valorização está calculada em até 70% o que alegra corretores, mas também traz preocupação. Com a vinda da fábrica de celulose, adeus cidade pacata de Ribas do Rio Pardo.

Agente empreendedor do setor imobiliário, Marco Teixeira tem 66 anos de vida, 38 deles passados no município. Advogado, ele já mexe há anos com o setor e viu terreno que ninguém tinha interesse em comprar saltar de R$ 30 mil para R$ 70 mil, isso de bairros mais afastados, porque na avenida principal, chamada Aureliano Moura Brandão, lote que custava R$ 400 mil subiu para pelo menos R$ 1,5 milhão. Os valores se referem a terrenos de 12×30 .

“Aluguel dobrou, triplicou. Isso desde quando eles anunciaram efetivamente. Quando máquina chegou aqui, aí que subiu mesmo”, diz Marco Teixeira.

O aumento de pessoas já é sentido, tanto de gente que foi para trabalhar na construção da fábrica quanto quem já chegou para investir. “Até março estava parado, se falava do negócio, mas não tinha começado ainda. Agora está todo mundo alugando, comprando. Não existe mais salão para alugar. Houve um incremento aí de 70%, explica o agente.

Corretor na Livre Linto Imóveis, Linto Vilmar Ferreira, de 63 anos, é nascido e criado na região. No dia a dia da imobiliária sentiu aumento de pelo menos 50% nos valores. “Estou no mercado há aproximadamente 30 anos, desde que vem comentando a vinda dessa fábrica, os investidores já começaram a chegar”, conta.

E é gente de todo todo País. O corretor chegou a mostrar imóveis para empreendedores de Alagoas, Piauí, Rio Grande do Sul, São Paulo e Paraná. “Já vieram, compraram e vai sair muito imóvel ainda tanto para alugar quanto para vender”, diz.

Para a cidade, Linto diz que financeiramente isso é ótimo, mas ele como morador vê o fim da cidade pacata. “Vai gerar emprego, vai? Mas aqui era uma cidade pacata que vai mudar totalmente o padrão de vida. A situação financeira vai melhorar, os imóveis já estão valorizando, vai ter muito emprego, mas em contrapartida como vai ficar o pessoal que mora e trabalha, o salário deles vai subir também?” questiona.

O corretor fala que terrenos que antes não despertavam interesse algum agora tem uma correria de investidores para a compra. “Tem a expectativa de sair um loteamento muito grande, as novas empresas estão chegando e procurando terras em Ribas. Vim até Campo Grande para agilizar novos empreendimentos, pleitear reuniões”, resume Linto.