Grupo russo Acron assume fábrica da Petrobrás em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

ACRON

Reuniões ao longo desta quinta-feira (18) em Campo Grande arremataram detalhes para a concretização da venda da UFN-3 (Unidade de Fertilizantes Nitrogenados da Petrobras) para o grupo russo Acron. O contrato, na ordem de R$ 8,2 bilhões, deve ser assinado em agosto, com perspectiva de que a unidade tenha sua construção concluída e entre em operação até 2024.

Representantes da Acron e da Petrobras –dona da fábrica localizada em Três Lagoas, a 338 quilômetros da Capital– se reuniram a portas fechadas com integrantes do governo estadual e entre si para tratar de pontos como a transferência dos incentivos fiscais da estatal brasileira para o conglomerado da Rússia, permitindo isenção de impostos na venda da estrutura e máquinas.

“A comitiva russa esteve reunida com as equipes do governo durante todo o dia para apresentar o cronograma de como será a negociação, a retomada dos investimentos, o volume de recursos aportado”, afirmou, via assessoria, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB). “Eles (Acron) pediram o incentivo fiscal porque foi concedido à Petrobras, então, nós teríamos de fazer uma transferência desse incentivo à empresa compradora”, prosseguiu.

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, disse que os incentivos incluem isenção do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para importação de equipamentos para as obras da fábrica, com alíquota de 10%¨, e na venda da ureia produzida pela planta a outros Estados, de 75%. “O que o governo quer é que a Petrobras e a Acron fechem o negócio”, pontuou.

Já o secretário de Estado de Fazenda, Felipe Mattos, destacou que, com as isenções, será viabilizado um novo mercado, diversificando a matriz econômica, “com a venda de um novo insumo que hoje vem de fora do Estado ou importado de outros países, para uma das atividades econômicas do Mato Grosso do Sul que é o agronegócio”.

Representantes da Acron e da Petrobras –dona da fábrica localizada em Três Lagoas, a 338 quilômetros da Capital– se reuniram a portas fechadas com integrantes do governo estadual e entre si para tratar de pontos como a transferência dos incentivos fiscais da estatal brasileira para o conglomerado da Rússia, permitindo isenção de impostos na venda da estrutura e máquinas.

“A comitiva russa esteve reunida com as equipes do governo durante todo o dia para apresentar o cronograma de como será a negociação, a retomada dos investimentos, o volume de recursos aportado”, afirmou, via assessoria, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB). “Eles (Acron) pediram o incentivo fiscal porque foi concedido à Petrobras, então, nós teríamos de fazer uma transferência desse incentivo à empresa compradora”, prosseguiu.

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, disse que os incentivos incluem isenção do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para importação de equipamentos para as obras da fábrica, com alíquota de 10%¨, e na venda da ureia produzida pela planta a outros Estados, de 75%. “O que o governo quer é que a Petrobras e a Acron fechem o negócio”, pontuou.

Já o secretário de Estado de Fazenda, Felipe Mattos, destacou que, com as isenções, será viabilizado um novo mercado, diversificando a matriz econômica, “com a venda de um novo insumo que hoje vem de fora do Estado ou importado de outros países, para uma das atividades econômicas do Mato Grosso do Sul que é o agronegócio”.