50% das indústrias operam abaixo da capacidade de produção em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Da Redação

Mais da metade das indústrias instaladas em Mato Grosso do Sul passou o mês de abril operando abaixo da capacidade, conforme a Sondagem Industrial realizada pelo Radar Industrial da Fiems junto às empresas estaduais. Com isso, a produção industrial sul-mato-grossense voltou a cair em abril com o índice de evolução marcando 42,7 pontos contra 47,7 no mês de março.

“O índice indica que na passagem de um mês para o outro houve aumento do número de estabelecimentos com queda na produção. Para 51% dos respondentes, a utilização da capacidade instalada ficou abaixo do usual para o mês. Já o índice ficou em 37 pontos em abril e segue muito abaixo do patamar considerado adequado para o período, que é alcançado quando o indicador se situa em torno dos 50 pontos. Por fim, a ociosidade média em abril foi de 38%, contra 35% em março”, analisou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende.

Cenário de pessimismo toma conta do setor; 73% dos empresários industriais de Mato Grosso do Sul não pretendem investir nos próximos seis meses (Foto:Divulgação)
Cenário de pessimismo toma conta do setor; 73% dos empresários industriais de Mato Grosso do Sul não pretendem investir nos próximos seis meses (Foto:Divulgação)

Com relação aos próximos seis meses, o ano praticamente já acabou. “Seguem ruins as perspectivas para o período com os empresários da indústria estadual não acreditando mais em melhoras significativas em relação à demanda por seus produtos, quantidade exportada, número de empregados e compras de matérias-primas”, informou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems.

Em maio, para 83,7% dos respondentes as condições atuais da economia brasileira pioraram, enquanto no caso da economia estadual, na mesma comparação, a piora foi apontada por 77,4% dos participantes e, com relação à própria empresa, as condições atuais estão piores para 61,2% dos respondentes, sendo que para 34,1% elas não se alteraram.

 

Para os próximos seis meses, 44,3% dos respondentes mostraram-se pessimistas em relação à economia brasileira, enquanto no caso da economia estadual o pessimismo foi apontado por 37,2% dos participantes da pesquisa e, em relação ao desempenho da própria empresa, considerando os próximos seis meses, 31% dos respondentes mostraram-se pessimistas, patamar ainda próximo aos dos que acham que a situação permanecerá igual, que chegou a 35,6%.