Raízen pode elevar moagem de cana; Cosan tem lucro recorde em 2016

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

16/02/2017

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,0830(compra) 3,0841(venda) +0,01% (variação)

Dólar Turismo: 2,9300(compra) 3,2400(venda) -0,93% (variação)

Euro Comercial: 3,2976(compra) 3,2985(venda) +0,05(variação)

Libra: 3,8585(compra) 3,8601(venda) -0,86% (variação)

Guarani: 1.760 (compra) 1.840 (venda)

(Fonte: Uol e Cambios Chaco – fechado às 23h00)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em -0,24% (67.814,24) nesta quinta-feira.

(Fonte: Uol)

 

Commodities

Soja: 68,00(BA) 35,54 (GO) 65,43(MG) 61,13(MS) 59,47(MT) 65,21(PR) 64,38(RS) 68,08 (SC) 69,05(SP)

Milho: 43,33(BA) 31,21(GO) 33,02(MG) 25,33(MS) 24,02(MT) 26,51 (PR) 26,64(RS) 29,83(SC) 32,64(SP)

Algodão: 99,40(BA) 64,57 (GO) 91,34(MG) 70,00(MS) 86,71(MT)

Arroz: 50,00(BA) 68,00(MT) 59,50(PR) 48,88(RS) 58,26(SP)

Feijão: 169,00(BA) 129,59(PR) 197,94(RS) 162,00(SC) 125,05(SP)

 

Bovinos: 141,88 (BA) 131,82 (GO) 136,06(MG) 133,50(MS) 124,44(MT) 147,69(PR) 4,98(RS) 154,88(SC) 147,03(SP)

Aves: 2,90 (MG) 2,65(PR) 2,41(SC) 2,75(SP)

(Fonte: Agrolink – fechado às 23h00)

 

Petróleo (Brent): US$ 54.050 (+0,43%)

Ouro: US$ 1241,760 a onça-troy (-0,03%)

Prata: US$ 18,100 (-0,06%)

Platina: US$ 1020,750 (+0,12%)

Paládio: US$ 792,600(-0,16%)

(Fonte Uol – fechado às 23h00)

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 937,00 (2017)

Global 40: +112,32

TR: +0,0%

CDI: +12,88%

SELIC: +13,00% (2/12)

(Fonte: Uol)

 

Inflação

IPCA: +0,38% (Jan/17).

IPC-Fipe: +0,32 (Jan/17)

IGP-M: +0,64 (Jan/17)

INPC: +0,42 (Jan/17)

(Fonte Uol)

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

 

2017

– Jan/2017: R$ 3,5719

– Fev/2017: R$ 3,5425

 

2016

– Dezembro/2016: R$ 3,5407

– Novembro/2016: R$ R$ R$ 3,5361

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

(Fonte Sefaz/MS)

 

UFERMS

 

2017

– Jan/Fev-2017: R$ 24,43

 

2016

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

(Fonte Sefaz/MS)

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

 

Bovespa recua 0,24% em movimento de

ajuste com pressão de bancos privados

O principal índice da Bovespa fechou no vermelho nesta quinta-feira, em movimento de ajuste após romper o patamar dos 68 mil pontos, com as ações dos bancos privados pressionando, enquanto Smiles e Banco do Brasil foram destaques de alta.

O Ibovespa recuou 0,24 por cento, a 67.814 pontos. O volume financeiro somou 9,4 bilhões de reais, acima da média diária do ano até a véspera, de 7,65 bilhões de reais.

O pregão foi marcado por troca de sinal algumas vezes, sem variações muito intensas para os dois lados. No melhor momento, o Ibovespa subiu 0,7 por cento, a 68.455 pontos e recuou 0,46 por cento, a 67.661 pontos, na mínima.

O movimento de ajuste em Wall Street, que recuava após renovar máximas históricas, sob pressão de ações do setor de energia e de bancos, também corroborou a correção vista na bolsa paulista.

Mais cedo, o tom positivo do mercado ganhou respaldo na aprovação pela Câmara dos Deputados, na noite passada, do projeto para uma nova rodada de regularização de ativos mantidos ilegalmente no exterior, que rendeu mais de 45 bilhões de reais ao governo no ano passado.

Segundo operadores, a medida é bem recebida uma vez que pode resultar em mais recursos aplicados no mercado de capitais.

Apesar da percepção para a bolsa brasileira seguir positiva entre os agentes de mercado, em meio à expectativa de queda dos juros no Brasil, a demora na recuperação da economia real ainda levanta dúvidas sobre o espaço que o mercado ainda tem para avançar.

“Para subir mais e ir acima dos 70 mil pontos é preciso ver ainda a melhora na economia real”, disse o gestor de renda variável da Fator Administração de Recursos, Daniel Utsch. (Por Flavia Bohone, Reuters).

 

Dólar fecha em alta e interrompe sequência

de quedas, após bater nível de R$3,03

Após cair à casa de 3,03 reais e atrair compradores, o dólar acabou fechando em alta nesta quinta-feira, interrompendo dois dias seguidos de queda que o levaram ao menor nível em mais de um ano e meio por conta de expectativas de entrada de recursos externos no país.

O dólar avançou 0,56 por cento, a 3,0841 reais na venda, depois de bater 3,0390 reais na mínima do dia, menor patamar intradia desde 18 de junho de 2015 (3,0292 reais).

No acumulado dos dois pregões anteriores, o dólar havia recuado 1,39 por cento. O dólar futuro subia cerca de 0,80 por cento no final desta tarde.

“O dólar ficou barato, o importador comprou e as tesourarias bancárias recompuseram um pouco de suas posições”, disse o diretor da Correparti Corretora Jefferson Rugik.

Apesar dessa correção pontual, a trajetória da moeda norte-americana segue de baixa, segundo operadores, com expectativas de entrada de recursos vindos do exterior devido, entre outros, às recentes captações feitas por empresas no Brasil.

“O Brasil segue surfando numa onda favorável. O dólar ganhou mais um reforço para sua trajetória de baixa com a aprovação da repatriação, mas a queda a partir de agora, com esse patamar, deve ser mais contida”, acrescentou um profissional sênior da mesa de câmbio de uma corretora nacional.

Na noite passada, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto para nova rodada de regularização de ativos mantidos ilegalmente no exterior, a chamada repatriação, programa que rendeu mais de 45 bilhões de reais ao governo no ano passado. Para essa nova fase, existem expectativas de que mais 20 bilhões a 30 bilhões de reais possam ser levantados.

A matéria, no entanto, volta agora ao Senado, por conta das modificações feitas, já que o projeto original é daquela Casa, e deve ser votada na próxima semana.

 

raizen
Cosan informou que o volume de açúcar produzido pela Raízen deve ficar entre 4,3 milhões e 4,7 milhões de toneladas na safra 2017/18. (Foto: Divulgação).

Raízen pode elevar moagem de cana em 17/18;

Cosan tem lucro recorde em 2016

A Raízen Energia, maior produtora individual de açúcar e etanol do Brasil, poderá elevar a moagem de cana na nova safra 2017/2018 (abril/março) para 63 milhões de toneladas, na melhor expectativa da sua previsão preliminar, informou nesta quinta-feira a Cosan, sócia da empresa juntamente com a Shell.

Na safra anterior (2016/17), virtualmente já encerrada, a moagem da Raízen foi projetada entre 59 milhões e 61 milhões de toneladas, ante 62,7 milhões em 2015/16, disse a Cosan, em relatório em que anunciou também um lucro recorde no ano de 2016.

Já a estimativa mais baixa para nova safra (17/18) indica que a moagem da Raízen poderia se igualar à da safra 16/17, que se encerra oficialmente em março.

A Cosan informou que o volume de açúcar produzido pela Raízen deve ficar entre 4,3 milhões e 4,7 milhões de toneladas na safra 2017/18, crescimento ante a projeção de 4,2 milhões a 4,6 milhões da temporada anterior.

Já a produção de etanol da Raízen também pode crescer. A Cosan apontou volume produzido do biocombustível entre 2 bilhões e 2,3 bilhões de litros na safra 2017/18, ante 1,9 bilhão e 2,2 bilhões projetados para 16/17.

A Cosan não detalhou o que a levou a realizar tais projeções, mas ressaltou que o guidance para 17/18 é preliminar, podendo sofrer alterações até a conclusão do processo orçamentário da Raízen, uma vez que a safra só começa em abril.

 

LUCRO ANUAL RECORDE

A Cosan registrou queda de mais de 70 por cento no lucro líquido do quarto trimestre de 2016, para 178,3 milhões de reais, principalmente por questões contábeis, enquanto o Ebitda somou 1,352 bilhão de reais no mesmo período, queda de 21,4 por cento, na comparação com o ano anterior. (Reuters).