Otimismo com Trump faz Bolsa dos EUA atingir 20 mil pontos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

25/01/2017

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,1695 (compra) 3,1715 (venda) +0,09% (variação)

Dólar Turismo: 3,1500 (compra) 3,3400 (venda) +0,60% (variação)

Euro Comercial: 3,4071(compra) 3,4091 (venda) +0,21% (variação)

Libra: 4,0036 (compra) 4,0062 (venda) +1,00% (variação)

Guarani: 1.735(compra) 1.795(venda)

(Fonte: Uol e Cambios Chaco – fechado às 20h53)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em +1,14% (65.840,09) nesta quarta-feira.

(Fonte: Uol)

 

Commodities

Soja: 70,50(BA) 69,64(GO) 67,55(MG) 65,63(MS) 62,59(MT) 67,10(PR) 67,52(RS)  72,33(SC) 71,31(SP)

Milho: 44,25(BA) 31,99(GO) 35,52(MG) 25,67(MS) 23,92(MT) 27,56(PR) 28,83(RS) 35,17(SC) 32,40(SP)

Algodão: 98,14(BA) 63,56(GO) 91,46(MG) 70,00(MS) 87,84(MT)

Arroz: 50,00(BA) 68,00(MT) 68,57(PR) 48,70(RS) 58,26(SP)

Feijão: 237,00(BA) 151,65(PR) 206,44(RS) 198,75(SC) 144,60(SP)

 

Bovinos: 152,91(BA) 136,83(GO) 142,04(MG) 134,75(MS) 126,13(MT) 149,18(PR) 4,94(RS) 154,61(SC) 149,41(SP)

Aves: 3,30(MG) 2,82(PR) 2,41(SC) 2,50(SP)

(Fonte: Agrolink – fechado às 17h29)

 

Petróleo (Brent): US$ 54,250 (-0,57%)

Ouro: US$ 1200,350 a onça-troy (+0,02%)

Prata: US$ 16,991 (-0,23%)

Platina: US$ 983,300 (+0,05%)

Paládio: US$ 737,500 (0,00%)

(Fonte Uol – fechado às 17h49)

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 937,00 (2017)

Global 40: +112,32

TR: +0,21%

CDI: +12,88%

SELIC: +13,00% (2/12)

IPCA: +0,30% (Dez/16).

IPC-Fipe: +0,72 (Dez/16)

IGP-M: +0,54 (Dez/16)

INPC: +0,14 (Dez/16)

(Fonte Uol)

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

2017

– Jan/2017: R$ 3,5719

 

2016

– Dezembro/2016: R$ 3,5407

– Novembro/2016: R$ R$ R$ 3,5361

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

(Fonte Sefaz/MS)

 

 

UFERMS

 

2017

– Jan/Fev-2017: R$ 24,43

 

2016

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

(Fonte Sefaz/MS)

 

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

BALANÇA COMERCIAL DE MS

 

– Carta de Conjuntura Junho de 2016 – http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2016/06/Setor-Externo-Junho-2016.pdf

 

Dow Jones fecha acima de 20 mil

pontos pela primeira vez na história

As bolsas norte-americanas subiram nesta quarta-feira e a índice Dow Jones fechou acima da marca de 20 mil pontos pela primeira vez, uma vez que sólidos ganhos e o otimismo com projetos pró-crescimento do presidente Donald Trump expandiram um rali pós-eleitoral.

O Dow Jones subiu ou 0,78 por cento, para 20.068 pontos. O S&P 500 ganhou 0,8 por cento, 2.298 pontos e o Nasdaq teve alta de 0,99 por cento, a 5.656 pontos.

Trump tomou várias decisões favoráveis ​​aos negócios desde que assumiu o cargo na sexta-feira, incluindo a assinatura de medidas para reduzir a carga regulatória sobre fabricantes nacionais e abrir caminho para a construção de dois oleodutos.

Os índices S&P 500 e Nasdaq também fecharam em máximas recordes pela segunda sessão consecutiva.

O Dow chegou a um ponto da marca histórica em 6 de janeiro, como os investidores confiando em políticas pró-crescimento e cortes de impostos que muitos esperam da nova administração.

“Foi um marco que o mercado tem sido focado para realmente a melhor parte de dois meses e estava criando um pouco de ansiedade sobre se ele seria superado ou não”, disse Julian Emanuel, equity Estrategista do UBS em Nova York.

O movimento também foi levantado pelos acima do esperado para o quarto trimestre. De acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S, cerca de 70 por cento das 104 empresas do S&P 500 superaram as expectativas. Espera-se que os ganhos mostrem um crescimento de 6,8 por cento no trimestre, o mais forte em dois anos.

O aumento desde 22 de novembro, quando o índice fechou acima de 19 mil pela primeira vez, foi liderado por ações financeiras, com Goldman Sachs e JPMorgan representando cerca de 20 por cento do ganho. (Da Reuters).

 

Dívida pública federal sobe 11,5 por cento

em 2016 e atinge R$3,1 tri, diz Tesouro

A dívida pública federal aumentou 11,5 por cento em 2016, atingindo 3,113 trilhões de reais, um novo recorde histórico, ainda que dentro do teto máximo de até 3,3 trilhões de reais estipulado pelo governo federal, informou o Tesouro Nacional nesta quarta-feira.

A alta foi puxada principalmente pelo avanço de 12,7 por cento da dívida mobiliária federal interna sobre 2015, para 2,986 trilhões de reais. A dívida pública federal externa, por outro lado, caiu 11,4 por cento na comparação anual, alcançando 126,52 bilhões de reais.

Em outubro, o Tesouro havia reafirmado o intervalo de 3,1 trilhões a 3,3 trilhões de reais para a dívida total ao fim de 2016 em revisão do Plano Anual de Financiamento (PAF).

No PAF para 2017 divulgado nesta quarta-feira, o Tesouro fixou um intervalo de 3,45 trilhões a 3,65 trilhões de reais para a dívida pública federal.

 

DEZEMBRO

Em dezembro, a dívida pública federal subiu 0,66 por cento sobre novembro. Na mesma base, a dívida pública mobiliária interna cresceu 0,84 por cento, enquanto a dívida externa caiu 3,60 por cento.

Em relação à composição, os títulos indexados à Selic terminaram o ano dentro do limite de 27 a 31 por cento previsto no PAF de 2016, com fatia de 28,24 por cento. Em novembro, esse percentual havia sido de 27,81 por cento.

Enquanto isso, os títulos prefixados compreendiam 35,73 por cento do total em dezembro, ante 35,95 por cento no mês anterior e dentro da faixa de 33 a 37 por cento fixada pelo Tesouro como meta. (Reuters).

 

Anatel aprova reajustes nas tarifas

de chamadas de fixo para móvel

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) autorizou nesta quarta-feira reajustes nas tarifas cobradas nas chamadas de telefones fixos para móveis.

Para a operadora Vivo, o aumento aprovado foi de 2,28 por cento, enquanto para a Oi o reajuste ficou em 1,67 por cento e, para a Claro, em 0,88 por cento.

A Anatel aprovou ainda reajustes de 1,35 por cento na tarifa fixo-móvel da Sercomtel, e de 0,10 por cento para a Algar Telecom.

As operadoras têm de dar ampla publicidade à mudança com antecedência mínima de dois dias para que os reajustes sejam aplicados, informou a agência. (Reuters).

 

acucar
Seca reduziu a oferta de cana nos principais Estados produtores. (Foto: Divulgação).

Produção de açúcar da Índia pode cair para

menor nível em 7 anos, diz associação

A produção de açúcar da Índia pode cair para 21,3 milhões de toneladas na safra de 2016/17, o menor nível em sete anos e 9 por cento menor do que o previsto anteriormente, uma vez que a seca reduziu a oferta de cana nos principais Estados produtores, disse uma associação do setor nesta quarta-feira.

A queda da produção poderá elevar os preços locais e levar o país, maior consumidor de açúcar do mundo, a permitir importações livres de tarifas, apoiando os preços globais que estão sendo negociados perto de seu nível mais alto em um mês e meio.

As usinas de açúcar no Estado de Maharashtra, o maior produtor, e no terceiro maior Estado produtor, Karnataka, estão fechando mais cedo do que as expectativas iniciais, afirmou em um comunicado a Associação Indiana de Usinas de Açúcar (ISMA, na sigla em inglês)

Nos primeiros 15 dias de janeiro, as usinas indianas produziram 10,5 milhões de toneladas de açúcar, queda de 5,3 por cento em relação ao mesmo período do ano passado.

“As usinas de açúcar nas áreas afetadas pela seca começaram a fechar, a diferença em relação ao ano passado será maior à medida que a estação avança”, disse o órgão. (Reuters).