Dólar sobre pelo segundo dia à espera de corte no orçamento

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

28/03/2017

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,1370 (compra) 3,1390 (venda) +0,31% (variação)

Dólar Turismo: 3,0100 (compra) 3,2700 (venda) +0,62% (variação)

Euro Comercial: 3,3951 (compra) 3,3976 (venda) -0,01 (variação)

Libra: 3,8964 (compra) 3,8996 (venda) -0,73% (variação)

Guarani: 1.700 (compra) 1.770(venda)

(Fonte: Uol e Cambios Chaco – fechado às 23h00)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em +0,52% (64.640,45) nesta terça-feira.

(Fonte: Uol)

 

Commodities

 

WhatsApp Image 2017-03-29 at 11.00.46
Fonte: Uol

 

Petróleo (Brent): US$ 50,830 (0,0%)

Ouro: US$ 1249,310 a onça-troy (+0,02%)

Prata: US$ 18,080 (-0,17%)

Platina: US$ 958,000 (+0,37%)

Paládio: US$ 794,200 (-0,02%)

(Fonte Uol – fechado às 23h00)

 

WhatsApp Image 2017-03-29 at 11.01.08
Fonte: Agrolink

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 937,00 (2017)

Global 40: +112,32

TR: +0,07%

CDI: +12,13%

SELIC: +12,25%

(Fonte: Uol)

 

Inflação

IPCA: +0,33% (Fev/17).

IPC-Fipe: +0,08(Fev/17)

IGP-M: +0,08(Fev/17)

INPC: +0,24 (Fev/17)

(Fonte Uol)
Unidades de referência de MS

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

 

2017

– Mar/2017: R$ 3,5872

– Fev/2017: R$ 3,5425

– Jan/2017: R$ 3,5719

 

2016

– Dezembro/2016: R$ 3,5407

– Novembro/2016: R$ R$ R$ 3,5361

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

(Fonte Sefaz/MS)

 

UFERMS

 

2017

– Jan/Fev-2017: R$ 24,43

– Mar/Abr-2017: R$ 24,74

 

2016

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

(Fonte Sefaz/MS)

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

 

alexandre almeida
O executivo Alexandre Almeida. (Foto: Divulgação).

BRF contrata ex-presidente da Itambé

para comandar negócios no Brasil

A companhia de alimentos BRF (BRFS3.SA: Cotações) contratou o executivo Alexandre Almeida, ex-presidente da empresa de laticínios Itambé, para comandar seus negócios no mercado brasileiro, informou a maior exportadora de carne de frango do mundo na terça-feira.

Segundo a BRF, além de dirigir os negócios da companhia no Brasil, Almeida será responsável por “conduzir o processo de integração e dar sequência às iniciativas prioritárias já em curso”.

Almeida substituirá Rafael Ivanisk que, segundo a BRF, decidiu sair da empresa por razões pessoais. Ivanisk atuava em conjunto com Leonardo Byrro, que agora passará à vice-presidência de rede de suprimentos.

“Essa nova configuração permite um foco adicional na gestão agroindustrial”, afirmou a BRF no comunicado.

A BRF afirmou ainda que a área de “Qualidade Global” passará a ser reportar diretamente ao presidente-executivo, Pedro Faria. “A agenda estratégica global de marketing e inovação fica sob a liderança de Pedro Navio, ex-presidente da RedBull para América Latina, recém-chegado à companhia”, disse a BRF. (Reuters).

 

Bovespe sobe 0,52% com noticiário

corporativo intenso; Santander tem forte recuo

O principal índice da bolsa paulista fechou em alta nesta terça-feira, em sessão de intenso noticiário corporativo que teve os papéis da Raia Drogasil entre as maiores altas, enquanto Santander liderou as perdas.

O Ibovespa subiu 0,52 por cento, a 64.640 pontos. Na mínima do dia, o índice caiu 0,4 por cento, enquanto teve alta de 0,84 por cento no melhor momento do pregão. O giro financeiro somou de 8 bilhões de reais.

Os ganhos em Wall Street, após dados mostrarem que a confiança do consumidor dos Estados Unidos subiu para máxima em mais de 16 anos, também ajudaram a manter o tom positivo do mercado local. O S&P 500 fechou em alta de 0,73 por cento

O noticiário político local permaneceu mais esvaziado nesta sessão, com o mercado à espera de notícias sobre cortes de gastos e aumento de impostos. O Ministério da Fazenda informou que o anúncio sobre o contingenciamento do Orçamento será feito somente no fim da tarde de quarta-feira.

Na noite passada, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o governo estima receitas extras de cerca de 17 bilhões de reais para 2017 com devolução à União de hidrelétricas e com questão envolvendo precatórios.

 

DESTAQUES

– VALE PNA subiu 1,93 por cento e VALE ON ganhou 1,43 por cento, após a empresa confirmar a escolha de Fabio Schvartsman, atual presidente-executivo da empresa de papel e celulose Klabin, para assumir o posto de diretor presidente da mineradora, escolha bem recebida por analistas que consideram o executivo experiente. Na véspera, as ações da mineradora subiram após reportagens na mídia anteciparem a informação. (Flavia Bohone, da Reuters).

 

Dólar fecha em alta ante real com cena

externa e à espera de contingenciamento

O dólar terminou a terça-feira com leve alta ante o real, à espera da divulgação do contingenciamento do Orçamento deste ano e do provável aumento de impostos e diante do cenário externo com menos preocupações com o andamento das políticas de estímulo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, após a derrota no Congresso do projeto de reforma do sistema de saúde.

O dólar avançou 0,31 por cento, a 3,1390 reais na venda, depois de bater 3,1456 reais na máxima do dia e 3,1229 reais na mínima. O dólar futuro tinha elevação de 0,30 por cento.

“O mercado está meio enjaulado, com dúvidas tanto externas quanto internas, ainda aguardando uma definição melhor para tomar uma decisão”, afirmou o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado.

“Quando (o dólar) vai se aproximando de 3,15 reais, acabam entrando vendas”, acrescentou.

Na véspera, os mercados reagiram mal ao fato de Trump ter sofrido importante derrota política ao não conseguir passar seu projeto para reformular o sistema de saúde norte-americano, que substituiria o Obamacare. No entanto, nesta sessão, os investidores passaram a apostar que, com isso, o presidente deve concentrar seus esforços em tirar do papel corte de impostos e aumento de gastos em infraestrutura.

Lá fora, o dólar avançava ante uma cesta de moedas, após dirigentes do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, enfatizarem a perspectiva de mais aumentos de juros.

“O dólar subiu acompanhando o exterior e também como forma de proteção pelo ajuste do Orçamento de 2017”, comentou o diretor da Correparti Corretora, Jefferson Rugik.

Internamente, o mercado trabalhou à espera da divulgação do governo sobre o corte orçamentário para garantir o cumprimento da meta fiscal deste ano, de déficit primário de 139 bilhões de reais. O anúncio estava previsto para essa sessão, mas divergências entre o Palácio do Planalto e a equipe econômica sobre aumento de impostos acabaram adiando o anúncio. (Por Claudia Violante, da Reuters).