Dólar sobe pela 6ª vez, ganha 3,2% no período e fecha a R$ 3,233

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

18/08/2016

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,2317 (compra) 3,2333 (venda) +0,68% (variação)

Dólar Turismo: 3,1100 (compra) 3,3700 (venda) +1,20% (variação)

Euro Comercial: 3,6758(compra) 3,6805 (venda) +1,66% (variação)

Libra: 4,2619 (compra) 4,2665 (venda) +2,00% (variação)

Guarani: 1.630 (compra) 1.680 (venda)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em -0,27% (59.166,02) nesta quinta-feira.

 

Commodities

Soja: 72,50(BA) 72,94(GO) 77,90(MG) 73,50(MS) 72,70(MT) 68,46(PR) 69,43(RS)  71,86(SC) 76,18(SP)

Milho: 59,17(BA) 40,89(GO) 46,82(MG) 35,11(MS) 29,33(MT) 36,23(PR) 43,82(RS) 43,12(SC) 40,78(SP)

Algodão: 81,95(BA) 62,65(GO) 84,36(MG) 68,00(MS) 79,17(MT)

Arroz: 50,00(BA) 68,00(MT) 66,85(PR) 50,21(RS) 58,62(SP)

Feijão: 402,50(BA) 215,75(PR) 221,70(RS) 204,17(SC) 302,87(SP)

 

Bovinos: 146,59(BA) 137,47(GO) 136,66(MG) 137,88(MS) 128,00(MT) 147,23(PR) 5,09(RS) 151,45(SC) 151,14(SP)

Aves: 2,45(MG) 2,97(PR) 2,46(SC) 3,25(SP)

 

Petróleo (Brent): US$ 49,370 (1,82%)

Ouro: US$ 1352,880 a onça-troy (+0,02%)

Prata: US$ 19,800 (-0,05%)

Platina: US$ 1135,000 (+0,12%)

Paládio: US$ 714,020 (+0,16%)

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 880,00 (2016)

Global 40: +112,32

TR: +0,22%

CDI: +14,13%

SELIC: +14,25% (20/07)

IPCA: +0,52% (julho/16).

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

 

UFERMS

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

BALANÇA COMERCIAL DE MS

 

– Carta de Conjuntura Junho de 2016 – http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2016/06/Setor-Externo-Junho-2016.pdf

 

 

Dólar sobe ante real pela 6ª sessão por BC

e preocupações locais, apesar de exterior

-O dólar fechou em alta frente ao real pela sexta sessão seguida nesta quinta-feira, sequência mais longa de altas em seis meses, com incertezas sobre o ajuste fiscal no Brasil e a estratégia de atuação cambial do Banco Central ofuscando expectativas de que os juros não devem subir tão cedo nos Estados Unidos.

O dólar avançou 0,68 por cento, a 3,2333 reais na venda, acumulando alta de 3,23 por cento em seis pregões. A última vez em que a moeda norte-americana avançou por seis vezes seguidas foi em fevereiro deste ano.

O dólar futuro subia cerca de 1 por cento no fim desta tarde.

“Com a atuação mais pesada do BC e as especulações sobre o fiscal nos últimos dias, o real tem tido desempenho pior que as outras moedas. E hoje, o mercado desviou o foco para o (cenário) local”, disse o estrategista de um banco internacional.

O BC vem mantendo sua estratégia de vender diariamente 15 mil swaps reversos, que equivalem a compra futura de dólares, desde que aumentou a oferta na semana passada, sobre 10 mil contratos diários até então. O reforço na intervenção contribuiu para tirar o dólar das mínimas em quase um ano atingidas neste mês, próximo de 3,10 reais.

Declarações do presidente interino Michel Temer levaram alguns a apostar que o governo almejaria evitar quedas maiores do dólar, mas o presidente do BC, Ilan Goldfajn, tem defendido o respeito ao câmbio flutuante.

Investidores também continuaram à procura de pistas sobre a trajetória do ajuste fiscal brasileiro. “Os próximos passos do dólar vão ser definidos no Congresso Nacional”, resumiu o superintendente regional de câmbio da corretora SLW João Paulo de Gracia Corrêa.

De maneira geral, o mercado vem minimizando a importância dos recuos do governo em sua campanha para aprovar medidas de austeridade no Congresso Nacional, apostando que a postura tende a enrijecer quando o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff for aprovado, em julgamento que começa em 25 de agosto.  (Bruno Federowski, Reuters).

 

Bovespa recua após renovar máxima intradia

em quase 2 anos, mas Petrobras atenua perda

O principal índice da Bovespa encerrou em leve queda nesta quinta-feira, após uma sessão fraca, com as ações da Petrobras novamente atenuando o movimento de realização de lucros no pregão brasileiro.

O Ibovespa caiu 0,27 por cento, a 59.166 pontos. No melhor momento do dia, tocou 59.417 pontos, renovando máxima intradia desde setembro de 2014. O volume financeiro somou 6,42 bilhões de reais.

De acordo com o chefe da mesa institucional da corretora de um banco estrangeiro em São Paulo, a bolsa está sem catalisadores, esperando o desfecho do processo de impeachment, bem como a evolução de reformas para retomar o crescimento.

A equipe da Guide Investimentos também atrelou a debilidade na Bovespa ao adiamento da votação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Desvinculação de Receitas da União (DRU) na noite da véspera.

O instrumento fiscal, que perdeu a vigência no fim de 2015, é considerado prioritário pelo governo do presidente interino Michel Temer, que tenta recriar o mecanismo para ajudar o governo a cumprir sua meta fiscal. (Paula Arend Laier, Reuters).

 

Tempo adverso e bianualidade negativa vão

derrubar safra de café em 2017, diz Cooxupé

As geadas de julho e o tempo seco que atinge os cafezais de Minas Gerais reduzirão de forma acentuada a safra do ano que vem do Estado, cujas lavouras produzirão menos também pelo fato de 2017 ser o período de baixa do ciclo bianual do arábica, afirmaram nesta quinta-feira dirigentes da Cooxupé, a maior cooperativa de cafeicultores do Brasil.

Dessa forma, Minas Gerais, que responde por cerca de metade da produção nacional de café, deverá colher 17 milhões a 18 milhões de sacas de 60 kg em 2017, ante 23 milhões a 26 milhões neste ano, disse a jornalistas o superintendente comercial da Cooxupé, Lúcio Dias, após a cooperativa receber visita do ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

A colheita de arábica está praticamente encerrada. Entre os cooperados da Cooxupé, os trabalhos já avançaram para mais de 80 por cento da área estimada para este ano.

Considerando a expectativa de queda na produção de Minas, a safra brasileira da variedade arábica, que responde pela grande maioria da produção, seria de 37 milhões a 38 milhões de sacas, ante 42 milhões a 45 milhões em 2016.

“Isso pode impactar nas vendas do ano que vem. Agora, o tamanho da queda de safra vai depender de quanto tempo ainda vai levar para chover”, disse o presidente da Cooxupé, Carlos Paulino da Costa, ao comentar que não chove bem na região desde meados de julho.

Quanto mais tempo leva para a umidade chegar, maiores os riscos de uma produção menor, comentou ele.

No entanto, há expectativa de chuvas razoáveis para o próximo final de semana, o que poderia provocar as primeiras floradas para a próxima safra.

Dias, da área comercial, ressaltou que o Brasil tem tido exportações e consumo interno elevados, que não têm permitido que o país acumule excedentes. (Por Roberto Samora, da Reuters).

 

Seca deve manter preço spot da energia

alto e reduzir perdas de distribuidoras

A profunda seca vista no Nordeste neste ano deve manter elevados os preços spot da eletricidade, o que contribuirá para reduzir perdas financeiras de distribuidoras de energia, que devido à retração da demanda têm vendido sobras no mercado de curto prazo por valores abaixo do custo.

Uma queda menor que a prevista inicialmente no consumo já havia levado comercializadores de energia a prever um salto em setembro nos preços spot, ou Preços de Liquidação das Diferenças (PLDs), e a situação hídrica preocupante do Nordeste deve ajudar a manter essa elevação, ao reduzir a oferta de energia de hidrelétricas da região.

A situação beneficiará as distribuidoras porque elas só podem negociar os excedentes contratuais no mercado spot, mesmo que a operação gere prejuízo.

Os contratos de compra de energia das distribuidoras têm um custo médio na casa dos 185 reais por megawatt-hora, ante um PLD atual de cerca de 117 reais. Entre abril e maio, a diferença chegou a ser ainda maior, com o PLD médio entre 30 e 50 reais por megawatt-hora.

Mas em setembro as projeções das comercializadoras de energia Comerc e Iguaçu Energia apontam para um PLD acima dos 200 reais por megawatt-hora.

“Isso é extremamente saudável para o caixa das distribuidoras”, afirmou o presidente da Comerc, Cristopher Vlavianos, à Reuters. “Mesmo com a sobra, se o PLD ficar perto de 200 reais, elas (distribuidoras) ficam sem prejuízo.”. (Por Luciano Costa, Reuters).

 

indicadores-brasilpar-1