Dólar fecha quase estável, a R$ 3,419, com BC e de olho nos EUA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

17/11/2016

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,4173 (compra) 3,4189 (venda) -0,08% (variação)

Dólar Turismo: 3,2500 (compra) 3,5900 (venda) 0,0% (variação)

Euro Comercial: 3,6473(compra) 3,6525 (venda) -0,12% (variação)

Libra: 4,2598 (compra) 4,2660 (venda) +0,17% (variação)

Guarani: 1.620 (compra) 1.700 (venda)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em -1,63% (59.770,47) nesta quinta-feira.

 

Commodities

Cotação do dia 16/11/16

Soja: 69,00(BA) 72,37(GO) 74,05(MG) 69,88(MS) 66,99(MT) 67,11(PR) 68,26(RS)  69,73(SC) 71,06(SP)

Milho: 45,42(BA) 37,57(GO) 41,04(MG) 28,44(MS) 27,60(MT) 30,69(PR) 39,44(RS) 37,88(SC) 33,94(SP)

Algodão: 85,40(BA) 62,14(GO) 83,67(MG) 68,00(MS) 79,41(MT)

Arroz: 50,00(BA) 68,00(MT) 70,04(PR) 48,93(RS) 62,15(SP)

Feijão: 215,83(BA) 227,70(PR) 211,30(RS) 202,20(SC) 189,29(SP)

 

Bovinos: 152,34(BA) 141,20(GO) 145,90(MG) 140,00(MS) 128,68(MT) 150,78(PR) 4,84(RS) 157,61(SC) 150,46(SP)

Aves: 3,30(MG) 2,92(PR) 2,42(SC) 3,10(SP)

 

Petróleo (Brent): US$ 43,730 (-1,13%)

Ouro: US$ 1216,990 a onça-troy (+0,01%)

Prata: US$ 16,700 (-0,12%)

Platina: US$ 936,500 (+0,005%)

Paládio: US$ 728,900 (-0,15%)

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 880,00 (2016)

Global 40: +112,32

TR: +0,20%

CDI: +13,88%

SELIC: +14,00% (20/10)

IPCA: +0,26% (Out/16).

IPC-Fipe: +0,27 (Out/16)

IGP-M: +0,16 (Out/16)

INPC: +0,17 (Out/16)

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

 

UFERMS

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

BALANÇA COMERCIAL DE MS

– Carta de Conjuntura Junho de 2016 – http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2016/06/Setor-Externo-Junho-2016.pdf

 

Pacote de notas de cinco dólares dos Estados Unidos são inspecionados em Washington, nos EUA 26/03/2015 REUTERS/Gary Cameron/File Photo
Dólar fica estável na quinta-feira. (Foto: Gary Cameron/REUTERS).

Dólar tem leve baixa ante real, longe da mínima,

com apostas de juros altos nos EUA

O dólar fechou com ligeira baixa nesta quinta-feira, longe das mínimas do dia com mais apostas de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, elevará em breve os juros do país, o que tende a atrair recursos aplicados em outros mercados, como o brasileiro.

O cenário externo acabou amortecendo parte da atuação do Banco Central brasileiro, que continuou atuando no mercado de câmbio após as fortes e recentes altas do dólar.

O dólar recuou 0,08 por cento, a 3,4189 reais na venda, segunda queda seguida, acumulando perdas de 0,64 por cento. O dólar futuro registrava leve alta de cerca de 0,05 por cento no final desta tarde.

Na mínima do dia, o dólar chegou a 3,3876 reais e, na máxima, a 3,4290 reais.

A eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos não alterou em nada os planos do Federal Reserve, banco central norte-americano, de aumentar a taxa de juros “relativamente em breve”, disse nesta sessão a chair do Fed, Janet Yellen, em depoimento no Congresso que incluiu a promessa de cumprir o seu mandato.

Foi a primeira manifestação pública de Yellen após a vitória de Trump, acrescentando que o Fed mudaria sua perspectiva se necessário, conforme a nova administração lançasse planos para, talvez, cortar impostos em centenas de bilhões de dólares e fazer gastos governamentais adicionais. Ela também sugeriu que o novo governo tenha em mente que os EUA estão perto do pleno emprego e a inflação pode estar aumentando.

Além disso, importantes indicadores econômicos nos Estados Unidos foram divulgados mais cedo, reforçando ainda mais a visão de uma política monetária mais apertada. O Fed se reúne novamente em dezembro, com as apostas majoritárias do mercado de que elevará os juros.

Pela manhã, o dólar chegou a marcar 1 por cento de queda frente ao real influenciado pelos leilões de swap tradicional, equivalente à venda futura de dólares, pelo BC. (Reuters).

 

Petrobras vende Liquigás

para Ultragaz por R$2,8 bi

A Petrobras informou que seu Conselho de Administração aprovou nesta quinta-feira a venda da Liquigás para a Ultragaz, subsidiária da Ultrapar, em negócio de 2,8 bilhões de reais que depende de aval de autoridades antitrustre por elevar fortemente a concentração no mercado de gás de cozinha do país.

A aprovação da venda da Liquigás, que confirma relatos desta quinta-feira de fontes com conhecimento da transação, integra o programa de desinvestimentos da Petrobras, que prevê arrecadar 15,1 bilhões de dólares em 2015 e 2016, como forma de a estatal reduzir seu enorme endividamento.

Com a venda da Liquigás, a Petrobras atingiu desde o início de 2015 um total de 11 bilhões de dólares em desinvestimentos, mas o montante da transação com a Ultrapar só deve entrar no caixa da estatal no fim de 2017, uma vez que o negócio terá que passar por avaliação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), disse a gerente-executiva de aquisições e desinvestimento da Petrobras, Anelise Quintão Lara.

“Vai ter um período de transição entre a assinatura de contrato e o closing de alguns meses, porque vai passar pelo Cade e imaginamos que o closing vai acontecer no fim de 2017”, afirmou a jornalistas, ressaltando que a empresa está confiante de realizar negócios até o fim do ano que atinjam a meta.

Ela disse que a venda da Liquigás ficou dentro da faixa de valor estimada pela Petrobras. A gerente afirmou ainda que eventuais operações decorrentes de concentrações de mercado serão de responsabilidade do grupo comprador da Liquigás.

A empresa, subsidiária integral da Petrobras, atua no engarrafamento, distribuição e venda de gás liquefeito de petróleo (GLP). A empresa opera em quase todos os Estados do país e conta com 23 centros operativos, 19 depósitos e uma rede de cerca de 4.800 revendedores autorizados, segundo a Petrobras.

Já a Ultragaz, primeira distribuidora de GLP do Brasil, fundada em 1937, atende aproximadamente 11 milhões de domicílios no segmento envasado e 50 mil clientes no segmento granel.

 

Em meio a preocupações sobre aumento da concentração de mercado, a Ultrapar afirmou que os consumidores serão beneficiados pelo negócio. (Reuters).

 

Ritmo de contração ganha força e economia

do Brasil recua 0,78% no 3º tri, aponta BC

A atividade econômica brasileira fechou o terceiro trimestre com contração, acelerando as perdas sobre os três meses anteriores segundo dados do Banco Central divulgados nesta quinta-feira, num reflexo claro da dificuldade que a economia tem mostrado para sair da recessão.

Os dados dessazonalizados do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), mostraram que a economia do país contraiu 0,78 por cento nos três meses até setembro na comparação com o período anterior. A queda no segundo trimestre ante o primeiro foi de 0,42 por cento.

O resultado negativo se deu apesar da alta de 0,15 do indicador em setembro na comparação com o mês anterior, melhor leitura desde junho, contra expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,20 por cento.

Isso porque em julho e agosto o IBC-Br apresentou quedas respectivamente de 0,18 e de 1 por cento na base mensal. Neste ano, números positivos foram registrados apenas em abril, maio e setembro.

“Algum sinal mais evidente de reversão da atual recessão… só deve vir no começo do próximo ano. Crescimento, talvez só no final de 2017”, avaliou em nota o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco Gonçalves, que projeta queda de 3,3 por cento do PIB este ano e estabilidade em 2017.

Em relação a setembro do ano passado, o IBC-Br recuou 3,44 por cento. No acumulado em 12 meses, a queda atingiu 5,42 por cento, sempre em números dessazonalizados.

O que evitou a queda do indicador em setembro foi a leve alta de 0,5 por cento da produção industrial após duas quedas mensais seguidas, mas num resultado ainda insuficiente para abrir caminho para uma recuperação sustentada.

Por outro lado, o ritmo de queda das vendas no varejo brasileiro acelerou em setembro para 1 por cento, e o setor registrou o pior resultado para o mês em 14 anos, enquanto o setor de serviços apresentou recuo de 0,3 por cento no volume de vendas no mesmo mês.

O IBC-Br incorpora projeções para a produção no setor de serviços, indústria e agropecuária, bem como o impacto dos impostos sobre os produtos. (Reuters).

 

Job reduz previsão de consumo

e exportação de etanol do país

Com uma safra de cana menor do que a esperada no centro-sul e usinas produzindo um volume recorde de açúcar, a Job Economia reduziu nesta quinta-feira suas estimativas de produção, consumo e exportação de etanol do Brasil.

Com os preços da gasolina mais competitivos que o etanol hidratado, motoristas em geral estão preferindo o combustível fóssil em detrimento do renovável. De outro lado, usinas estão produzindo o máximo que podem de açúcar, para tirar proveito dos bons preços no mercado global.

A produção de etanol do país foi projetada pela Job na temporada 2016/17 em 27,85 bilhões de litros, ante 29,15 bilhões de litros na projeção de setembro, com o centro-sul do país respondendo pela grande parte do volume. Na temporada passada, a produção no Brasil atingiu 30,23 bilhões de litros.

Já a projeção de consumo nacional de etanol (anidro e hidratado) na temporada 2016/17 foi reduzida para 26,6 bilhões de litros, ante 28 bilhões de litros previamente, por “restrição da oferta”, disse a consultoria em nota. Na safra anterior, o consumo atingiu 28,15 bilhões de litros.

Dessa forma, a Job revisou para baixo as exportações brasileiras de etanol (para 1,6 bilhão de litros, versus 2,1 bilhões de litros anteriormente) e elevou ligeiramente a projeção de importações do biocombustível (para 1,2 bilhão, versus 1,1 bilhão de litros).

Na temporada passada, o Brasil exportou 2,16 bilhões de litros e importou 500 milhões de litros.

As mudanças nas projeções ocorrem em meio a uma redução na estimativa de moagem de cana-de-açúcar do centro-sul do Brasil, região que responde por cerca de 90 por cento da produção nacional, para 618,4 milhões de toneladas, ante 632 milhões de toneladas na previsão anterior.

Segundo a consultoria, a redução ocorre por “razões estatísticas”, uma vez que cerca de 14 milhões de toneladas de cana da safra 2016/17 foi moída na segunda quinzena de março de 2016 e contabilizada na safra 2015/16.

Além disso, citou a Job, a renovação dos canaviais e tratos culturais ainda estão deficientes e pragas e doenças afetaram as produtividades.