Dólar fecha estável, a R$ 3,12, com preocupações sobre EUA e França

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

08/02/2017

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,1189 (compra) 3,1197 (venda) +0,08% (variação)

Dólar Turismo:2,9600 (compra) 3,2700 (venda) -0,3% (variação)

Euro Comercial: 3,3320 (compra) 3,3339(venda) -0,16(variação)

Libra: 3,9025 (compra) 3,9050 (venda) -0,06% (variação)

Guarani: 1.770 (compra) 1.820 (venda)

(Fonte: Uol e Cambios Chaco – fechado às 17h48)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em +0,55% (64.554,73) nesta quarta-feira.

(Fonte: Uol)

 

Commodities

Soja: 68,50(BA) 64,40 (GO) 64,80(MG) 61,44(MS) 58,30(MT) 65,17(PR) 65,08(RS)  69,00 (SC) 69,38 (SP)

Milho: 44,33(BA) 30,50(GO) 34,70 (MG) 25,39 (MS) 23,40 (MT) 26,55 (PR) 27,53 (RS) 31,11(SC) 32,76 (SP)

Algodão: 99,40(BA) 63,99 (GO) 91,34 (MG) 70,00(MS) 87,51(MT)

Arroz: 50,00(BA) 68,00(MT) 59,50(PR) 48,99(RS) 58,26(SP)

Feijão: 179,00(BA) 129,59(PR) 195,56(RS) 162,00(SC) 127,01(SP)

 

Bovinos: 146,38 (BA) 134,94 (GO) 136,39(MG) 134,13(MS) 124,46(MT) 148,26(PR) 4,94(RS) 154,93(SC) 147,83(SP)

Aves: 2,75 (MG) 2,65(PR) 2,42(SC) 2,55 (SP)

(Fonte: Agrolink – fechado às 17h16)

 

Petróleo (Brent): US$ 53.970 (+0,88%)

Ouro: US$ 1237,690 a onça-troy (-0,06%)

Prata: US$ 17,716 (-0,02%)

Platina: US$ 1019,650 (+0,11%)

Paládio: US$ 770,250 (+0,25%)

(Fonte Uol – fechado às 17h06)

 

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 937,00 (2017)

Global 40: +112,32

TR: +0,17%

CDI: +12,88%

SELIC: +13,00% (2/12)

IPCA: +0,30% (Dez/16).

IPC-Fipe: +0,72 (Dez/16)

IGP-M: +0,54 (Dez/16)

INPC: +0,14 (Dez/16)

(Fonte Uol)

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

2017

– Jan/2017: R$ 3,5719

 

2016

– Dezembro/2016: R$ 3,5407

– Novembro/2016: R$ R$ R$ 3,5361

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

(Fonte Sefaz/MS)

 

 

UFERMS

 

2017

– Jan/Fev-2017: R$ 24,43

 

2016

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

(Fonte Sefaz/MS)

 

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

BALANÇA COMERCIAL DE MS

 

– Carta de Conjuntura Junho de 2016 – http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2016/06/Setor-Externo-Junho-2016.pdf

 

Este conteúdo foi produzido pelo Sistema Jornal do Commercio de Comunicação. Para compartilhar, use o link http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/nacional/noticia/2017/02/08/microempresas-fazem-21_porcento-das-demissoes-269855.php

 

Despesas com educação sobem 8,76% em 12 meses

edu

Pesquisa divulgada hoje ontem pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV) mostra que as despesas com educação subiram 8,76% no período de 12 meses compreendidos entre fevereiro de 2016 e janeiro deste ano, quase o dobro da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC/FGV), que acumula alta de 5,04% no período.

As altas mais significativas foram observadas nos itens creche (12,31%), pré-escola (11,13%) e ensino fundamental (10,95%), seguidas pelo ensino médio (10,92%), cursos preparatórios para vestibulares (9,55%), cursos de pós-graduação (9,53%) e ensino superior (9,20%).

Segundo o economista do Ibre responsável pela pesquisa, André Braz, apesar da redução do número de estudantes em escolas privadas por causa da crise – com desemprego e diminuição da capacidade de pagamento das famílias – as instituições têm custos fixos que acabam sendo rateados por aqueles que permanecem matriculados, por isso as mensalidades não caem com a redução da demanda.

Material escolar

De acordo com o levantamento da FGV, o material escolar subiu 9,31% em 12 meses, também muito acima da inflação, mas nesse caso, o consumidor tem poder de barganha, segundo Braz. “Tem vários lugares que vendem esse tipo de material. Então, a gente pode fazer uma boa pesquisa de preços e driblar os aumentos, fazendo essa despesa impactar menos no orçamento.” Os preços dos livros didáticos e não didáticos subiram 5,13% e 5,72%, respectivamente.

O único dos 17 itens analisados na pesquisa que registrou variação abaixo da inflação no período avaliado foi o de cursos alternativos e complementares à grade escolar, que teve reajuste de 2,83%. Segundo Braz, são cursos que têm um apelo menor “porque a família pode abrir mão, sem grandes prejuízos para a vida acadêmica do aluno”.

 

Governo estuda comprar energia elétrica direto de geradoras

 

O governo federal quer passar a comprar energia no mercado livre, ou seja, diretamente das geradoras. Segundo o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, o Executivo federal pode adotar o modelo como alternativa para economizar nos gastos com energia elétrica. Em 2016, as despesas com água e eletricidade cresceram 5,6% na comparação com 2015, descontada a inflação do período.

Segundo Oliveira, a alta se deve a reajustes nas tarifas de energia elétrica no ano passado. Com a adoção do novo modelo, a expectativa do Ministério do Planejamento é reduzir em 20% a despesa com o item em relação ao patamar atual de gastos. Em números absolutos, a economia poderá chegar a cerca de R$ 400 milhões anuais, segundo estimativas da pasta.

“Hoje, o governo adquire [energia] como consumidor individual. Pelo seu porte e volume, passará a adquirir através do mercado livre”, disse Oliveira durante durante a divulgação do Boletim de Custeio Administrativo de 2016. O ministro destacou que as empresas locais de energia – como a Companhia Energética de Brasília (CEB) – continuarão recebendo pelos serviços de distribuição.

O secretário de Gestão do Planejamento, Gleisson Rubin, explicou que a alteração do modelo levará algum tempo e ainda demanda estudos. “É preciso fazer o cadastramento do governo na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, realizar estudos. Isso deve tomar todo o primeiro semestre. No segundo semestre devemos começar a implantar e, em 2018, estender para órgãos da administração indireta e outras unidades da Federação.” Segundo ele, após os estudos, o governo poderá optar pela   manutenção do atual modelo.

 

 

Recuperação da economia brasileira será longa e lenta, aponta ‘FT’

 

A recuperação econômica brasileira será longa e lenta, de acordo com uma reportagem publicada nesta quarta-feira, 8, no site do jornal britânico de economia Financial Times. “Os brasileiros estão chegando à conclusão de que a recuperação da profunda recessão do país nos últimos dois anos será muito mais lenta do que o esperado”, trouxe a publicação.

O FT cita dados da Euromonitor (uma empresa de pesquisa de mercado com sede no Reino Unido), que mostram que a despesa média por domicílio caiu 9% entre 2014 e 2016, ao mesmo tempo em que a criação de emprego se tornou negativa e terminou o boom do consumo alimentado pelo crédito. “O rastreamento de volta será longo e lento”, resumiu.

A Euromonitor prevê que as despesas das famílias ultrapassem seu nível de 2014 somente em 2025, em termos ajustados pela inflação. O gasto médio por domicílio foi de cerca de R$ 68 mil em 2014 e caiu para R$ 61,8 mil no ano passado. Este ano, cairá para cerca de R$ 61,4 mil antes de começar a subir novamente, de acordo com a empresa. “Estamos em um período de estabilização (e não de recuperação)”, observou a gerente de renda e despesa da Euromonitor, An Hodgson, ao FT.

Uma razão apontada para a recuperação lenta é que ela não será alimentada por dívida. “Houve muita conversa sobre a expansão da classe média, sobre pessoas que deixam a pobreza por meio de gastos com crédito”, lembrou An. “Mas a renda familiar está caindo e as condições de crédito estão se apertando.” Os dados da Euromonitor mostram agora “uma mudança de confiança no modelo de crescimento liderado pelo consumo”.

A especialista salientou que, desde a crise financeira internacional de 2008/2009, a economia brasileira tem sido muito mais dependente do consumo doméstico do que muitas outras economias emergentes. A despesa do consumidor como fatia do Produto Interno Bruto (PIB) atingiu o pico de 61,8% no ano passado. A Euromonitor espera que caia mais de um ponto porcentual este ano e continue a cair no futuro previsível.

O site do FT ressalta que muitas famílias enfrentam um longo período de aperto financeiro e apresenta dados da Confederação Nacional do Comércio (CNC), mostrando que o volume de dívidas vencidas em janeiro já diminuiu em relação ao pico de setembro do ano passado, mas que continua em níveis historicamente elevados. A proporção de famílias que dizem não ter condições de pagar suas dívidas também permanece elevada (9,3%), segundo a CNC.

A causa dessa angústia é clara, de acordo com a reportagem: “Depois de anos de criação de empregos, o Brasil vem perdendo vagas no setor formal a um ritmo alarmante”. Em 2016, mais de 1,1 milhão de empregos foram fechados. “Embora a taxa de destruição dos empregos tenha diminuído ao longo do ano passado, a ameaça de desemprego será uma ruptura nas despesas por um longo tempo para vir.”

Para o Financial Times, não foi o consumo doméstico que levou o Brasil à recessão e tampouco o fará sair de lá. O site cita dados negativos da produção industrial, mas traz análises de que os investimentos não podem ser adiados “para sempre”.