Dólar fecha em queda e vai a R$ 3,152, menor valor em três meses

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

27/01/2017

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,1500 (compra) 3,1520 (venda) -0,90% (variação)

Dólar Turismo: 3,1400 (compra) 3,3300 (venda) -0,30% (variação)

Euro Comercial: 3,3573 (compra) 3,3616 (venda) -1,11 (variação)

Libra: 3,9385 (compra) 3,9426 (venda) -1,59% (variação)

Guarani: 1.750 (compra) 1.810 (venda)

(Fonte: Uol e Cambios Chaco – fechado às 18h33)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em -0,25% (66.033,98) nesta sexta-feira.

(Fonte: Uol)

 

Commodities

Soja: 70,50(BA) 67,35(GO) 67,55(MG) 65,63(MS) 62,09(MT) 67,13(PR) 66,79(RS)  72,33(SC) 70,34(SP)

Milho: 44,25(BA) 30,94(GO) 35,39(MG) 25,67(MS) 23,94(MT) 27,56(PR) 28,78(RS) 35,17(SC) 32,82(SP)

Algodão: 98,14(BA) 63,99 (GO) 91,46(MG) 70,00(MS) 87,31(MT)

Arroz: 50,00(BA) 68,00(MT) 68,57(PR) 48,70(RS) 58,26(SP)

Feijão: 237,00(BA) 151,65(PR) 206,44(RS) 198,75(SC) 143,62(SP)

 

Bovinos: 152,91(BA) 136,16(GO) 142,03(MG) 134,75(MS) 126,13(MT) 149,26(PR) 4,94(RS) 154,61(SC) 149,41(SP)

Aves: 3,30(MG) 2,78(PR) 2,41(SC) 2,50(SP)

(Fonte: Agrolink – fechado às 18h29)

 

Petróleo (Brent): US$ 54,860 (-1,86%)

Ouro: US$ 1191,630 a onça-troy (+0,04%)

Prata: US$ 17,160 (+0,06%)

Platina: US$ 988,000 (+0,05%)

Paládio: US$ 736,700 (-0,04%)

(Fonte Uol – fechado às 18h36)

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 937,00 (2017)

Global 40: +112,32

TR: +0,17%

CDI: +12,88%

SELIC: +13,00% (2/12)

IPCA: +0,30% (Dez/16).

IPC-Fipe: +0,72 (Dez/16)

IGP-M: +0,54 (Dez/16)

INPC: +0,14 (Dez/16)

(Fonte Uol)

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

2017

– Jan/2017: R$ 3,5719

 

2016

– Dezembro/2016: R$ 3,5407

– Novembro/2016: R$ R$ R$ 3,5361

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

(Fonte Sefaz/MS)

 

 

UFERMS

 

2017

– Jan/Fev-2017: R$ 24,43

 

2016

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

(Fonte Sefaz/MS)

 

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

BALANÇA COMERCIAL DE MS

 

– Carta de Conjuntura Junho de 2016 – http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2016/06/Setor-Externo-Junho-2016.pdf

 

 

construcao
ICST do Brasil subiu 2,5 pontos em janeiro e atingiu 74,5 pontos. (Foto: Divulgação).

Confiança da construção no Brasil tem em janeiro

maior nível desde meados de 2015, diz FGV

A confiança da construção brasileira iniciou o ano em alta e atingindo o maior nível desde meados de 2015, com melhora tanto das expectativas quanto da avaliação da situação atual, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira.

O Índice de Confiança da Construção (ICST) do Brasil subiu 2,5 pontos em janeiro e atingiu 74,5 pontos, maior patamar desde junho de 2015, quando chegou a 76,2 pontos.

“A melhora das expectativas combinada a uma percepção menos negativa sobre a situação atual contribuiu para que a confiança da construção registrasse em janeiro a maior alta mensal da série”, destacou em nota a coordenadora de projetos da construção da FGV/IBRE, Ana Maria Castelo.

O Índice de Expectativas (IE-ICST) aumentou 3,4 pontos, para 84 pontos, favorecido pela demanda nos próximos três meses. Já O Índice da Situação Atual (ISA-CST) subiu 1,5 ponto, para 65,3 pontos, com destaque para o indicador que mede a situação atual dos negócios.

Apesar da melhora em janeiro, a coordenadora da FGV/Ibre destacou que ainda não é possível visualizar uma virada no setor já que ainda não há uma melhora de fato dos negócios.

“…não é possível apontar o fim do ciclo recessivo no setor, pois o aumento da confiança continua amparado muito mais nas expectativas”, completou ela.

Em nota separada, a FGV informou ainda que o Índice Nacional de Custos da Construção (INCC-M) subiu 0,29 por cento em janeiro, após alta de 0,36 por cento no mês anterior. (Por Thaís Freitas, da Reuters)

 

Ibovespa cai 0,24% com realização de

lucros, mas acumula alta de 2,3% na semana

Após quatro sessões de alta, o principal índice da Bovespa fechou esta sexta-feira em leve baixa, em meio à realização de lucros e com a Petrobras entre as influências negativas diante de recuo no preço do petróleo e maior aversão global a risco.

O Ibovespa caiu 0,24 por cento, a 66.033 pontos. Na mínima, o indicador chegou a recuar 0,47 por cento. O giro financeiro da sessão somou 6,4 bilhões de reais.

Na semana, o Ibovespa acumulou ganho de 2,3 por cento. Em 2017, a alta é de 9,6 por cento.

Segundo profissionais do mercado, com investidores menos propensos a assumir riscos, então alguns aproveitaram para embolsar parte dos lucros obtidos nos últimos dias.

“O mercado externo não ajudou, com o petróleo em baixa, feriado na China, bolsas em queda na Europa e nos EUA, então vimos um pouco de realização de lucros”, disse Luiz Roberto Monteiro, da corretora Renascença.

Ele atribuiu boa parte dos ganhos registrados até agora em 2017 à entrada de capital estrangeiro. “O investidor local está um pouco mais retraído, é o gringo que está colocando dinheiro”.

Segundo a BM&FBovespa, a entrada líquida de capital externo somou 4,8 bilhões de reais no ano até dia 24. (Reuters).

 

Dólar cai e volta a R$3,15, menor patamar

em 3 meses, com dados mais fracos nos EUA

O dólar caiu quase 1 por cento e fechou no menor nível em três meses nesta sexta-feira, de volta ao patamar de 3,15 reais, após dados mais fracos sobre a economia norte-americana suavizarem um pouco as apostas de que o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, pode elevar os juros mais do que o esperado.

O viés de baixa da moeda norte-americana veio desde cedo, num movimento de ajuste após duas sessões de alguma elevação e diante de expectativas de ingresso de fluxo de recursos por conta de recentes captações de empresas.

O dólar recuou 0,90 por cento, a 3,1520 reais na venda, menor patamar desde os 3,1423 reais de 26 de outubro de 2016. Nas duas sessões anteriores, havia acumulado alta de 0,37 por cento.

A moeda norte-americana marcou também sua sexta semana consecutiva de queda, com perda acumulada de 7 por cento. O dólar futuro operava com baixa de cerca de 0,90 por cento no final desta tarde.

A economia norte-americana avançou 1,9 por cento no quarto trimestre de 2016, abaixo dos 2,2 por cento apurado em pesquisa Reuters e bem menor do que a alta de 3,5 por cento do terceiro trimestre. O desempenho foi prejudicado pelas exportações de soja, mas os gastos estáveis do consumidor e o aumento do investimento empresarial sugerem que a economia continuará a crescer.

Com o dado mais fraco, a pressão na inflação tende a diminuir, reduzindo apostas de que o Fed possa elevar os juros ainda mais. Este cenário de mais juros começou a ser desenhado com a vitória de Donald Trump para a Presidência dos Estados Unidos, com temores de que sua política econômica seja inflacionária, o que poderia levar o Fed a elevar mais os juros locais, atraindo para a maior economia do mundo recursos aplicados hoje em outras praças, como a brasileira.

No exterior, o dólar voltou a exibir leve alta, depois de ter caído, ante uma cesta de moedas logo após os dados sobre o Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano. Sobre outras moedas de países emergentes, o dólar cedeu neste pregão, como frente ao peso mexicano.

Internamente, a possibilidade de ingressos de recursos seguiu no horizonte dos investidores, com a janela de captações aberta às empresas brasileiras, contribuindo para a manutenção do viés de baixa da moeda norte-americana. (Por Claudia Violante, Reuters).

 

Canadá quer resolver caso de financiamento

à Bombardier sem envolver OMC

O recém-nomeado ministro do Comércio do Canadá, Francois-Philippe Champagne, afirmou nesta sexta-feira que disse ao Brasil que está aberto a resolver uma disputa sobre financiamento para a fabricante de aeronaves Bombardier sem recorrer à Organização Mundial do Comércio (OMC).

Champagne disse a jornalistas que discutiu a questão da Bombardier com seu colega brasileiro durante um jantar no recente Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Em dezembro, o Brasil disse que iniciaria um processo contra o Canadá na OMC sobre o que chama de apoio injusto de 2,5 bilhões de dólares da província de Quebec para a Bombardier.

Brasil tem argumentado que o investimento de Quebec, juntamente com os planos do governo canadense para injetar 1 bilhão de dólares no programa do jato CSeries da Bombardier, permitem descontos agressivos que afetam a rival brasileira Embraer, além da Boeing e da Airbus.

Bombardier e Embraer tem disputado há décadas o mercado de jatos regionais. Os fabricantes de aviões trocaram acusações de subsídios injustos no final de 1990 que foram discutidos na OMC. (Reuters).

 

Arrecadação soma R$1,29 tri em 2016,

pior desempenho desde 2010, diz Receita

A arrecadação do governo federal fechou 2016 a 1,29 trilhão de reais, com queda real de 2,97 por cento e no pior resultado desde 2010, apesar das receitas extraodinárias obtidas no ano passado com a regularização de ativos no exterior, que renderam 46,8 bilhões de reais aos cofres públicos.

Apenas em dezembro, informou a Receita Federal nesta sexta-feira, a arrecadação teve baixa de 1,19 por cento sobre novembro, a 127,607 bilhões de reais. O desempenho para o mês foi o mais fraco desde 2009.

Após contração de 3,8 por cento no Produto Interno Bruto (PIB) em 2015, o ano passado foi marcado por outro forte recuo na atividade, com economistas ouvidos pela pesquisa Focus do Banco Central projetando tombo de 3,5 por cento.

O cenário de recessão impactou diretamente a arrecadação de importantes tributos, com destaque para Cofins/Pis-Pasep, com queda de 6,89 por cento sobre 2015, equivalente a 19,5 bilhões de reais, diante da queda no volume de vendas e de serviços.

Também foram expressivas as retrações vistas no Imposto de Importação/IPI-Vinculado (-16,1 bilhões de reais no ano) e na receita previdenciária (-14,1 bilhões de reais), esta última fundamentalmente afetada pela redução da massa salarial no país.

No ano, as desonerações tributárias caíram 14,6 bilhões de reais sobre 2015, mas fecharam o ano no patamar ainda expressivo de 90,7 bilhões de reais.

Considerando somente dezembro, a arrecadação teve baixa de 1,19 por cento sobre novembro, já descontada a inflação, a 127,607 bilhões de reais. O desempenho para o mês foi o mais fraco desde 2009. (Reuters).

 

Conta de luz terá bandeira verde em

fevereiro, sem cobrança extra, diz Aneel

As contas de luz no Brasil em fevereiro terão bandeira tarifária verde, o que significa que não haverá cobrança extra aos consumidores, informou nesta sexta-feira a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Segundo a agência, condições hidrológicas favoráveis, que têm ajudado a produção das hidrelétricas no país, possibilitaram a bandeira verde, que sinaliza que não há riscos na oferta de energia.

Quando a oferta é menor, podem entrar em vigor as bandeiras amarela e vermelha, que elevam o custo das contas para incentivar um consumo mais eficiente, segundo a Aneel. (Reuters).