Dólar fecha em queda, cotado a R$ 3,127, após altas seguidas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

24/04/2017

 

 Moedas

Dólar Comercial: 3,1257 (compra) 3,1267 (venda) -0,97% (variação)

Dólar Turismo: 2,9700 (compra) 3,2800 (venda) -0,91% (variação)

Euro Comercial: 3,3966 (compra) 3,3975 (venda) +0,56(variação)

Libra: 3,9972 (compra) 3,9985 (venda) -0,91% (variação)

Guarani: 1.650 (compra) 1.750 (venda)

(Fonte: Uol e Cambios Chaco – fechado às 23h00)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em +0,99% (64.389,02) nesta segunda-feira.

(Fonte: Uol)

 

Commodities

 

agro-2402
Fonte: Agrolink

Petróleo (Brent): US$ 48,560 (0,00%)

Ouro: US$ 1273,920 a onça-troy (+0,01%)

Prata: US$ 17,922 (+0,01%)

Platina: US$ 963,100 (+0,26%)

Paládio: US$ 800,750 (+,06%)

(Fonte Uol – fechado às 22h48)

 

uol-cota-2404
Fonte: Uol

Índices

Salário Mínimo: R$ 937,00 (2017)

Global 40: +112,32

TR: +0,03%

CDI: +11,13%

SELIC: +11,25%

IPCA: +0,25% (Mar/17)

IPC-Fipe: +0,14 (Mar/17)

IGP-M: +0,01 (Mar/17)

INPC: +0,24 (Fev/17)

(Fonte Uol)

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

2017

– Jan/2017: R$ 3,5719

– Fev/2017: R$ 3,5719

– Mar/2017: R$ 3,5872

– Abr/2017: R$ 3,5894

2016

– Dezembro/2016: R$ 3,5407

– Novembro/2016: R$ R$ R$ 3,5361

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

(Fonte Sefaz/MS)

UFERMS

2017

– Jan/Fev-2017: R$ 24,43

– Mar/Abr-2017: R$ 24,74

2016

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

(Fonte Sefaz/MS)

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

BALANÇA COMERCIAL DE MS

– Carta de Conjuntura Junho de 2016 – http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2016/06/Setor-Externo-Junho-2016.pdf

 

Funcionário abastece carro em posto de gasolina em São Paulo, no Brasil 08/11/2016 REUTERS/Paulo Whitaker
Funcionário abastece carro em posto de gasolina em São Paulo, no Brasil
08/11/2016. (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker).

Preço da gasolina amplia queda e tem

mínima de 16 meses no país, aponta ANP

O preço médio da gasolina vendida nos postos do Brasil caiu na semana passada para seu menor nível em um ano e quatro meses, enquanto o etanol e o diesel também recuaram, apontaram dados publicados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), nesta segunda-feira.

O preço médio da gasolina caiu 0,3 por centro, na semana encerrada em 22 de abril ante a semana anterior, para 3,629 reais por litro. É o menor patamar desde a semana encerrada em 19 de dezembro de 2015, quando o combustível fóssil foi vendido a 3,628 reais por litro.

A queda nos preços dos combustíveis ocorre em meio a uma fraqueza no consumo no Brasil, diante da crise econômica, e também por conta de uma nova política da Petrobras, de reajustes mais frequentes, que resultaram uma queda acumulada das cotações nas refinarias nos últimos meses.

Já o etanol hidratado, concorrente da gasolina nas bombas, no mesmo período, caiu 0,9 por cento na semana passada, para 2,629 reais por litro, segundo a ANP. O preço do diesel na bomba, por sua vez, caiu 0,1 por cento para 3,015 reais por litro.

Em um momento de queda nos preços nas bombas, a Petrobras decidiu na última quinta-feira aumentar o valor do diesel nas refinarias em 4,3 por cento e o da gasolina em 2,2 por cento, em média, a partir da sexta-feira passada.

Segundo a Petrobras, a decisão foi devido principalmente a elevação dos preços dos derivados nos mercados internacionais, além de ajustes na competitividade da empresa no mercado interno.

O reajuste mais frequente dos preços dos combustíveis pela Petrobras foi adotado desde que a empresa anunciou em outubro de 2016 sua nova política de preços, que prevê que os valores permaneçam com uma margem positiva em relação à paridade internacional.

A revisão de preços acontece pelo menos uma vez a cada 30 dias.

Desde que a nova política foi posta em prática, a Petrobras elevou os valores da gasolina em duas oportunidades, manteve os preços em outras duas e reduziu as cotações em quatro vezes. (Reuters).

Dólar cai 1% ante real com

alívio com eleições na França

O dólar encerrou a segunda-feira em queda firme ante o real, mas longe da mínima da sessão, com alívio dos investidores após o resultado do primeiro turno das eleições francesas e com as pesquisas indicando que o eleitorado deve eleger um governo de centro, e não de extrema-direita que colocaria em risco a permanência da França na União Europeia.

O mercado, entretanto, seguiu atento à cena política doméstica, sobretudo ao andamento da reforma da Previdência no Congresso.

O dólar recuou 0,97 por cento, a 3,1267 reais na venda, depois de bater 3,1180 reais na mínima do dia. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 0,80 por cento no final da tarde.

“O desfecho de ontem na França permitiu ao mercado voltar a assumir risco, mas sem se esquecer das reformas”, resumiu um profissional de câmbio.

Na véspera, o candidato de centro Emmanuel Macron deu um grande passo rumo à Presidência da França ao ganhar o primeiro turno das eleições, avançando para o segundo turno da votação, em 7 de maio, contra a líder de extrema-direita Marine Le Pen.

Levantamento Opinionway nesta segunda-feira colocou o concorrente de centro com vantagem de 61 por cento contra 39 por cento da adversária, de postura nacionalista e que alimenta temores de que a França possa sair da União Europeia, como optou recentemente a Grã-Bretanha.

“O receio com Le Pen era grande, especialmente em tempos de Brexit e Donald Trump (presidente dos Estados Unidos) se colocando como delicadas surpresas protecionistas nos dois lados do Atlântico”, informou a corretora H.Commcor em relatório.

No exterior, o euro saltava mais de 1 por cento ante o dólar após o resultado das eleições francesas e aliviando os temores de outro choque político sistêmico no segundo turno. (Por Claudia Violante, da Reuters).

Bovespa sobe 1% com alívio

após eleição na França

O principal índice da bolsa paulista subiu nesta segunda-feira, refletindo o alívio do cenário externo após o resultado do primeiro turno da eleição presidencial na França e tendo as ações da Hypermarcas e Natura entre as maiores altas, diante de noticiário corporativo

O Ibovespa fechou em alta de 0,99 por cento, a 64.389 pontos. O volume financeiro foi de 7,67 bilhões de reais.

Os franceses foram às urnas no domingo e levaram ao segundo turno o candidato centrista Emmanuel Macron e a líder de extrema-direita Marine Le Pen, com pesquisas indicando a liderança de Macron na próxima votação. O resultado do pleito francês também refletiu em Wall Street, com o S&P 500 fechando em alta de 1,08 por cento.

Já o cenário político local segue motivando alguma cautela, em meio a discussão das reformas trabalhista e Previdenciária, e operadores destacam que a volatilidade pode voltar nos próximos pregões.

No domingo, o presidente Michel Temer se reuniu com a base aliada e ministros e afirmou que a proposta de mudanças da Previdência apresentada na comissão especial da Câmara na semana passada é a versão final e deve ser aprovada pelo Congresso da forma que se encontra atualmente.

DESTAQUES

– BRADESCO PN avançou 1,83 por cento e ITAÚ UNIBANCO PN subiu 1,93 por cento, em sessão positiva para o setor bancário como um todo, reforçando o viés de alta do Ibovespa devido ao peso dos papéis em sua composição. SANTANDER UNIT ganhou 1,26 por cento e BANCO DO BRASIL teve alta de 2,87 por cento. Nesta semana, Santander e Bradesco divulgam seus resultados referentes ao primeiro trimestre deste ano. (Por Flavia Bohone, da Reuters).