Dólar cai 0,28% e fecha no menor valor em três meses, a R$ 3,117

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

07/02/2017

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,1166 (compra) 3,1172 (venda) -0,28% (variação)

Dólar Turismo:2,9700 (compra) 3,2800 (venda) +0,31% (variação)

Euro Comercial: 3,3381 (compra) 3,3400(venda) -0,28 (variação)

Libra: 3,9056 (compra) 3,9084 (venda) +0,57% (variação)

Guarani: 1.760 (compra) 1.820 (venda)

(Fonte: Uol e Cambios Chaco – fechado às 17h10)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em +0,27% (64.165,21) nesta terça-feira.

(Fonte: Uol)

 

Commodities

Soja: 68,50(BA) 64,40 (GO) 64,80(MG) 61,50(MS) 58,30(MT) 67,19(PR) 65,10(RS)  69,33(SC) 69,46(SP)

Milho: 44,33(BA) 30,50(GO) 34,70 (MG) 25,39 (MS) 23,40 (MT) 26,56(PR) 27,53 (RS) 32,22(SC) 32,78(SP)

Algodão: 99,40(BA) 63,99 (GO) 91,34 (MG) 70,00(MS) 87,51(MT)

Arroz: 50,00(BA) 68,00(MT) 59,50(PR) 48,99(RS) 58,26(SP)

Feijão: 179,00(BA) 129,59(PR) 195,56(RS) 168,75(SC) 148,50(SP)

Bovinos: 146,69(BA) 134,94 (GO) 136,39(MG) 134,13(MS) 124,46(MT) 148,26(PR) 4,94(RS) 154,93(SC) 148,83(SP)

Aves: 2,70 (MG) 2,65(PR) 2,42(SC) 2,50(SP)

(Fonte: Agrolink – fechado às 17h25)

 

Petróleo (Brent): US$ 54.5000 (-2,25%)

Ouro: US$ 1233,480 a onça-troy (+0,0%)

Prata: US$ 17,714 (+0,01%)

Platina: US$ 1006,600 (-0,29%)

Paládio: US$ 766,000 (-0,04%)

(Fonte Uol – fechado às 17h26)

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 937,00 (2017)

Global 40: +112,32

TR: +0,17%

CDI: +12,88%

SELIC: +13,00% (2/12)

IPCA: +0,30% (Dez/16).

IPC-Fipe: +0,72 (Dez/16)

IGP-M: +0,54 (Dez/16)

INPC: +0,14 (Dez/16)

(Fonte Uol)

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

2017

– Jan/2017: R$ 3,5719

 

2016

– Dezembro/2016: R$ 3,5407

– Novembro/2016: R$ R$ R$ 3,5361

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

(Fonte Sefaz/MS)

 

 

UFERMS

 

2017

– Jan/Fev-2017: R$ 24,43

 

2016

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

(Fonte Sefaz/MS)

 

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

BALANÇA COMERCIAL DE MS

 

– Carta de Conjuntura Junho de 2016 – http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2016/06/Setor-Externo-Junho-2016.pdf

 

Dólar cai 0,28% e fecha no menor

valor em três meses, a R$ 3,117

 

O dólar comercial fechou esta terça-feira (7) em queda de 0,28%, cotado a R$ 3,117 na venda. Na véspera, a moeda norte-americana havia fechado praticamente estável, com leve alta de 0,08%.

Esse é o menor valor de fechamento do dólar desde 25 de outubro do ano passado (R$ 3,107).

A sessão foi marcada por cautela diante da disputa eleitoral na França e na Alemanha, e pela expectativa de entrada de recursos vindos do exterior para o Brasil.

 

Juros nos EUA

Investidores estavam cautelosos em meio às disputas eleitorais na França e na Alemanha. Segundo pesquisas de intenção de votos, a a líder da extrema-direita Marine Le Pen teria a maior votação no primeiro turno na França, mas perderia a disputa no segundo para o candidato independente Emmanuel Macron.

Pesquisa do JPMorgan mostrou que o euro pode cair rapidamente a um nível abaixo de US$ 1 caso Le Pen vença as eleições de maio.

 

Na Alemanha, outra pesquisa apontou que o Partido Social-Democrata venceria os conservadores, da chanceler Angela Merkel, caso as eleições fossem agora.

Entrada de recursos

A expectativa de entrada de recursos no Brasil, no entanto, tem ajudado a puxar o dólar para baixo. Na véspera, a mineradora Vale anunciou a captação de US$ 1 bilhão no mercado externo.

 

Várias empresas vêm captando recursos neste começo de ano, favorecendo a trajetória de queda do dólar em relação ao real.

 

(Com Reuters)

 

Caixa diz que estuda abrir agências

aos fins de semana para saque do FGTS

 

caixa

A Caixa Econômica Federal confirmou nesta terça-feira (7) que “está em estudo” a possibilidade de abrir as agências bancárias aos finais de semana para que os trabalhadores possam sacar o dinheiro das contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

A medida seria uma alternativa para cobrir uma possível sobrecarga nas agências em meio ao programa de demissão voluntária do banco, que pretende cortar até 10 mil cargos.

“Claro que há preocupação [em atender os trabalhadores que sacarão o FGTS]. Nós estamos falando de 30 milhões de brasileiros que podem ir ao banco”, disse o presidente da Caixa, Gilberto Occhi ao jornal “O Estado de S. Paulo”, que antecipou a informação.

Para abrir as agências aos fins de semana, a Caixa precisa de autorização na delegacia do trabalho e acertar entendimento com os sindicatos, de acordo com o jornal.

Calendário de saques

Na semana passada, a Caixa havia informado que o calendário para o saque de contas inativas do FGTS será divulgado ainda na primeira quinzena de fevereiro. Segundo o jornal “Folha de S.Paulo”, a ordem dos saques deve começar em março.

A Caixa Econômica Federal é a gestora do FGTS. Os recursos são usados para financiar obras de habitação, saneamento e infraestrutura de transportes, além de serem investidos em aplicações financeiras. Quando o resultado supera as despesas, o fundo tem lucro.

 

 

Itaú Unibanco eleva lucro no 4º tri,

prevê queda das provisões em 2017

O Itaú Unibanco teve leve alta sequencial do lucro no quarto trimestre, uma vez que conseguiu compensar a queda nos empréstimos com menores despesas administrativas e com provisões para calotes, além de maiores receitas com recuperação de crédito, e melhores resultados de tesouraria.

O maior banco privado do país por ativos anunciou nesta terça-feira (7) que seu lucro recorrente atingiu R$ 5,817 bilhões no período, alta de 4% sobre o trimestre anterior e de 1,8% contra mesmo período do ano anterior.

Em termos líquidos, o lucro de outubro a dezembro somou R$ 5,543 bilhões, alta sequencial de 2,8% e queda de 2,7% na comparação ano a ano.

O número refletiu principalmente a provisão para perdas com calotes, líquido das recuperação de crédito, que caiu 7,8% ante o trimestre anterior, a R$ 4,82 bilhões. Além de ter feito provisões menores, o banco também conseguiu maiores receitas de recuperação de créditos já baixados a prejuízo.

No fim de 2016, o índice de inadimplência acima de 90 dias era de 3,4%, recuo de 0,5 ponto ante o trimestre anterior e alta de 0,2 ponto sobre o final do ano anterior. A forte queda na base sequencial refletiu em parte o efeito de uma grande empresa, que fez o índice dar um pico no trimestre anterior.

Já a despesa não decorrente de juros, que inclui pagamento de salários, caiu 3,6% na base sequencial e ficou praticamente estável ano a ano, a R$ 11,9 bilhões.

Na outra ponta, as receitas de prestação de serviços subiram 2% sobre o terceiro trimestre e 1,36% ano a ano, para R$ 7,98 bilhões.

A carteira de crédito do Itaú Unibanco voltou a registrar retração, refletindo a economia do país em recessão. No fim de 2016, o estoque de financiamentos da instituição, incluindo avais e fianças, somava R$ 562 bilhões, queda de 1% em três meses e de 11,5% sobre o fim de 2015.

O movimento refletiu sobretudo a queda anual de 17,3% na carteira para grandes empresas e de 14,9% das operações latinoamericanas, estas refletindo a queda do dólar.