Bovespa sobe 1,8%; dólar opera em alta, vendido perto de R$ 3,36

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Moedas

Dólar Comercial: 3,3583 (compra) 3,3594 (venda) +0,22% (variação)

Dólar Turismo: 3,1900 (compra) 3,5200 (venda) 0,0% (variação)

Euro Comercial: 3,5591(compra) 3,5610 (venda) +0,03% (variação)

Libra: 4,1688 (compra) 4,1723(venda) -0,41% (variação)

Guarani: 1.650 (compra) 1.710 (venda)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em +1,68% ( 62.095,43) nesta terça-feira.

 

Commodities

Soja: 69,00(BA) 69,32(GO) 72,80(MG) 66,81(MS) 66,41(MT) 67,09(PR) 68,55(RS)  69,73(SC) 71,76(SP)

Milho: 45,33(BA) 35,83(GO) 40,67(MG) 28,67(MS) 26,84(MT) 30,66(PR) 39,08(RS) 37,88(SC) 33,80(SP)

Algodão: 85,40(BA) 670,,(GO) 84,50(MG) 68,00(MS) 79,77(MT)

Arroz: 50,00(BA) 68,00(MT) 70,04(PR) 48,65(RS) 60,88(SP)

Feijão: 215,83(BA) 225,70(PR) 213,17(RS) 202,20(SC) 168,53(SP)

 

Bovinos: 152,34(BA) 141,28(GO) 145,88(MG) 139,75(MS) 127,85(MT) 150,78(PR) 4,87(RS) 157,61(SC) 150,46(SP)

Aves: 3,30(MG) 2,92(PR) 2,42(SC) 3,10(SP)

 

Petróleo (Brent): US$ 45,550 (+0,95%)

Ouro: US$ 1208,720 a onça-troy (-0,01%)

Prata: US$ 16,650 (+0,16%)

Platina: US$ 941,500 (+0,35%)

Paládio: US$ 747,030 (+0,02%)

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 880,00 (2016)

Global 40: +112,32

TR: +0,19%

CDI: +13,88%

SELIC: +14,00% (20/10)

IPCA: +0,26% (Out/16).

IPC-Fipe: +0,27 (Out/16)

IGP-M: +0,16 (Out/16)

INPC: +0,17 (Out/16)

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

 

UFERMS

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

BALANÇA COMERCIAL DE MS

 

– Carta de Conjuntura Junho de 2016 – http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2016/06/Setor-Externo-Junho-2016.pdf

Aumento da renda dos mais pobres não garantiu redução da desigualdade social

A conclusão é do Radar IDHM, índice que compara as tendências de crescimento dos indicadores sociais na década de 2000 a 2010 e no período de 2011 a 2014. O estudo, lançado hoje (22) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro, aponta que o Índice de Gini, que mede o nível de desigualdade, teve uma redução 0,6% de 2000 a 2010, mesma proporção identificada para o período de  2011 a 2014. O valor foi considerado inexpressivo pelos especialistas.

Diminuição da pobreza extrema

Por outro lado, a pesquisa mostra que entre 2011 e 2014 a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita inferior a 255 reais diminui 9,3% por ano, enquanto que de 2000 a 2010 o decréscimo anual foi de 3,9%. A redução foi ainda maior no grupo de pessoas com renda inferior a 70 reais, faixa que apresentou decréscimo anual de 14 % entre 2011 e 2014, contra o índice de 6,5% anual entre os anos de 2000 e 2010.

Segundo Marco Aurélio da Costa, coordenador de estudos territoriais urbanos do IPEA, o Brasil chegou a um índice de pobreza extrema residual, equivalente ao índice identificado em países desenvolvidos.

As políticas de transferência de renda e de valorização do salário mínimo, no entanto, não foram suficientes para mudar de forma significativa a distância dos mais pobres para os mais ricos. As projeções mostram que a desigualdade no Brasil é tão intensa que, mesmo quando a renda do pobre cresce o dobro em relação ao crescimento dos rendimentos dos mais ricos, o impacto na desigualdade ainda não é imediato.

“A desigualdade continua sendo um desafio para o Brasil. A gente consegue aliviar a pobreza, tirar as pessoas da situação de extrema pobreza, mas as pessoas que ganham mais continuam ganhando mais ainda. Então, o fosso da desigualdade continua numa tendência bastante estável”, explica Andréa Bolzon, coordenadora do relatório de Desenvolvimento Humano Nacional do Pnud no Brasil.

O estudo não traz detalhes sobre as causas das mudanças nos indicadores sociais, mas para o Pnud, a desigualdade leva em consideração não somente a diferença de renda, mas também disparidades territoriais, de gênero e raça. “Para diminuir desigualdade é um outro conjunto de políticas. Você tem que baixar grandes fortunas, taxar heranças, quer dizer, são outras políticas que poderiam ser implementadas e discutidas pela sociedade”, avalia Andréa.

Ajustes fiscais

Os especialistas do Ipea e do Pnud não acreditam que a desigualdade possa aumentar com a atual crise econômica, mas alertam que as políticas que têm sido debatidas para conter os gastos públicos devem ser pautadas junto com a preocupação em torno da desigualdade. “Diferentes estudos mostram que viver em uma sociedade desigual é ruim pra todo mundo. É ruim pra quem está nos extratos mais vulneráveis e é ruim para as outras pessoas também. Tem um estado de desconforto, uma sociedade muito desigual, é uma sociedade doente. A gente entende a necessidade de fazer ajuste fiscal, de ser responsável com as contas públicas, mas é preciso que o olhar sobre as pessoas mais vulneráveis e extremamente pobres não seja perdido em nenhum momento. A gente não pode só pensar em resolver contas sem ter em consideração as pessoas”, alerta.

Os especialistas ainda não sabem qual será o impacto da atual crise econômica sobre outros indicadores sociais. Mas eles reconhecem que certamente o quadro pode mudar. “A gente achou que de 2011 a 2014 já haveria algum tipo de desaceleração ou queda da renda das pessoas, e não teve. Mas, agora a gente acha que vai ter um impacto”, avalia Andréa. “É possível que um conjunto de políticas restritivas, de ajuste fiscal gere algum tipo de impacto. Mas é possível também que essas mesmas medidas gerem algum tipo de ambiente econômico favorável e afete a renda de uma outra forma”, pondera Marcos.

Agência Brasil

Com repatriação, governo terá R$ 16,2 bi para cobrir gastos

O governo contará com uma margem fiscal de R$ 16,2 bilhões nos últimos dois meses do ano, graças à receita extra garantida pelo programa de regularização de bens e ativos no exterior, conhecido como repatriação. Segundo o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo de Oliveira, ainda não foi definido como será usado esse valor.

“Ainda estamos discutindo a alocação, não há uma definição. A nossa prioridade é a redução de restos a pagar”, disse o ministro em coletiva de imprensa para divulgação do Relatório de Receitas e Despesas do 5º Bimestre. Segundo Oliveira, há um estoque de R$ 180 bilhões em restos a pagar a serem saldados pela União.

“Constitui uma obrigação da União. São despesas já empenhadas, projetos já iniciados”, informou. O ministro do Planejamento frisou, contudo, que apesar da intenção de priorizar essa amortização, a destinação final dos recursos da folga orçamentária só será conhecida após a publicação do decreto que consolida o relatório, que sairá até 30 de novembro.

Os R$ 16,2 bilhões já descontam a atualização da previsão de receitas e despesas, transferências a estados e municípios e depósito judicial para cumprir possível decisão final do Supremo Tribunal Federal (STF) a favor da divisão da multa da repatriação (a princípio, o governo dividiria apenas os recursos do Imposto de Renda, mas alguns estados obtiveram liminares para ter acesso à multa).

Gasto de brasileiro no exterior sobe 41,8% em outubro, no 3º mês de alta

gastoOs brasileiros gastaram US$ 1,421 bilhão em viagens internacionais em outubro, alta de 41,8% em relação a outubro do ano passado (US$ 1,002 bilhão). Foi o terceiro mês seguido de alta.

O aumento foi influenciado pela queda do dólar no mês, que fez com que as passagens aéreas e os gastos no exterior ficassem mais baratos e, portanto, mais atrativos para o brasileiro. A moeda norte-americana se desvalorizou 1,9% em outubro.

No acumulado do ano, porém, os gastos no exterior foram de US$ 11,9 bilhões, queda de 21,4% em relação ao mesmo período do ano passado (US$ 15,14 bilhões).

Os números são do Banco Central (BC) e foram divulgados nesta terça-feira (22).

Na comparação com o resultado de setembro (US$ 1,294 bilhão), os gastos subiram 9,81%.

Faturamento das PMEs de São Paulo cai 12,5% até setembro

A receita real, já descontada a inflação, das micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas caiu 10,1% em setembro diante do mesmo mês de 2015. Foi a 21ª queda seguida no faturamento e reflete o nível fraco de consumo interno, que tem impactado negativamente o resultado das MPEs. No entanto, o tamanho da queda em setembro foi menor do que em agosto (-10,6%) que, por sua vez, foi menor que a de julho (-12,7%).

No acumulado do ano, os pequenos negócios viram o faturamento encolher 12,5% ante janeiro a setembro do ano passado. A confiança de que tanto o faturamento quanto a economia vão melhorar se mantém em trajetória de alta. Os dados são da pesquisa Indicadores Sebrae-SP.

Em setembro, a receita total do conjunto das MPEs do Estado de São Paulo foi de R$ 48,4 bilhões, R$ 5,4 bilhões a menos do que em setembro de 2015.

Na mesma comparação, a indústria apresentou queda de 18,6% no faturamento, relativamente mais acentuada no confronto com os outros setores. Nos serviços, a redução de receita foi de 11% e no comércio, de 6,6%.

As MPEs do interior tiveram uma queda mais acentuada na receita, de 15,6%; no Grande ABC a queda foi de 8,2%; na região metropolitana de São Paulo a diminuição ficou em 4,4% e na capital a receita ficou 1,8% menor em setembro de 2016 em relação a um ano antes. A queda ocorrida no interior foi maior ante a das outras regiões porque a base de comparação era forte, já que a receita havia caído menos em setembro de 2015 sobre setembro de 2014 nessa região.

“O desempenho dos pequenos negócios ainda reflete o momento difícil pelo qual passamos, mas o importante agora é o fato de o ritmo de queda no faturamento ter diminuído. Além disso, os donos de pequenos negócios vem registrando, há seis meses, aumento do otimismo com relação à sua atividade e da economia, certamente pautados na visível mudança de rumos da política macroeconômica. São indicadores significativos para a retomada da confiança e do fôlego para investir e em 2017”, afirma o presidente do Sebrae-SP, Paulo Skaf.