Bovespa fecha em queda de 1,77%; Petrobras tomba mais de 5%

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

14/03/2017

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,1687(compra) 3,1693 (venda) +0,54% (variação)

Dólar Turismo: 3,0100 (compra) 3,3300 (venda) +0,60% (variação)

Euro Comercial: 3,3573 (compra) 3,3604 (venda) -0,01 (variação)

Libra: 3,8468 (compra) 3,8499 (venda) -0,10% (variação)

Guarani: 1.650(compra) 1.730(venda)

(Fonte: Uol e Cambios Chaco – fechado às 23h00)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em -1,27% (64.699,46) nesta terça-feira.

(Fonte: Uol)

 

Commodities

Petróleo (Brent): US$ 48,910 (0,0%)

Ouro: US$ 1199,700 a onça-troy (-0,03%)

Prata: US$ 16,930 (+0,05%)

Platina: US$ 942,000 (+0,37%)

Paládio: US$ 746,000 (+0,06%)

(Fonte Uol – fechado às 23h00)

 

uol-agricola-140317

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Extraído do UOL, em 14/03/17

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 937,00 (2017)

Global 40: +112,32

TR: +0,15%

CDI: +12,13%

SELIC: +12,25%

(Fonte: Uol)

 

Inflação

IPCA: +0,33% (Fev/17).

IPC-Fipe: +0,08(Fev/17)

IGP-M: +0,08(Fev/17)

INPC: +0,24 (Jan/17)

(Fonte Uol)
Unidades de referência de MS

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

 

2017

– Jan/2017: R$ 3,5719

– Fev/2017: R$ 3,5425

– Mar/2017: R$ 3,5872

 

2016

– Dezembro/2016: R$ 3,5407

– Novembro/2016: R$ R$ R$ 3,5361

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

(Fonte Sefaz/MS)

 

UFERMS

 

2017

– Jan/Fev-2017: R$ 24,43

– Mar/Abr-2017: R$ 24,74

 

2016

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

(Fonte Sefaz/MS)

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

 

embraer
Os escritórios no Vale do Silício e em Boston também darão à Embraer acesso melhor a pesquisadores e instituições de pesquisa de universidades. (Foto: Divulgação).

Embraer vai abrir operação no

Vale do Silício de olho em inovação

A Embraer, terceira maior fabricante de aviões comerciais do mundo, anunciou nesta terça-feira que vai estabelecer equipes no Vale do Silício e em Boston, nos Estados Unidos, para colaboração com empresas de tecnologia iniciantes, investidores e acadêmicos.

A companhia brasileira também está reforçando operações em Melbourne, Flórida, onde produz jatos executivos e que vai agora contribuir diretamente com departamentos de engenharia no Brasil.

Antonio Campello, diretor de inovação da Embraer, citou tecnologias como inteligência artificial, robótica, realidade virtual e veículos autônomos ao citar o foco do programa que tem como objetivo “transformar o transporte aéreo global”.

A Embraer não é a primeira fabricante de aviões a buscar novas ideias e talentos no centro de tecnologia dos EUA.

Em 2015, a Airbus contratou um ex-executivo do Google para dirigir um centro de inovação no Vale do Silício e criou um fundo de 150 milhões de dólares.

Os escritórios no Vale do Silício e em Boston também darão à Embraer acesso melhor a pesquisadores e instituições de pesquisa de universidades como Stanford, Harvard e Massachusetts Institute of Technology, as três universidades mais inovadoras do mundo segundo um ranking global compilado pela Reuters. (Da Reuters).

 

Ibovespa cai 1,3% com cautela antes

de decisão de juros do Fed e cena política

O principal índice da bolsa paulista fechou em queda nesta terça-feira, com a cautela prevalecendo na véspera da decisão do Federal Reserve sobre os juros norte-americanos e diante da cena política local.

As ações da Petrobras ficaram entre as maiores pressões negativas e fecharam em mínimas em cerca de seis meses, pressionadas pelo recuo nos preços internacionais do petróleo.

O Ibovespa caiu 1,27 por cento, a 64.699 pontos. O volume financeiro somou 7,18 bilhões de reais.

Localmente, os receios políticos voltaram a rondar os negócios em meio a mais um capítulo envolvendo as delações de executivos da Odebrecht. Por volta do fechamento do pregão, a Procuradoria-Geral da República entregou 83 pedidos de abertura de inquérito baseados nos acordos de delação premiada de mais de 77 executivos da empresa com a operação Lava Jato.

Nos Estados Unidos, a alta de juros na quarta-feira é tida praticamente como certa entre participantes do mercado, com a expectativa agora se voltando para o ritmo de altas à frente.

Acontecimentos na Europa também pesaram, com investidores de olho no andamento do processo para o Reino Unido deixar a União Europeia, o chamado Brexit, após a primeira-ministra britânica conquistar o direito de dar início ao processo de desfiliação do país do bloco e iniciar dois anos de conversas que irão moldar o futuro do Reino Unido e da Europa. (Flavia Bohone, da Reuters).

 

Dólar sobe e encosta em R$3,17, atento

à cena política e à espera do Fed

O dólar fechou a terça-feira em alta, encostando no patamar de 3,17 reais, com os investidores à espera do encontro de política monetária do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, quando se espera que as taxas de juros do país sejam elevadas.

Do lado doméstico, predominou a expectativa pela lista que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve entregar nesta semana ao Supremo Tribunal Federal (STF) com pedidos de abertura de inquéritos para investigar políticos citados em depoimentos de delatores da Odebrecht.

O dólar avançou 0,54 por cento, a 3,1693 reais na venda, depois bater 3,1828 reais na máxima do dia. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,50 por cento no final da tarde.

“O processo político doméstico causa alguma apreensão e pode amplificar (a reação do mercado a) alguma decisão diferente do Fed amanhã”, afirmou o diretor da mesa de câmbio da corretora Multi-Money, Durval Correa.

O mercado acredita amplamente que o banco central norte-americano vai aumentar a taxa de juros pela primeira vez este ano no encontro que termina no dia seguinte. O que gerava expectativa nos investidores era a sinalização que o Fed dará para os próximos passos daqui para a frente.

De modo geral, espera-se três altas de juros este ano pelo Fed e, qualquer sinal de que pode ser mais agressivo no aperto monetário, pode levar a novo ajuste no câmbio.

O Fed divulga sua decisão nesta quarta-feira as 15:00 (horário de Brasília), com entrevista coletiva da chair Janet Yellen em seguida.

No exterior, o dólar subia ante uma cesta de moedas influenciado não só pela expectativa pelo Fed como também pelos riscos políticos das eleições holandesas e francesas, além da saída da Grã-Bretanha da União Europeia (UE) pesando sobre as moedas europeias. (Por Claudia Violante, da Reuters).