Bolsa sobe após quedas; Petrobras, Vale e Itaú saltam mais de 4%

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

03/08/2016

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,2402 (compra) 3,2408 (venda) -0,77% (variação)

Dólar Turismo: 3,2200 (compra) 3,4200 (venda) -1,87% (variação)

Euro Comercial: 3,6077(compra) 3,6124 (venda) -1,24% (variação)

Libra: 4,3172 (compra) 4,3225 (venda) -0,70% (variação)

Guarani: 1.635 (compra) 1.680 (venda)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em +1,63% (57.076,91) nesta quarta-feira.

 

Commodities

Soja: 70,00(BA) 71,50(GO) 74,96(MG) 70,63(MS) 70,01(MT) 71,71(PR) 69,92(RS)  73,64(SC) 73,56(SP)

Milho: 59,00(BA) 43,79(GO) 48,05(MG) 37,17(MS) 30,24(MT) 36,59(PR) 43,55(RS) 43,92(SC) 41,60(SP)

Algodão: 84,63(BA) 62,66(GO) 87,27(MG) 68,00(MS) 82,08(MT)

Arroz: 50,00(BA) 41,00(MT) 64,93(PR) 50,32(RS) 57,41(SP)

Feijão: 423,33(BA) 216,71(PR) 202,71(RS) 206,36(SC) 454,31(SP)

 

Bovinos: 146,69(BA) 139,55(GO) 138,77(MG) 139,00(MS) 128,29(MT) 148,55(PR) 5,44(RS) 151,08(SC) 153,66(SP)

Aves: 3,10(MG) 2,91(PR) 2,44(SC) 2,95(SP)

 

Petróleo (Brent): US$ 40,060 (0,0%)

Ouro: US$ 1355,760 a onça-troy (+0,03%)

Prata: US$ 20,410 (+0,10%)

Platina: US$ 1162,600 (-0,38%)

Paládio: US$ 713,000 (-0,35%)

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 880,00 (2016)

Global 40: +112,32

TR: +0,22%

CDI: +14,13%

SELIC: +14,25% (20/07)

IPCA: +0,35% (junho/16).

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

 

UFERMS

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

BALANÇA COMERCIAL DE MS

 

– Carta de Conjuntura Junho de 2016 – http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2016/06/Setor-Externo-Junho-2016.pdf

 

 

Meirelles diz que economia tem dado sinais de recuperação

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje (3) que a economia brasileira tem mostrado claros sinais de recuperação nos últimos meses, ao comentar as projeções do mercado financeiro que estimam um crescimento entre 0,5% e 2% da economia nacional em 2017, apesar da queda de até 3% esperada para este ano. Segundo Meirelles, a previsão do governo para o ano que vem é de alta de 1,2%.

O ministro citou a recuperação da atividade industrial, que alcançou a sexta alta seguida em junho, com crescimento de 2,1% e a retomada do nível de confiança na economia para justificar seu otimismo. Segundo ele, a crise que país atravessa por causa da queda de confiança dos investidores no longo prazo está sendo revertida com as medidas tomadas pelo governo interino.

“Nos últimos meses, tivemos a consolidação da recuperação da atividade industrial. Apesar de o indicador estar em queda em relação ao ano passado, está em franca recuperação”, comparou Meireilles durante evento do Bradesco no Rio.

O governo, segundo ministro, espera uma retomada do consumo para compensar perdas na arrecadação na última década e considera não aumentar impostos.

“Basta parar essa queda, com a recuperação da atividade e da confiança, e basta subir um pouquinho a arrecadação tributária, além de um crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] maior do que se previa, certamente poderemos ter uma recuperação tributária que não torne necessário um aumento de imposto”, disse. No entanto, Meirelles diz que precisa de um mês para bater o martelo sobre o assunto.

À plateia de investidores e políticos, o ministro da Fazenda também fez apostas para o mercado de trabalho e disse que o novo cenário da economia alavancará a geração de empregos. Segundo ele, há 10 milhões de pessoas buscando vagas no país.

Limite de gastos públicos

Meirelles voltou a defender a proposta de emenda à Constituição PEC) que limita os gastos públicos para as despesas primárias nos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário à variação da inflação do ano anterior. Segundo ele, as despesas de governos têm crescido muito acima desse limite, em descompasso com a arrecadação.

Na tramitação do projeto na Câmara, de acordo com o ministro da Fazenda, o governo federal não abrirá mão da fixação de um teto de gastos para estados e municípios, nos mesmos moldes da União, em troca do projeto de renegociação de dívidas. A questão dos salários e reajustes de servidores, que gerou polêmica, não entrará em discussão da medida.

“As despesas públicas no Brasil têm crescido muito acima da inflação no Brasil. Apenas de 2007 e 2015, as despesas públicas federais cresceram 50 acima da inflação, portanto, para equilibrar a eufonia brasileira para o país voltar a crescer, é importante que estabelecemos esse controle. Aí, as consequências serão [primeiro] a queda das despesas em relação ao PIB; segundo, uma trajetória menor de crescimento da dividia [pública] e até queda; e terceiro, a taxa de juros pode começar a cair à medida que cai o risco fiscal e inflacionário.”

Rio 2016

Em relação à Olimpíada Rio 2016, Meirelles confirmou que não haverá novos aportes ao estado nem à cidade do Rio de Janeiro. “A ajuda adicional já foi discutida, já foi aprovada e entregue”, disse, lembrando a liberação de R$ 2,9 bilhões ao estado e mais um empréstimo à prefeitura, por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). (Isabela Vieira, da Agência Brasil).

 

Entrada de dólares no país supera saída em US$ 1,29 bi em julho

Depois de dois meses seguidos de mais saídas do que entradas de dólares do país, o saldo do fluxo cambial ficou positivo em julho. No mês passado, mais dólares entraram do que saíram do país, com saldo positivo de US$ 1,297 bilhão, de acordo com dados do Banco Central (BC), divulgados hoje (3).

O resultado positivo veio do segmento comercial (operações de câmbio relacionadas a exportações e importações), com US$ 4,092 bilhões. Já o fluxo financeiro (investimentos em títulos, remessas de lucros e dividendos ao exterior e investimento direto no país, entre outras operações) ficou negativo em US$ 2,794 bilhões.

De janeiro a julho, o fluxo cambial ficou negativo em US$ 9,111 bilhões, com US$ 38,613 bilhões de saldo negativo do segmento financeiro e US$ 29,502 bilhões de saldo positivo do fluxo comercial. (Kelly Oliveira, da Agência Brasil).

 

 Preços das commodities caem 5,71% de junho para julho

Os preços das commodities, produtos primários com cotação internacional, apresentaram queda de 5,71%, em julho, comparado ao mês anterior. É o que mostra o Índice de Commodities Brasil (IC-Br), calculado mensalmente pelo Banco Central (BC). No acumulado do ano, a queda ficou em 10,07%. Em 12 meses encerrados em julho, no entanto, o índice apresentou alta de 0,33%.

O IC-Br é calculado com base na variação em reais dos preços de produtos primários (commodities) brasileiros negociados no exterior. O BC observa os produtos que são relevantes para a dinâmica dos preços ao consumidor no Brasil.

No mês passado, as commodities do segmento agropecuário (carne de boi, algodão, óleo de soja, trigo, açúcar, milho, café, arroz e carne de porco) tiveram queda de 6,84%. Os preços das commodities do segmento de energia (petróleo, gás natural e carvão) caíram 7,57%. No caso de metais (alumínio, minério de ferro, cobre, estanho, zinco, chumbo e níquel), houve alta de 0,88%.

O índice internacional de preços de commodities CRB, calculado pelo Commodity Research Bureau, registrou queda de 5,51%, em julho, e alta de 0,54%, em 12 meses. (Kelly Oliveira, da Agência Brasil).

 

 Vale busca até US$10 bi com venda de produção futura de minério, dizem fontes

A mineradora Vale avalia levantar até 10 bilhões de dólares com a venda de até 3 por cento de sua produção futura de minério de ferro, disseram duas fontes com conhecimento direto do assunto.

Sob os termos do acordo, a maior produtora global de minério de ferro poderá receber pagamentos adiantados por um fluxo de produção futura para empresas chinesas, cujos nomes as fontes não revelaram.

A ideia é fechar contrato para venda de parte da produção por um período de até 30 anos, disseram as fontes, que pediram anonimato porque a negociação ainda é privada.

A negociação está incluída entre as alternativas que o presidente-executivo da Vale, Murilo Ferreira, avalia para reduzir a dívida líquida da companhia, que somou cerca de 27,5 bilhões de dólares em 30 de junho. No início do ano, ele afirmou que a empresa considerava a venda de ativos essenciais para reduzir sua dívida líquida em 10 bilhões de dólares.

Os contratos de venda de fluxo de produção permitem que as mineradoras levantem recursos em tempos de preços baixos, garantindo receita sem se desfazer do controle de suas minas.

Outras mineradoras, como Glencore e a Barrick Gold, já realizaram tais acordos, em momento em que se esforçam para reduzir custos visando enfrentar efeitos da desaceleração da economia chinesa e um declínio no preço das commodities.

Os preços do minério de ferro atingiram o menor nível em 10 anos em meados de dezembro.

A Vale planeja produzir cerca de 340 milhões de toneladas de minério de ferro em 2016, ante produção de 346 milhões no ano passado. As vendas de minerais ferrosos da companhia renderam 16,8 bilhões de dólares em 2015.   Continuação. (Por Tatiana Bautzer, da Reuters).

 

indicadores-brasilpar-1