Bolsa fecha em alta de 0,86%; Petrobras salta 5% e BB sobe 3%

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

22/03/2017

 

Moedas

Dólar Comercial: 3,0951 (compra) 3,0957 (venda) +0,18% (variação)

Dólar Turismo: 2,9300 (compra) 3,2400 (venda) -0,61% (variação)

Euro Comercial: 3,3273 (compra) 3,3291 (venda) -0,38(variação)

Libra: 3,8519 (compra) 3,8544 (venda) -0,07% (variação)

Guarani: 1.710 (compra) 1.790(venda)

(Fonte: Uol e Cambios Chaco – fechado às 23h00)

 

Bolsa

Índice Bovespa fechou em +0,86% (63.521,34) nesta quarta-feira.

(Fonte: Uol)

 

Commodities

WhatsApp Image 2017-03-23 at 10.15.41 (1)
Fonte: Agrolink

 

Petróleo (Brent): US$ 49,470(0,0%)

Ouro: US$ 1245,890 a onça-troy (-0,01%)

Prata: US$ 17,560 (+0,13%)

Platina: US$ 964,500 (+0,09%)

Paládio: US$ 790,250 (-0,16%)

(Fonte Uol – fechado às 23h00)

 

WhatsApp Image 2017-03-23 at 10.15.41
Fonte: Uol

 

Índices

Salário Mínimo: R$ 937,00 (2017)

Global 40: +112,32

TR: +0,10%

CDI: +12,13%

SELIC: +12,25%

(Fonte: Uol)

 

Inflação

IPCA: +0,33% (Fev/17).

IPC-Fipe: +0,08(Fev/17)

IGP-M: +0,08(Fev/17)

INPC: +0,24 (Fev/17)

(Fonte Uol)
Unidades de referência de MS

 

UAM-MS (Unidade de Atualização Monetária de MS)

 

2017

– Mar/2017: R$ 3,5872

– Fev/2017: R$ 3,5425

– Jan/2017: R$ 3,5719

 

2016

– Dezembro/2016: R$ 3,5407

– Novembro/2016: R$ R$ R$ 3,5361

– Outubro/2016: R$ R$ R$ 3,5350

– Setembro/2016: R$ R$ 3,5199

– Agosto/2016: R$ 3,5337

– Julho/2016: R$ 3,4770

– Junho/2016: 3,4381

– Maio/2016: R$ 3,4258

– Abr/2016: R$ 3,4111

– Mar/2016: R$ 3,3844

– Fev/2016: R$ 3,3334

– Jan/2016: R$ 3,3188

(Fonte Sefaz/MS)

 

UFERMS

 

2017

– Jan/Fev-2017: R$ 24,43

– Mar/Abr-2017: R$ 24,74

 

2016

– Dez/2016: R$ 24,39

– Out/2016: R$ 24,28

– Ago/2016: R$ 23,99

– Jun/2016: R$ 23,63

– Abr/2016: R$ 23,35

– Fev/2016: R$ 22,90

(Fonte Sefaz/MS)

 

ESTATÍSTICAS DA ECONOMIA AGRÍCOLA ANO BASE 2015

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Pasta%20de%20Dezembro%20-%202015.pdf

 

 

Ferrovia
O embaixador do Brasil na Bolívia, Raymundo Santos, disse que as negociações continuarão. (Foto: Divulgação).

Empresas alemãs estão interessadas

na construção de ferrovia na América do Sul

Dezenas de empresas alemãs participaram de reuniões na Bolívia nesta semana para discutir a construção de uma linha ferroviária de costa a costa por Brasil, Bolívia e Peru que poderia acelerar a exportação de milho e soja para a Ásia, disseram autoridades bolivianas e alemãs nesta quarta-feira.

O projeto de 10 bilhões de dólares envolveria a construção de uma linha ferroviária de 3.700 quilômetros pelo continente, ligando os oceanos Atlântico e Pacífico, através de montanhas e selvas.

“Este é o projeto do século”, disse o secretário de Transportes, Construção e Desenvolvimento Urbano da Alemanha, Rainer Bomba.

Representantes de Brasil, Peru, Paraguai, Uruguai e Bolívia, e também da Alemanha e da Suíça ainda estão estudando a viabilidade da rota do trem, o que reduziria drasticamente as rotas marítimas da costa brasileira para os mercados asiáticos de commodities-chave.

As discussões, na terça e quarta-feira, acontecem depois que um projeto similar, liderado por chineses, para a construção de uma ferrovia trans-sul-americana encontrou dificuldades no final do ano passado devido a preocupações ambientais e de custo.

Autoridades da Bolívia e da Alemanha não mencionaram as empresas que participaram das reuniões, mas Bomba disse: “A presença de 40 empresas alemãs aqui demonstra que a Alemanha não está apenas na fase de planejamento, mas também na fase de realização”.

O embaixador do Brasil na Bolívia, Raymundo Santos, disse que as negociações continuarão.

“Nossa delegação confirmou o interesse do Brasil em participar”, afirmou. “O lado político está resolvido, mas agora o trabalho técnico tem que seguir em frente.” (Por Daniel Ramos, da Reuters).

 

Bovespa fecha em alta de 0,86% com destaque

para ganhos de Petrobras e BM&FBovespa

O principal índice da bolsa paulista fechou em alta nesta quarta-feira, com as ações da Petrobras e da BM&FBovespa entre as principais influências positivas, enquanto persistia a cautela com o cenário político local.

O Ibovespa subiu 0,86 por cento, a 63.521 pontos. O giro financeiro somou de 9,15 bilhões de reais.

O índice trocou de sinal algumas vezes, subindo 1,22 por cento na máxima e caindo e 0,77 por cento no pior momento do dia, tendo a cena política como motivo de cautela em meio ao recuo do governo em relação à proposta de reforma da Previdência e à espera da divulgação do contingenciamento de gastos públicos.

“O lado político ainda não está tranquilo e a bolsa reflete isso”, disse o gerente de renda variável da H.Commcor Ari Santos.

Na véspera, o presidente Michel Temer anunciou que somente os servidores públicos federais serão atingidos pelas mudanças na proposta de reforma da Previdência, deixando de fora servidores estaduais e municípios, na tentativa de facilitar a tramitação da medida no Congresso.

O mercado também espera uma definição sobre o contingenciamento de gastos. Na terça-feira, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou que o corte seria de 30 bilhões a 35 bilhões de reais. Mas duas fontes confirmaram à Reuters nesta quarta-feira que o corte deve chegar a 58,2 bilhões de reais.

Neste pregão, a melhora em Wall Street também ajudou a manter o tom positivo no mercado acionário brasileiro. O S&P 500 fechou em alta de 0,19 por cento, após ter operado no território negativo mais cedo e de cair mais de 1 por cento na véspera. (Por Flavia Bohone, da Reuters).

 

Dólar fecha em alta ante real com preocupações

fiscais após governo mudar reforma da Previdência

O dólar fechou a quarta-feira em leve alta ante o real, com os investidores reagindo à concessão feita pelo governo na reforma da Previdência, que alimentou preocupações de que possa prejudicar o ajuste fiscal do país.

O movimento de alta, no entanto, foi suavizado por fluxo pontual de venda e o recuo da moeda norte-americana no exterior.

O dólar avançou 0,18 por cento, a 3,0957 reais na venda, depois de bater 3,1106 reais na máxima do dia. O dólar futuro subia cerca de 0,20 por cento.

“Ainda é um movimento tímido (do dólar)”, afirmou o diretor da mesa de câmbio da corretora Multi-Money, Durval Correa, acrescentando que, caso mais à frente haja desvirtuamento ainda maior da reforma da Previdência, o cenário pode ser de altas mais intensas da moeda norte-americana.

Na véspera, o presidente Michel Temer anunciou que somente os servidores públicos federais serão atingidos pelas mudanças previstas na reforma da Previdência, deixando de fora servidores estaduais e de municípios, na tentativa de facilitar a tramitação da reforma no Congresso.

Essa reforma é considerada pelos agentes econômicos como fundamental para o país colocar suas contas públicas em ordem e, assim, engatar movimento de crescimento econômico sustentado.

O mercado também continuou monitorando os desdobramentos da operação Carne Fraca, que pode afetar a balança comercial brasileira, já que muitos países anunciaram a interrupção temporária de compras do produto brasileiro.

Nesta manhã, foi a vez da África do Sul, que suspendeu as importações de carnes de estabelecimentos com suspeita de envolvimento em fraudes no Brasil.

O avanço mais forte do dólar, entretanto, acabou atraindo fluxo pontual de venda quando passou o patamar de 3,10 reais. O movimento de alta também foi parcialmente contido nesta sessão pelo mercado externo, onde o dólar caía ante algumas moedas de países emergentes, como o peso mexicano, e também sobre uma cesta de moedas.

O Banco Central brasileiro vendeu integralmente nesta sessão o lote de até 10 mil swaps tradicionais –equivalente à venda futura de dólares –ofertados para rolagem dos contratos de abril. Já foram cinco leilões iguais, que reduziram a 7,211 bilhões de dólares o estoque que vence no mês que vem. (Por Claudia Violante, da Reuters).