Governo e setor produtivo discutem integração para novas estratégias de ação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A divulgação e o compartilhamento de indicadores econômicos reuniu na manhã do dia 26 de janeiro a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico e representantes da área econômica da Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária) e da Fiems (Federação das Indústrias). No encontro foi debatida a importância da integração dos bancos de dados para a formulação de estratégias mais eficientes de ação e gestão.

A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico deu início ao encontro apresentando as ferramentas e os indicadores econômicos catalogados, produzidos e divulgados pela pasta, que abrangem tanto a cadeia produtiva quanto dados sociais. Todas as informações estão à disposição no site: www.semade.ms.gov.br.

Com um completo panorama socioeconômico, o Perfil Estatístico de Mato Grosso do Sul é um deles: conta com dados geográficos e econômicos completos. Também foram apresentadas as Cartas de Conjuntura, publicações mensais que apresentam cotações, avaliações de produção e análises do mercado de trabalho, o Índice de Custo da Cesta Básica Individual e Familiar, que indica as oscilações dos custos por meio do acompanhamento da evolução de preços pesquisados semanalmente e o balanço energético.

A base de informações do Estado conta ainda com o Banco de Dados de Mato Grosso do Sul (BDE/MS), mantido pela Semade. “É composto por um sistema de informações estatísticas dos municípios com mais de meio milhão de dados classificados por grandes temas e assuntos, com caráter periódico e padronizado nas áreas econômica, social, política e administrativa”, explica o economista Daniel Frainer, da Superintendência de Desenvolvimento Econômico da Semade.

Os representantes das federações que representam os setores econômicos do Estado também apresentaram suas pesquisas e bancos de dados e compartilharam informações e sugestões para se aprimorar os dados e sua utilização conjunta, vital para a tomada de decisões tanto do poder público quanto da iniciativa privada.

Serão avaliados projetos conjuntos de coleta de dados em todos os setores, mas especialmente em quatro, que segundo os participantes, podem render informações mais completas e investimentos mais estratégicos: florestas plantadas, suinocultura, avicultura e turismo.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, os dados são uma excelente fonte de pesquisa e de tomada de decisões para os mais diversos setores: indústria, comércio e serviços, educação e imprensa. “A troca de informações técnicas na área econômica é vital para a tomada correta de decisões, tanto no setor privado como na gestão pública. Queremos que nossos dados sejam fonte de consulta precisa”, explica.

Durante a reunião o secretário adjunto de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Ricardo Senna, apontou a importância de estudos mais dinâmicos para apartar gargalos de produção e potenciais produtivos pouco explorados. “Os dados servem como balizadores dos planos de trabalho do governo, assim como direcionam também os investimentos e a confiança dos empreendedores”.

Participaram do encontro os assessores econômicos Adriana Mascarenhas, da Famasul, Regiane Oliveira e Nilde Brum, da Fecomércio, Ezequiel Martins, da Fiems e Eleandres Saldanha, coordenador do Banco de Dados e Estatística da Semade.

Legenda: Reunião discutiu o partilhamento de informações econômicas sobre o Estado

Foto: Divulgação