Projeto de Renato Câmara pode tornar Orquestra Sinfônica de Campo Grande patrimônio cultural

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

A orquestra sinfônica municipal de Campo Grande pode ganhar o reconhecimento como patrimônio cultural imaterial no Estado de Mato Grosso do Sul, conforme proposição apresentada durante a sessão desta quarta-feira, de autoria do deputado Renato Câmara (PMDB).

“Reconhecer a orquestra como patrimônio imaterial tornará a instituição mais sólida e ajudará a buscar financiamento junto aos entes públicos e privados para promover ações em cidades diversas, não sendo apenas concertos, mas também ações educativas e de formação”, justificou o deputado.

De acordo com o coordenador da orquestra, Jardel Vinícius Tartari, o projeto de lei de Renato de Câmara, além de valorizar a cultura e a música sul-mato-grossense, é de fundamental importância para garantir e estimular a continuidade dos trabalhos e das atividades da sinfônica ao longo das próximas décadas. “Éum reconhecimento que de certa forma eterniza a orquestra como patrimônio do Estado, tornando a instituição insolúvel e potencializando o nome para expansão da música sul-mato-grossense”, destacou.

A orquestra sinfônica da Capital, instituída pela Lei Municipal 4.403/2006, tem realizado concertos por todo Estado, inclusive, participou de festivais internacionais na Bolívia, Paraguai, Argentina e Chile. A atuação da orquestra também tem sido de integração e valorização da música regional de Mato Grosso do Sul, por meio de concertos que contam com a viola caipira ou viola brasileira e a viola de cocho.

Além dos espetáculos, a orquestra mantém um permanente programa de incentivo e aperfeiçoamento técnico para jovens músicos, absorvendo promissores talentos da cidade por entender que deve fomentar o cenário musical erudito. Atualmente a Orquestra Sinfônica Municipal é conduzida pelo maestro Eduardo Martinelli. Formado em Violão Erudito pela Faculdade de Música de Santos no ano de 1998, o maestro também desenvolveu seu talento com o violoncelo e violino, além de ter estudado regência de orquestra. Martinelli já conduziu a Orquestra Sinfônica do Projeto Guri de Santos, em São Paulo e foi fundador da Orquestra de Câmara de Itanhaém e da Orquestra Barroca de Mato Grosso do Sul.