No Estado, 380 mil precisam fazer a Prova de Vida do INSS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Em Mato Grosso do Sul, 380 beneficiários não realizaram a Prova de Vida do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) no ano passado, em razão da pandemia da Covid-19, que fechou além do Instituto, as agências bancárias. 

Com isso, foi deliberado pelo Governo Federal a suspensão da exigência da prova de vida.

“Não houve prejuízo algum, apenas a postergação da Prova de Vida. Entretanto, ela voltou à obrigatoriedade e as pessoas precisam fazer a prova dentro do calendário proposto ”, afirma a advogada previdenciarista e coordenadora regional do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), Juliane Penteado.

A realização do procedimento é importante para que o seguro continue recebendo o benefício, e não realizar a Prova pode acarretar prejuízo. 

“Essa é uma forma de o estado controlar como pessoas que já morreram e evitar, porventura, alguma fraude, como o recebimento do benefício por parte do dependente ou familiar, mesmo depois da morte do beneficiário”, explica a advogada.

Para evitar a aglomeração, prevenindo doenças da Covid-19, o INSS montou um calendário que deve ser seguido de forma obrigatória. 

A Prova deve ser realizada por todos que recebem benefícios do INSS e pode ser feita no banco de recebimento do benefício, ou por biometria facial no celular.

Para esta opção é preciso que o seguro veja se já está disponível a biometria facial, acessando o aplicativo Meu gov.br, no aplicativo Meu INSS, ou até mesmo no site disponibilizado pelo Governo. 

Quem não pode ir ao banco por dificuldades de locomoção ou doença, pode fazer por meio da biometria ou através de um procurador, desde que a procuração seja cadastrada no INSS.