Crise hídrica pode impactar a inflação e o PIB de MS, alertam especialistas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
SECA. Segundo alerta, os estados da região da Bacia do Paraná devem enfrentar estiagem – Foto: Álvaro Rezende/Correio do Estado

Na semana passada, o Sistema Nacional de Meteorologia (SNM) emitiu alerta de escassez de chuvas na região da Bacia do Paraná, incluindo Mato Grosso do Sul, de junho a setembro. 

Para os economistas ouvidos pela reportagem, a crise hídrica pode impactar a inflação e ocasionar a desaceleração da retomada da economia.  

Segundo os especialistas, a restrição de chuvas diminui a oferta de produtos no campo, encarece a energia elétrica e, consequentemente, os produtos industrializados também sofrem impacto.  

“Uma das formas que isso pode afetar a economia é na oferta de alimentos, de alguns produtos e acerca da inflação. Porque acaba ampliando os custos quando a oferta está mais restrita. Quando a gente fala que os alimentos estão com custo mais elevado por conta da crise hídrica, é porque a água é um dos principais elementos para a produção de energia elétrica e também uma fonte necessária para a plantação, para a irrigação lá no início da cadeia produtiva”, explica a economista Daniela Dias.  

“E até mesmo no processo de industrialização e processamento a gente também necessita da energia elétrica, podemos ter diversos impactos inflacionários e até em aspectos produtivos”.

A pressão no índice que mede a inflação do País também pode ser grande. De acordo com o economista Marcio Coutinho, o maior impacto no bolso do consumidor será em relação ao aumento das taxas. 

Em junho, por exemplo, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou a bandeira vermelha patamar 2, com custo de mais de R$ 6,24 para cada 100 kWh consumidos.

“Vejo que isso pode impactar muito mais no bolso do consumidor, a conta de energia pode ficar mais cara. Se a conta de energia sobe, temos um impacto na inflação e obviamente teremos aumento do índice”, destaca.  

O secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, aponta que a situação preocupa do ponto de vista de recuperação econômica do Estado.

“O impacto direto para o consumidor é no aumento do custo da energia elétrica. Mas o que nos preocupa é que qualquer recuperação econômica que esteja crescendo você vai precisar de energia e não teremos essa energia”, avalia.

Durante agenda pública na segunda-feira (31), o secretário especial da Fazenda, Bruno Funchal, admitiu que a crise hídrica é um risco e pode pressionar a inflação.

“A crise hídrica é um risco, e a gente não pode ignorar isso. É um risco que pode trazer repercussão na reaceleração da economia e na inflação. Bandeiras vermelhas podem impactar na inflação”, afirmou o representante do governo federal.

PRODUÇÃO

A Agência Nacional de Águas (ANA) atendeu ao pedido do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) e declarou a situação crítica de escassez dos recursos hídricos. O secretário Jaime Verruck explica que a partir da portaria publicada pela agência é possível tomar alguma atitude.

“O alerta chama atenção, mas a portaria da ANA permite que a gente faça algumas ações. Com essa medida, a partir de hoje, a gente vai manter os reservatórios para gerar energia ou vai manter a navegabilidade? Vai ser para a energia, que é fundamental. Também estamos aumentando a questão da energia das termelétricas, Campo Grande acionou a William Arjona essa semana”, afirma.  

O maior impacto que pode desacelerar o crescimento de Mato Grosso do Sul é o encolhimento do agronegócio. 

Desde o início da pandemia o setor tem sido fundamental para manter os bons resultados, como o aumento das exportações e a produção recorde de grãos.  

Em 2021, MS produziu 13 milhões de toneladas de soja e já registra crescimento de mais de 10% na balança comercial. 

De janeiro a abril deste ano, houve superavit de US$ 1,213 bilhão, resultado de US$ 1,954 bilhão em exportações e US$ 741,322 milhões em importações. No mesmo período do ano passado, a diferença entre exportações e importações resultou em US$ 1,095 bilhão.  

Para o doutor em Economia Michel Constantino, “se faltarem os recursos hídricos, a produção no campo é paralisada e o impacto na economia é enorme”, diz.  

O titular da Semagro também pondera que a escassez deve afetar a produção de grãos e, consequentemente, o Produto Interno Bruto(PIB) do setor. 

“Hoje, o impacto direto que nós temos em relação à falta de chuvas é no PIB do agronegócio”.  

Daniela ainda destaca a redução nas expectativas de consumo, o que também gera números negativos de movimentação financeira.  

“Temos uma crise hídrica no meio de uma pandemia e o relato da possibilidade de termos o fungo negro. Isso tudo mexe com as expectativas das pessoas e elas ficam mais receosas em gastar. Pode ser que os produtos essenciais de alimentação e bebidas fiquem mais caros e isso vai pesar no bolso. Além do aumento da demanda a nível mundial, há a questão da oferta, e uma menor produção fica mais difícil principalmente para quem ganha um salário mínimo”, diz a economista.  

Daniela ainda destaca que o investimento em energias renováveis seria uma solução para “desafogar” o setor elétrico. Para ela, o investimento em energia solar pode ser uma alternativa.  

“Precisamos buscar alternativas, bem como resgatar a credibilidade da população para garantir uma inflação mais controlada”.